Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Tribunal arbitral confirma suspensão de atletas russos

22 de Julho, 2016

IAAF, confirmando a ausência dos atletas russos dos Jogos Olímpicos Rio2016.

Fotografia: AFP

O Tribunal Arbitral do Desporto (TAS) rejeitou ontem o recurso dos atletas russos à suspensão imposta pela Associação Internacional das Federações de Atletismo (IAAF), confirmando a ausência dos Jogos Olímpicos Rio2016.

“O painel do TAS confirmou a validade da decisão da IAAF de aplicar as regras (...), segundo as quais os atletas de uma federação que esteja suspensa pela IAAF são inelegíveis para competições organizados sob as regras da IAAF”, lê-se num comunicado.

A federação russa e 68 atletas tinham recorrido da decisão da IAAF de suspender o atletismo russo de todas as provas, incluindo os Jogos Olímpicos, na sequência de um relatório independente da Agência Mundial Anti-dopagem (AMA), que revelou um sistema de dopagem apoiado pelo governo.
Sessenta e sete atletas tinham também recorrido da decisão da IAAF de impedir que participassem no Rio2016 como independentes.

ALEMANHA
O presidente do Comité Olímpico Alemão (DOSB) pediu a exclusão dos atletas russos Jogos Olímpicos Rio2016 nas 20 modalidades mencionadas no "relatório McLaren", que demonstrou a existência de um sistema de doping apoiado pelo governo desde 2011.

“Eu excluiria as 20 modalidades, aquelas em que foi possível demonstrar uma dopagem sistemática”, disse o presidente do DOSB, numa entrevista publicada ontem pelo jornal Bild.

O "relatório McLaren", tornado público na segunda-feira demonstrou a existência de um sistema de dopagem sistemático organizado pelo Estado russo, com o apoio activo dos serviços secretos, de 2011 a 2015, em 30 desportos, dos quais 20 são disciplinas inscritas nos Jogos Olímpicos de Verão.

De acordo com o presidente do DOSB, é mais complicado justificar a exclusão de modalidades que não tenham sido mencionadas no relatório pedido pela Agência Mundial Anti-dopagem (AMA).

O relatório, da autoria do professor de direito Richard McLaren, Vitali Mutko e o seu adjunto, Iouri Nagornykh, refere que o Estado russo foi responsável por um esquema de doping organizado no desporto russo, desde 2011 e que abrange 30 modalidades. O relatório, pedido pela Agência Mundial Anti-dopagem (AMA), diz que o Governo russo dirigiu um programa de dopagem com apoio estatal, com participação activa do ministro do Desporto e dos serviços secretos.

McLaren refere que o programa “à prova de falhas” foi colocado em prática pelos responsáveis russos, inclusivamente durante os Jogos Olímpicos de Inverno Sochi2014.

O COI adiou uma decisão sobre a presença da Rússia no Rio2016, mas na terça-feira vetou a presença do ministro do Desporto da Rússia, Vitali Mutko, nos Jogos Olímpicos deste ano. De acordo com o documento, Vitaly Mutko teve “participação activa” nesse sistema, que teve a assistência dos serviços secretos nos laboratórios anti-dopagem de Moscovo e Sochi.


POSIÇÃO DO TAS
Federação Internacional
satisfeita com a medida


A Associação das Federações Internacionais de Atletismo (IAAF) congratulou-se com a decisão ontem do Tribunal Arbitral do Desporto (TAS) em relação à não-participação dos atletas russos nos Jogos do Rio2016.

“A IAAF Tomou uma posição forte na defesa do código da Agência Mundial Anti-dopagem (AMA), sem medo ou favores, e está satisfeita por o Tribunal Arbitral do Desporto (TAS) apoiar a sua posição”, refere o comunicado.

O organismo do atletismo mundial diz ainda que a decisão de hoje, do tribunal de Lausana, criou condições equitativas para os atletas. “O TAS defendeu o direito da IAAF em aplicar as suas regras na protecção do desporto, de proteger atletas limpos e apoia a credibilidade e integridade da competição”, acrescenta ainda a nota.

Também o presidente da entidade máxima do atletismo, Sebastian Coe, deixou uma mensagem, mostrando a sua satisfação com o apoio das regras e do código Anti-dopagem, embora tenha falado de alguma amargura. “Este não é um dia de comunicados triunfantes. Não vim para este desporto para impedir atletas de competirem.

Há um desejo instintivo da nossa federação de incluir, não de excluir. Além do grupo de trabalho do Rio, vamos continuar a trabalhar com a Rússia para criarmos um ambiente limpo para os seus atletas, para que a sua federação e equipa possam regressar ao reconhecimento internacional e às competições”, concluiu.

Ontem, o Tribunal Arbitral do Desporto (TAS) rejeitou o recurso de 68 atletas russos à suspensão imposta pela Associação Internacional das Federações de Atletismo (IAAF), confirmando a sua ausência dos Jogos Olímpicos Rio2016.