Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Taça Sayovo com pouca adesão

Melo Clemente - 01 de Fevereiro, 2014

Prova de dez quilómetros visa saudar o Dia Nacional do Desporto assinalado no dia 23

Fotografia: Jornal dos Desportos

A fraca adesão de participantes a IX edição da Taça José Sayovo em atletismo, prova que sai à rua no dia nove do mês em curso, em Luanda, está a preocupar a direcção do Comité Paralímpico Angolana (CPA) que tencionava reunir cerca de quatro centenas de atletas, entre federados e não federados.

Até ontem, a direcção do Comité Paralímpico Angolano tinha registado apenas meia centena de corredores, maioritariamente populares, de acordo com António Manuel da Luz, secretário-geral do CPA.

“Infelizmente continuamos a registar pouca adesão dos participantes para a IX edição da Taça José Sayovo. As inscrições começaram no pretérito dia 21,  e até hoje (ontem) só temos ainda inscritos cinquenta corredores maioritariamente populares”, lamentou o executivo do Comité Paralímpico Angolano.

António Manuel da Luz afirmou que o número de atletas pode subir nos próximos dias, depois da reunião que órgão que tutela a prática do desporto adaptado vai ter hoje com as 18 associações provinciais.

“Penso que o número vai subir nos próximos dias, isto em função do encontro que vamos manter amanhã (hoje) com as 18 Associações provinciais. Acredito que as Associações estão à espera desta reunião a fim de inscrever os seus representantes”, disse.

O responsável anunciou por outro lado, que as condições técnicas e administrativas estão a ser criadas pela direcção do Comité Paralímpico Angolano, para que a prova de dez quilómetros que visa saudar o dia 23 de Janeiro, Dia nacional do Desporto, seja coroado de êxito. A prova parte do Largo do Baleizão passa pela marginal, Porto de Luanda termina no ponto de partida.

Entretanto, para precaver-se de eventuais incidentes, o Comité Paralímpico Angolano em parceria com o Instituto de Emergências Médicas vão ser rigorosos na avaliação do boletim clínico de cada participante.

“Nós vamos ser rigorosos neste sentido. Infelizmente na Taça Lwini tivemos a morte de um atleta curiosamente de alta competição e que tinha realizado os seus exames médicos. Portanto, são coisas que acontecem não só no desporto. Mas ainda assim, vamos ser rigorosos e os populares têm de assinar um termo de responsabilidade sobre o estado de saúde”.

Vão ser premiados 19 categorias. O pacote inclui o prémio do mais velho da prova. O primeiro classificado embolsa 250 mil kwanzas), o segundo 200 mil kz, o terceiro, 150 mil kz, o quarto ,100 mil kz e o quinto  receber 50 mil kz.

A partir do próximo ano, a Taça José Soyovo, competição que visa igualmente assinalar os feitos do internacional angolano, pode ser internacionalizada.

José Sayovo é nesta altura a maior referência do atletismo paralímpico.


Encontro
CPA em debate hoje

O actual momento do desporto adaptado vai ser debatido hoje, em Luanda, por membros de direcção e delegados das 18 províncias do país, com o objectivo de recolher opiniões e encontrar soluções para os problemas existentes, no fórum a realizar-se na sede do Comité Paralímpico Angolano (CPA).

Em declarações à «Angop», o secretário-geral da instituição, António da Luz, afirmou que a actividade inicia às nove horas com a reunião de membros de direcção, para elaboração de um diagnóstico da situação com destaque para as políticas de desenvolvimento.

Em seguida, reúnem-se os delegados para abordagem de questões técnicas e principais dificuldades encontradas no exercício da actividade, como a falta de transporte, de apoio dos governos provinciais e de infra-estruturas.

O encontro magno anual do CPA vai debater ainda os programas de trabalho das modalidades, após dissertação das coordenações, mormente a de atletismo, cujo ponto de situação vai ser apresentado pelo coordenador, José Manuel, seleccionador nacional.