Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Sporting fecha porta ao hóquei

Sérgio V. Dias e Elsa Dias - Cuito - 08 de Janeiro, 2014

Província do Bié já foi um verdadeiro «viveiro» do hóquei no país tendo catapultado vários valores que elevaram o nome da cidade do Cuito ao mais alto pedestal

Fotografia: Jornal dos Desportos

No ano que passou para a história foi frustrante  no Bié pelo  facto de o Sporting  ter fechado a  porta  à modalidade de hóquei em patins, que aparecia a liderar o processo de massificação nestas paragens. O director-geral do Sporting do Bié, Carlos Manuel Dias dos Reis, lamentou o encerramento do processo de massificação da modalidade no seio do clube por falta de material desportivo para a  prática da mesma.

O responsável leonino acusou  nesse sentido, alguns dirigentes da Federação Angolana de Hóquei em Patins de agirem de má-fé, quando afirmam que o clube já foi agraciado com material de patinagem por parte do organismo.

«Há dirigentes que não merecem a confiança que se deposita neles. Não sei até agora a quem a federação fez a  entrega de material desportivo», lembrou o responsável leonino. O hóquei em patins no Bié já enfrentou momentos marcantes, chegou  mesmo a  tornar-se  um verdadeiro «viveiro» da modalidade em Angola. «O percurso glorioso do hóquei no bieno foi interrompido pela guerra após as eleições legislativas de 2002», como frisou Fernando Cristóvão Diniz, responsável do Núcleo Dinamizador da modalidade na província.

INFRA-ESTRUTURAS
Falta de recintos retrai andebol


O presidente da Associação Provincial de Andebol (APA) do Bié, Victor Quessongo, lamentou o facto de escassearem  os recintos de jogos  na região para a prática da modalidade. O responsável referiu que devido à gritante falta de infra-estruturas o andebol experimenta  passos tímidos nestas paragens.

Não obstante isso, Victor Quessongo reitera o facto de a Associação «estar a fazer tudo» no sentido de tirar o andebol bieno do estado de letargia em que está  mergulhado. «Infelizmente, o nosso grande problema reside na componente  infra-estruturas. Os poucos recintos existentes  no Cuito, apresentam-se degradados”, disse, para acrescentar  que as  inúmeras dificuldades com que a modalidade se debate em alguns núcleos como os do Cunge e do Benfica,  já paralisaram a actividade.
S.V.D