Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Solidariedade Olmpica forma treinadores em Angola

Rosa Napoleo - 20 de Junho, 2019

Os delegados provinciais devem chegar a Luanda at o dia 19 do corrente

Fotografia: Jornal dos Desportos

A Solidariedade Olímpica, com a colaboração da Federação Internacional de Esgrima, procede nos dias 20 a 28 de Agosto, no Magistério Muto Ya Kevela, em Luanda, a formação de treinadores de esgrima de nível I. A oferta da instituição do Comité Paralímpico Internacional conta com a promoção da Federação Angolana de Esgrima.
Em declarações ao Jornal dos Desportos, o presidente da instituição angolana, Domingos Pascoal, assegurou que estão disponíveis 35 lugares para estudantes (do INEF e do Instituto Superior de Educação Física) e as inscrições estão abertas na sede social da Federação. O evento vai contar com as presenças de monitores de esgrimas, treinadores e professores de educação física.
"Apelo a todos os activistas a participar do curso com a finalidade de alargarem os conhecimentos", disse.
O curso vai ser dirigido por Regis Trois de Aveia, professor de nacionalidade brasileira, que vai ministrar matérias como "Didáctica e Generalidade", "Material e Equipamentos", "Equipamentos de Sinalização Electrónica", "Floreto: Teoria e Prática", "Espada: Teoria e Prática", "Sabre: Teoria e Prática", "Ataques e Respostas simples", "Ataques e Respostas compostas", "Combinações Ofensivas e Defensivas", "Arbitragem e Gestão das Competições".
Os delegados provinciais devem chegar a Luanda até o dia 19 do corrente e vão estar alojados na Pensão Invicta ao Kinaxixi até o dia 28. Todas as despesas dos delegados como a hospedagem, alimentação e deslocação (de e para as suas províncias) estão a cargo da Solidariedade Olímpica por via da Federação Angolana de Esgrima.
Domingos Pascoal esclareceu que o curso tem como finalidade"proporcionar aos agentes desportivos a prática com os novos equipamentos ofertados pela Federação Internacional de Esgrima".Domingos Pascoal lamenta a falta de dinheiro para desalfandegar o material desportivo, retido no Porto de Luanda há mais de um ano. Todas as demarches feitas para o retirar redundaram em fracasso. As entidades portuárias cumprem a lei e o material desportivo retido não consta da lista de produtos isentos de impostos.
"Os equipamentos que vamos manusear durante o curso de nível I são iguais aos que estão retidos no Porto de Luanda. Os nossos atletas aguardam-no há mais de um ano ", disse.