Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Talentos despontam com marcas pessoais promissoras

Gaudncio Hamelay, no Lubango - 03 de Novembro, 2018

Hula um dos grandes plos de desenvolvimento do atletismo nacional e tem os seus clubes apostados na massificao

Fotografia: Jos Soares| Edies Novembro

As péssimas condições de trabalho a que estão sujeitos os atletas da modalidade de atletismo na província da Huíla, no geral, e os do Clube de Assessoria Desportiva Jamba Sport, em particular, revelam-se insuficientes para impedir o despontar de novos talentos com performances competitivas, bem como marcas pessoais promissoras.
Considerado um dos grandes pólos de desenvolvimento do atletismo nacional desde os anos idos, a região tem os seus clubes apostados na massificação da modalidade cujos frutos começam já a surtir efeitos desejados pelos mentores desses projectos.
Entre vários talentos que despontam nas terras altas da Chela, destaque recai para dois jovens corredores pertencentes ao Clube de Assessoria Desportiva Jamba Sport que vão representar o país nos Jogos da Região da Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral (SADC) em Dezembro, no Botswana.
Trata-se de Manuel Chivela (17 anos), que pratica a modalidade há dois anos nas especialidades de 400 e 800 metros nas categorias de juvenis e juniores, que foi descoberto nos jogos escolares de 2016, enquanto Saltiano Faria (15 anos) está há 4 anos no atletismo por influência de um amigo e compete nas distâncias de 1.500 e 3.000 metros rasos, bem como nos 3.000 metros obstáculos.
O jovem corredor Manuel Chivela representou recentemente o país nos Jogos Olímpicos da Juventude, realizados entre os dias 6 e 18 de Outubro deste ano, na cidade de Buenos Aires, Argentina tendo ficado em 6º lugar com a marca de 1 minuto, 58 segundos e 29 décimas naquela que foi a sua primeira participação em eventos internacionais. O novo talento destacou os ganhos e a experiência adquirida com a sua participação neste evento internacional. “Nos Jogos Olímpicos da Juventude estive bem e foi muito bom para mim porque ganhei uma grande experiência. Gostei muito por ser um maior sonho que cada atleta almeja atingir”, ressaltou.
Apontou que os Jogos Olímpicos constituem o maior sonho que cada atleta aspira atingir na sua carreira desportiva. Por essa razão, Manuel Chivela, campeão nacional dos 400 e 800 metros rasos nas categorias de juvenis e juniores de 2017 e 2018, considera-se honrado por ter marcado presença nesta competição de dimensão mundial. “É bem verdade que os jogos Olímpicos é o maior sonho de cada atleta. E eu estou muito honrado por ter participado neste evento”, destacou.
A conquista da medalha de bronze nos Jogos Desportivos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) disputado em São Tomé e Príncipe com o registo de 2 minutos e 04 segundos, enche de orgulho ao outro jovem huilano, Saltiano Faria, um “diamante” que está sendo lapido igualmente pelo Clube de Assessoria Desportiva Jamba Sport. Saltiano Faria é também campeão nacional do 3000 e 5.000 metros na categoria de juvenis e juniores desde 2014 e campeão nacional de corta mato na distância de 3 kms juvenis de 2018.
Para os Jogos da Região da Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral (SADC), disse estar a preparar-se afincadamente para alcançar bons resultados.
“Estou a me preparar arduamente para competir nos 1.500 e 5.000 metros porque fui campeão nacional júnior dos 5.000 metros. Deste modo, a preparação está sendo boa e já estamos a focar mais nos trabalhos de endurance, potência e força explusiva”, frisou.
O técnico e patrono do Clube de Assessoria Desportiva Jamba Sport, Manuel António, confirmou que os dois atletas estão a desenvolver um trabalho específico com vista a competirem nos Jogos da SADC.
Citou que nesta fase estão a focar num micro ciclo porque os atletas vêem de uma pausa para nova readaptação. “Estamos a focar um pouco mais naquilo que é o trabalho de endurance, força e explosão acima de tudo principalmente para os corredores da especialidade de 400 e 800 metros rasos que nos jogos da SADC poderão fazer isso com objectivo de melhorar suas marcas pessoais.
Manuel António salientou que por isso é que estão a focar mais em trabalho de força pois os nossos atletas encontram-se com muitas dificuldades na finalização principalmente nos últimos 30 e 40 metros de chegada por falta de força.
“Isto tudo repercute-se na causa daquilo que são as estruturas de trabalho. Temos academias, mas talvez é um trabalho mais adaptado para essa área. Mas acredito que estamos a focar de modos a melhorar sempre os seus objectivos para alcançar bons resultados neste evento. Daí estarmos a focar num trabalho acompanhado e especifico para aquilo que são as provas que têm feito”, salientou.
Destacou que os dois atletas que vão competir nos Jogos da SADC possuem boas marcas pessoais por isso estão a trabalhar com especificidade para supera-las apesar de debater-se com muitas dificuldades de trabalhar nas nossas pistas.
“Mas a gente tem criar mecanismos e estratégias de estudo para fazer com que não se fuja naquilo que é rendimento de treinamento para perspectivar um futuro risonho a esses atletas”, afirmou.


PROGRESSÃO
Defendida concessão de bolsas de estudo

A progressão na melhoria de marcas pessoais de talentos que despontam no atletismo a nível do país, passa pela concessão de bolsas de estudos e de treinamento por parte do Ministério da Juventude e Desportos, afirmou no Lubango, o presidente do Clube de Assessoria Desportiva Jamba Sport, Manuel António.
O dirigente do Clube de Assessoria Desportiva Jamba Sport que trabalha bastante naquilo que é a detenção de novos talentos, referiu que para a prática de atletismo está a aparecer crianças espectaculares, porém sozinhos não conseguem levar e nem capacitar crianças para melhorar suas marcas pessoais.
Por essa razão, defendeu a necessidade da Federação Angolana de Atletismo junto do Ministério da Juventude e Desportos criarem estratégias e tentarem arranjar moldes de ajudar as escolas de formação.
De acordo com Manuel António, se houver esses apoios as escolas ou clubes que verdadeiramente estão a trabalhar em modalidades individuais, conseguem alguns talentos que ficaria mais fácil os atletas que representam o país em eventos internacionais ficarem finalistas em grandes competições.
Destacou que os dois atletas huilanos que vão na selecção nacional de atletismo com vista os Jogos da Região da Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral (SADC) e outros que foram recentemente nos Jogos Desportivos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), mostram índices de grandes melhorias.
“É preciso que a Federação junto do Ministério da Juventude e Desportos criar estratégias e tentarem arranjar moldes de ajudar as escolas de formação. Se houver esses apoios as escolas ou clubes que na verdade estão a trabalhar em modalidades individuais que conseguem alguns talentos, ficaria mais fácil os atletas que representam o nosso país em eventos internacionais ficarem finalistas em grandes competições”, defendeu. Manuel António indicou que a concessão de bolsas de estudos a esses talentos poderia melhorar bastante as marcas pessoais dos atletas.