Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Sporting de Luanda promete levar Minjud s barras da justia

Juscelino da Silva - 12 de Setembro, 2019

Fotografia: Edies Novembro

A direcção do Sporting de Luanda, liderada por Jorge Oliveira, prometeu apresentar uma queixa-crime contra o Ministério da Juventude e Desportos, por incumprimento das obras de restauração do Pavilhão Multiusos da agremiação leonina, localizada no bairro dos Coqueiros, no distrito das Ingombotas.
Em declarações ao Jornal dos Desportos, Jorge Oliveira afirmou haver "má fé" do Ministério da Juventude e Desportos, por não repor a legalidade do contrato assinado com a instituição leonina. Seis anos depois, o órgão reitor do desporto no país não se pronuncia sobre a retomada das obras do pavilhão.
A direcção do Sporting de Luanda já manteve duas reuniões com a Ministra Ana Paula do Sacramento Neto, que prometeu repor a legalidade no pavilhão. Para Jorge Oliveira, as palavras não passaram de promessas. Por esse motivo, o dirigente promete levar o assunto às estâncias superiores.
"Vamos levar o assunto aonde não queríamos que fosse parar. Além de danificarem o nosso pavilhão, o empreiteiro fugiu com o dinheiro do Estado. É um assunto grave e o Ministério nada faz para obrigar o empreiteiro a repor a legalidade", disse.
O "homem forte" de um dos clubes mais antigos do país, diz não compreender o posicionamento de uma instituição pública, ante a postura de uma empresa estrangeira, que "foge com dinheiro pago pelo Estado angolano sem concluir a obra". Ante o silêncio, diz estar "agastado" com o Minjud.
"Estamos agastados com esta situação. Sempre procuramos resolver este problema na paz e na tranquilidade, mas desta vez o leão vai rugir de forma negativa e isso vai custar caro a quem é de direito\", prometeu.
A empresa chinesa CTC deixou de prestar serviços, após a ordem da direcção do Sporting de Luanda, que havia constatado irregularidades na execução da obra. Desde então, sem esclarecer as razões de alteração do projecto "abandonou a obra" até os dias correntes. A CTC partiu parte das bancadas de betão para dar acesso aos camiões de serviço. Desde então, os balneários e outros serviços não funcionam.
O dirigente justifica os constrangimentos resultantes da inoperância do recinto.
"Temos crianças a treinar no nosso pavilhão. Partiram uma parte da bancada, o que representa um grande perigo a quem treina no nosso recinto" disse.
Jorge Oliveira assegurou que o Ministério sempre "abandalhou" a direcção do Sporting de Luanda. Ainda assim, "fomos sempre atrás da melhor solução " e dos vários encontro mantidos com o Minjud "não resultou em nada".
No mês passado, o Jornal dos Desportos contactou a Directora de Infra-estruturas do Minjud, Lizeth Fernandes. A dirigente prometeu resolver a situação o mais breve possível.
Os pavilhões do Sporting de Luanda, Ferroviário, Atlético Sport Aviação e do 1º de Agosto, tinham sido contemplados para receberem obras de melhoramento com financiamento do Estado angolano, durante a fase de preparação do campeonato mundial de hóquei em patins realizado em 2013. Dos quatro empreendimentos, apenas dois foram concluídos: o pavilhão Jean Jacques da Conceição afecto ao 1º de Agosto e o do Ferroviário de