Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Taça Sayovo corre hoje em Luanda

Melo Clemente - 05 de Março, 2017

Atletas do Huambo e Luanda vão lutar pelos lugares cimeiros da décima primeira edição da Taça José Armando Sayovo

Fotografia: Jornal dos Desportos

A direcção do Comité Parlímpico Angolano (CPA) faz disputar hoje, domingo, a partir das 7h30 nas mais diversas artérias da capital do país, Luanda, a 11ª edição da Taça José Armando Sayovo, em atletismo adaptado, num percurso de dez quilómetros.

Mais de quatro centenas e meia de atletas, entre federados e não federados, estão inscritos para a prova que visa homenagear a figura do internacional angolano, José Armando Sayovo, tri-campeão paralímpico e mundial dos 100, 200 e 400 metro, respectivamente, feito obtido no Jogos Parlímpicos de Atenas, Grécia, em 2004.

Depois de dois sucessivos adiamentos, devido a questões técnicas, a direcção do Comité Paralímpico Angolano (CPA), encabeçada por Leonel da Rocha Pinto, tem tudo alinhavado para que a prova de fundo saia hoje à rua.

Catorze das dezoitos províncias que compõem o país, vão participar hoje da prova instituída pelo Ministério da Juventude e Desportos (Minjund).
Lunda Norte, Lunda Sul, Cabinda e Cunene são as províncias que vão falhar a 11ª edição da Taça José Armando Sayovo.

As províncias de Luanda e Huambo vão estar representadas no evento com maior número de fundistas, com mais de seis centenas de atletas, em ambos os sexos.

António Manuel da Luz, secretário -geral do CPA  e um dos membros do Comité Organizador da prova, mostrou-se satisfeito com a adesão massiva dos atletas das 14 províncias.

"Tem sido quase uma prática comum os atletas das mais diversas províncias do país responderem de forma positiva, as provas organizadas pelo CPA, com particular realce para a Taça José Sayovo. Apesar da competição ter sofrido dois adiamentos, ainda assim, teremos mais de 450 atletas em representação de 14 províncias. Portanto, estamos satisfeitos com o número de atletas inscritos, e tudo faremos para que a prova decorra sem grandes sobressaltos", assegurou António Manuel da Luz.

O ano passado, a competição não foi disputada por falta de verbas, resultante da crise que assolou o país, em face da baixa do preço do barril do petróleo no mercado internacional.

Este ano, com um esforço suplementar, segundo António Manuel da Luz, da direcção do Comité Paralímpico em parceria com o Ministério da Juventude e Desportos, conseguiu desbloquear as verbas para organizar a competição.

Entretanto, sete milhões de kwanzas é o montante estipulado pelo Comité Organizar, para ser canalizados em prémios. A organização vai premiar do primeiro ao quinto classificado, nas mais diversas categorias.

O primeiro classificado vai embolsar a quantia de 150.000.00 kz (cento e cinquenta mil kwanzas), 110.000.00 kz, para o segundo, 80.000.00 kz, 60.000.00 kz e 50.000.00 kz respectivamente, para terceiro, quarto e quinto classificado.

O tiro de largada vai ser no Largo dos Ministérios, Bombas de Combustíveis, Rádio Nacional, Comandante Gika, Kero do Gika, passando pela Clínica Girassol, Bombas da Sonangol, Rua Senado da Câmara com chegado no Complexo da Cidadela Desportiva.