Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

So Silvestre ja na rua

Pedro Futa - 29 de Dezembro, 2018

Fotografia: Edies Novembro

A última vistoria ao percurso da 63ª edição da corrida de fim de ano, a São Silvestre de Luanda, acontece  amanhã, no período vespertino. Técnicos da Federação Angolana de Atletismo, Polícia Nacional e do Governo da Província de Luanda procedem às verificações ao tapete preto que conferem os 10 mil metros. A primeira vistoria ocorreu a 26 último.
O membro da Comissão de organização, Joaquim Dombaxe, garantiu, em  conferência de imprensa, no anfiteatro do edifício Kilamba, que as condições estão criadas para a realização do evento. Mais de dois mil participantes, entre nacionais e estrangeiros, estão inscritos. Todas as associações provinciais vão enviar uma dupla de fundistas cada.
Entre os estrangeiros convidados constam os etíopes Beyanesh Ayle e Tesfera Mosisa, o português Artur Rodrigues, os quenianos Edwaed Mbuni, Mokua Nyandusi e Nyabera Gesare. A chegada ao país começa hoje.
A Federação Angolana de Atletismo conta com patrocínios das empresas Cuima, Total, Banco Fomento Angola (BFA) e a Ethiopian Airlines, que disponibilizou os bilhetes de passagens para os atletas estrangeiros. Ao todo, o comité organizador arrecadou 35 mil dólares norte-americanos, além de 18 milhões de kwanzas cedidos pelo Ministério da Juventude e Desportos.
Bernardo João assegurou que os prémios não são cumulativos. Os atletas nacionais são premiados numa classificação até o 10º lugar. O primeiro recebe 500 mil, o segundo, 400 mil e o terceiro, 300 mil kwanzas. O décimo é agraciado com 15 mil kwanzas. Os mesmos valores acima descritos são atribuídos aos atletas da classe paralímpica. Cada um dos veteranos até o oitavo lugar vai receber 30 mil kwanzas pela participação.
Os atletas estrangeiros gozam de uma prerrogativa. São premiados em moeda da União Europeia. O primeiro classificado é agraciado com três mil, o segundo com dois mil e o terceiro com mil euros.
Mais de 800 efectivos da Polícia Nacional, incluindo os bombeiros, foram mobilizados para a segurança dos atletas.
Até o dia 26 do corrente, estavam disponíveis os postos de inscrição na Cidadela Desportiva, nos municípios de Cazenga e de Viana e na sede da Federação Angolana de Atletismo ao bairro Nova Vida. A taxa de inscrição foi de 500 kwanzas.
O percurso da São Silvestre de Luanda tem 10 quilómetros. A partida acontece no Largo da Mutamba. Os atletas seguem em direcção ao Largo Serpa Pinto, Largo da Maianga, Avenida Revolução de Outubro, Túnel do Prenda, Avenida Ho Chi Mi, Largo das Heróinas, Largo 1º de Maio, Avenida Alameda Van Dunen, Largo do Kinaxixi, Rua da Missão, Rua Cirilo, Avenida 4 de Fevereiro, Largo do Baleizão e chegada ao Estádio dos Coqueiros.
Sete postos de abastecimento de água para refrescamento dos corredores vão ser montados no Largo da Mutamba, Hospital Psiquiátrico de Luanda, CDUA, Ho Chi Mi (sede do MPLA), Farmácia Kinaxixi, Comando Geral da Polícia Nacional e interior do Estádio dos Coqueiros. Para garantir a segurança de atletas e de populares, o médico João Molima lidera a comissão médica. Vários técnicos de saúde, ambulâncias, enfermeiros, massagistas e fisioterapeutas estão mobilizados.
O Governo da província de Luanda garante apoio à prova. A vice-governadora para o Sector Político e Social, Ana Paula Correia Victor, garantiu a remoção de objectos e de viaturas estacionadas ao longo do percurso. As chapas que cobrem diferentes obras permanecem para garantir a segurança das mesmas. Os atletas devem ajustar-se para evitar dissabores. O Governo provincial de Luanda prometeu remover apenas as chapas que cobrem as obras no Ministério das Finanças.
Os populares devem posicionar-se à berma de estrada, de acordo com as regras da IAAF. Não devem movimentar-se de um lado para o outro no momento de partida de atletas.
Manuel Simão e Adelaide Machado foram os vencedores da edição passada.

ATAQUE AO PÓDIO
Huilanos traçam
estratégia de andamento

A estratégia de andamento a imprimir durante a São Silvestre de Luanda, na próxima segunda-feira, é aprimorada nos últimos dias de preparação por fundistas da província da Huila. A demarcação de grupo, manutenção da passada e a recuperação constituem os exercícios de aperfeiçoamento das equipas. A estratégia é defendida por Ana Isabel, presidente da Associação Provincial de Atletismo da Huila.
A antiga fundista argumentou que as equipas huilanas decidiram alinhavar essa estratégia para enfrentar com facilidade os principais adversários, mormente, os estrangeiros.
\"Estamos a corrigir o sistema técnico-táctico dos atletas ao longo do andamento na corrida. Já estão preparados, porém, faltava aprimorar o ataque\", justificou.
Ana Isabel sustentou que o atleta deve ter \"uma preparação convincente e cuidada\" para competir em provas da dimensão da São Silvestre de Luanda. Por isso, com os exercícios feitos, a Huila tem uma palavra a dizer nos escalões de juvenis e juniores femininos.
\"Podemos chegar ao pódio. É o objectivo nesses escalões. Em seniores, não é fácil bater Francisco Caluvi, David Elias, entre outros. Os nossos atletas são de escalões inferiores e constam do programa de massificação\", esclareceu.
A delegação huilana é integrada por 30 corredores em representação do Ferroviário da Huila, Clube Desportivo da Huila, Desportivo da Saúde e Assessoria Jamba Sport. Os atletas foram eleitos em função das médias alcançadas em diferentes provas realizadas na província. A Huila é a única do país que realiza campeonatos provinciais nos escalões de infantis, benjamins, iniciados, juvenis e juniores, além de um Festival de Atletismo com periodicidade anual.
Ana Isabel reprime as associações provinciais que nada fazem ao longo ano, mas só se manifestam para a corrida do final do ano.
“Noutras províncias, apenas vejo fundistas do Petro de Luanda, 1º de Agosto e Interclube, que criaram núcleos provinciais. As associações só existem por estarem dentro de uma província, mas o trabalho dessas instituições não é conhecido. Os atletas aparecem na São Silvestre de Luanda, mas nunca nas provas nacionais da Federação Angolana de Atletismo\", criticou.
Por inexistência de actividades, Ana Isabel defende que as associações inertes não podem valer-se na hora de justificar atletas nas suas áreas de jurisdição. Os atletas pertencem a clubes de Luanda.
GAUDÊNCIO HAMELAY, NO LUBANGO


Objectivo
1º de Agosto convicto
na conquista do título

Há poucos dias para a disputa da maior corrida da África Austral, a São Silvestre de Luanda, a preparação dos fundistas do núcleo do 1º de Agosto, residentes na província da Huíla, está na fase derradeira e as médias apresentadas são satisfatórias para arrebatar o troféu atribuído aos atletas nacionais. A garantia é do treinador, Lázaro João.
Em declarações ao Jornal dos Desportos, Lázaro João assegurou que está \"convicto para arrecadar o título da 63ª edição da São Silvestre de Luanda\" em função dos indicadores apresentados. Trabalham com Lázaro João os atletas Manuel António, Rafael Epessy, Avelino Sangahaly, Rossélia Ben e Boneca Segunda.
Até a partida para Luanda, o grupo vai manter a gestão dos níveis competitivos alcançados. O sucesso na prova depende da estratégia a adoptar. Lázaro João incutiu aos atletas \"uma gestão de corrida com incidência no controlo dos aspectos emocionais para se obter as marcas satisfatórias\". No seu entender, os atletas devem cortar a meta, no Estádio dos Coqueiros, com o tempo de 28min50s.
Os \"militares\" têm um amissão espinhosa. Além de estrangeiros, devem confrontar-se com \"os polícias\" Francisco Caluvi e Ernestina Paulina. Os atletas do Interclube são as principais referências de fundistas que trabalham na província da Huila.
GAUDÊNCIO HAMELAY, NO LUBANGO


CORRIDA ANASTÁCIO FRANCISCO
Lubango fervilha hoje
com centenas de atletas

A 6ª edição da corrida de fim de ano provincial da Huila, denominada Anastácio Francisco,  co-fundador do atletismo huilano, é realizada hoje no Lubango com a participação de mais 150 concorrentes entre populares, federados, crianças e paralímpicos, numa distância de oito quilómetros. O tiro de largada da prova acontece às 8h00 defronte à fábrica cervejeira N’gola e o término está aprazado junto às instalações da sede do Comité Provincial do Partido MPLA.
Para testemunhar o certame, a organização convidou o Governador provincial da Huíla, Luís da Fonseca Nunes, o Administrador municipal do Lubango, Armando Vieira, e o Director do Gabinete da Cultura Turismo Juventude e Desportos, Osvaldo Lunda, entre outras entidades convidadas.
O comité organizador local assegurou as condições técnicas, administrativas e médico-medicamentosa para o êxito do evento, segundo o coordenador técnico da Associação Provincial de atletismo da Huíla, Augusto Diogo “Seco. O patrocinador responsabiliza-se pelos prémios.
“A questão de prémios está garantida. Os vencedores das classes federada, criança, popular e paralímpica, em ambos os sexos, vão sorrir no final da corrida\", confirmou.
Os atletas do Petro de Luanda, Interclube e 1º de Agosto, que não forem eleitos para disputar a prova da capital do país, vão emprestar a capacidade competitiva à corrida Anastácio Francisco. Augusto Diogo apela aos atletas a \"precaverem-se\" das emoções resultantes de \"uma corrida curta e rápida\".
As inscrições decorrem até 30 minutos antes do tiro de largada. A organização faz vénia a todos quanto se dignarem participar do evento que \"fecha em grande o ano de 2018\".
GAUDÊNCIO HAMELAY, NO LUBANGO