Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Supremacia dividida nos "nacionais" do Bié

JO?O CONSTANTINO E S?RGIO V. DIAS, NO CUITO - 24 de Janeiro, 2017

Equipa do Sporting do Lubango é o campeão nacional de juniores masculinos

Fotografia: João Constantino

As equipas do 1º de Agosto, em juniores feminino, do Sporting do Lubango, júnior masculino, e do Atlético do Namibe, em juvenil feminino, foram os campeões dos nacionais jovens de voleibol de sala, que terminram domingo no Cuito, capital do Bié. O anfitrião Sporting do Bié não consegiu evitar a a terceira e última posição nas três classes do certame, que se disputou no espírito do “Fair-play”.

A surpresa, nesta edição de 2017, esteve no facto de o detentor do título nas três categorias, o Atlético do Namibe, ter conseguido revalidar o ceptro apenas em juvenis feminino. Apesar do técnico do Atlético, Mário Maquile, afirmar que a nível do país é na cidade da Welwitschia Mirábilis onde se pratica o melhor voleibol de formação, ainda assim, viu-se o contrário no certame.

Para se ter uma idéia clara desse aspecto, basta referir que na fase regular da prova os namibenses não conseguiram vergar nem o 1º de Agosto e muito menos o Sporting do Lubango. Por partes, a equipa juvenil do 1º de Agosto venceu por duas vezes o Atlético do Namibe na fase regular, mas não foi capaz de repetir a mesma proeza no jogo da final onde perderam por três sets a um (20-25, 22-25, 25-14 e 15-25).

Este foi o único jogo que a equipa do “rio seco” perdeu diante do Atlético do Namibe que ergueu o troféu em juvenis feminino. Por outro lado,  no escalão júnior feminino o 1º de Agosto manteve a invencibilidade na prova. Derrotou o Atlético do Namibe por convincentes três sets a um, com parciais de 25-20, 24-26, 25-18 e 25-18, destronando assim a turma campeã em título. António Domingos, treinador da equipa militar, afirmou que tudo estava encaminhado para vencer a prova, visto que desde a primeira fase a sua equipa vinha evidenciando superioridade diante do adversário.

“O Atlético do Namibe tem uma boa equipa, mas ainda fomo melhor desde a primeira fase. Este título vem coroar uma época de muito trabalho feito no sei do D’Agosto”, revelou o técnico no final do certame. Mário Maquile justificou a perda do titulo devido a algumas jogadoras influentes na equipa namibense que não puderam estar presentes na competição. “Apesar disso, vamos continuar a trabalhar para recuperar o título o próximo ano”, disse.

VINGANÇA DOS LEÕES
Em masculinos o Sporting do Lubango vingou-se do Atlético do Namibe com quem haviam perdido na edição anterior. O jogo de “vingança” da turma dos leões da Huíla, como afirmou o seu  técnico, Guilherme Gomes, justificou-se com o facto de ter vencido o seu oponente e relegá-lo para o segundo lugar.

Numa partida muito disputada, o Sporting do Lubango venceu por três sets a dois, com parciais de 13-25, 19-25, 28-26, 25-13 e 15-9, respectivamente. Guilherme Gomes afirmou, ainda, que tinham como meta vencer o campeonato nacional júnior masculino, depois do desaire da equipa no “nacional”, disputado nas terras altas da Chela e onde a sua equipa actuou como anfitriã.

“Este jogo foi mais difícil, porque deixámos o adversário acreditar que poderia vencer, mas no final conseguimos impor a nossa superioridade. O título é dedicado aos nossos atletas, dirigentes e adeptos no Lubango”, afirmou. Já em relação ao anfitrião Sporting do Bié, terceiro e último em todas as categorias, o presidente do clube, Paulo Jorge Capama, afirmou estar satisfeito com a prestação da equipa que tudo fez para dignificar a sua participação.

“Ainda temos muito que trabalhar, já que este foi a nossa primeira participação na prova. Tivemos atletas a jogar em dupla categoria e isso foi desgastante para elas. Esperamos aparecer melhor nas próximas provas”, afirmou o líder do emblema leonino.