Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

So Silvestre sem prmios para distribuir

Silva Cacuti - 26 de Janeiro, 2017

Francisco Caluvi venceu a ltima So Silvestre de Luanda e desconhece a cor do prmio

Fotografia: Jornal dos Desportos

Bem perto de completar um mês, da participação na corrida de fim -de -ano, a São Silvestre de Luanda, os participantes que garantiram lugares merecedores de prémios ainda aguardam pela recepção dos mesmos, segundo apuramos junto de alguns corredores. Engajados na preparação da "Fuga para a Resistência", prova que sai à rua a 4 de Fevereiro na cidade de Caxito, os fundistas receiam que aconteça o mesmo da edição de 2015, quando viram o dinheiro apenas em Março, após muita pressão.

"Já mudou o elenco da Federação, mas parece que continua com as práticas da gestão passada. Para ir a Luanda correr, tivemos de endividar-nos para pagar a passagem. Até agora, não nos dizem nada", disse um dos nossos interlocutores. Maria Candela, segunda classificada da tabela geral feminina, e primeira na classe de populares, espera o prémio e explica as razões.
"Não nos dizem nada.

O treinador fez contactos e dizem que já está no Banco. A pessoa vai ao Banco e não encontra nada", reclamou. Maria Candela esclarece os gastos previstos, caso tenha a  recompensa na mão. "Estou a preparar-me para ir correr a Caxito. Se o prémio me chegar à mão, ao menos vai ajudar nos custos com a passagem", disse. A organização da São Silvestre estabeleceu prémios avaliados em 500 mil Kwanzas para o primeiro classificado, tanto em masculino como feminino.

Para o segundo classificado está previsto o valor de 320 mil kwanzas, e 250 para o terceiro, numa lista que inclui até o quinto colocado.
Além da tabela de prémios para atletas federados, foram fixados prémios para os corredores populares e paralímpicos. Os veteranos e os atletas mais velhos, em cada classe, também foram contemplados na tabela de premiados.

PROBLEMA RESOLVIDO
Contactada, ontem, pela nossa reportagem, a Federação Angolana de Atletismo (FAA), através de Joaquim Dombaxi, que foi porta-voz da organização da corrida, disse que a questão que impedia o trespasse de valores para as contas dos contemplados estava superada, e que ontem mesmo seria resolvida a situação.

"Tivemos atrasos na recepção de valores financeiros, por um lado. Por outro, recebemos alguns protestos que mereceram a primazia na solução dos casos, sem os quais, não podíamos velar pelas transferências dos dinheiros. Felizmente, está tudo resolvido e hoje mesmo (ontem), creio que os corredores vão ter os seus prémios nas respectivas contas", garantiu.

Os atrasos nos pagamentos dos prémios referentes à São Silvestre de Luanda são práticas que dominaram os últimos três anos da gestão de Carlos Rosa, afastado da Federação nas eleições de 8 de Novembro, que colocaram na presidência da instituição, Bernardo João.

O elenco federativo fez parceria com a empresa MRD Investimentos e anunciou cerca de 12 milhões de kwanzas, como valores granjeados para o sucesso da corrida. Cerca de 1500 corredores inscreveram-se na prova, que não contou com a habitual presença de corredores da elite mundial. Francisco Caluvi, com o tempo de 31min25s, foi o vencedor, ao passo que Adelaide João ganhou em femininos, ao cronometrar 37min03s.

Directora do INEMA
aconselha exercícios

Com vista a evitar o surgimento de enfermidades, e melhorar o bem-estar físico e mental, a directora do Instituto Nacional de Emergências Médicas de Angola na província do Huambo, Georgina Figueiredo, aconselhou a população a praticar exercícios físicos.
Quando falava na palestra sobre “A importância da prática do desporto na qualidade de vida”,  a responsável sublinhou que a prática desportiva ajuda a evitar o surgimento de enfermidades como a diabetes, e a hipertensão arterial.

Georgina Figueiredo asseverou que a prática desportiva ajuda, principalmente, a  libertar toxinas, através do suor, e controlar melhor as várias doenças resultantes do sedentarismo. Porém, explicou que a prática desportiva deve ser feita por todos os cidadãos, que tenham condições físicas de o fazer, desde que obedeçam as regras para o efeito.

Quando é efectuada irregularmente, pode causar grandes consequências ao organismo humano. Para o efeito, disse ser fundamental uma orientação de pessoas especializadas na matéria, já que também pode provar problemas graves.