Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Tripla ameaça ao domínio de Vettel

14 de Março, 2013

Mundial de fórmula 1 arranca na Austrália neste domingo

Fotografia: AFP

O tricampeão Sebastian Vettel e a Red Bull voltam a partir como favoritos à conquista do Mundial de Fórmula 1, que arranca domingo, na Austrália, sob as ameaças de Ferrari, McLaren e da reforçada Mercedes. Após a conquista tardia de 2012, em que apenas selou a revalidação do título na última corrida, no Brasil, o alemão inicia 2013 em busca do quarto título e de se tornar no mais jovem de sempre a vencer quatro campeonatos consecutivos.

Vettel repete o papel de “cabeça de cartaz” da competição, em que volta a ter como companheiro de equipa o australiano Mark Webber, que, segundo o germânico, é um dos principais candidatos à vitória final. Fernando Alonso volta a surgir como ameaça iminente à ambição dos Red Bull, após ter ficado a míseros três pontos de Vettel, na edição de 2012.

O espanhol, que vai para a quarta temporada ao serviço da Ferrari, equipa em que mantém posição cimeira face ao brasileiro Felipe Massa, procura a primeira conquista pela marca italiana e a sua terceira na carreira, parecendo cada vez mais pressionado, numa altura em que circulam rumores sobre uma possível mudança de Vettel para o emblema de Maranello. Ainda assim, ao equilíbrio de forças de Red Bull e Ferrari, junta-se a McLaren-Mercedes, com Jenson Button (campeão em 2010) e o mexicano Sergio Pérez (ex-Sauber), depois da mudança de Lewis Hamilton para a Mercedes.

Já sem Michael Schumacher, que voltou a abandonar as pistas, três anos depois de um regresso que se revelou pouco produtivo e que encerrou com um 13º lugar, a Mercedes surge na quarta posição dos principais candidatos, em boa dose devido à contratação do campeão de 2008. Muitas das atenções da 63ª edição do Mundial vão estar viradas para o piloto britânico, que tenta capitalizar as expetativas criadas com Schumacher, colocando a equipa alemã ao nível das principais rivais.

Quanto à Lotus, depois de superar as previsões da temporada passada, com o terceiro lugar final de Kimi Raikkonen, apenas atrás de Vettel e Alonso, tem agora a oportunidade de provar que os resultados de 2012 não foram um mero acaso. De regresso às pistas, o finlandês, campeão em 2007, pela Ferrari, deixou um aviso aos principais concorrentes, com uma vitória (Abu Dhabi) e sete pódios, mais quatro que o companheiro de equipa, o francês Romain Grosjean, oitavo colocado no Mundial.

Entre as equipas do “grande circo”, registou-se apenas a saída da HRT, ficando o Mundial com 11 equipas, enquanto no plantel de pilotos destacam-se as estreias do mexicano Esteban Gutiérrez (Sauber), do finlandês Valtteri Bottas (Williams), do holandês Giedo van der Garde (Caterham), do francês Jules Bianchi (Marussia) e do britânico Max Chilton (Marussia).

O Grande Prémio da Austrália volta a ser o primeiro de um calendário com 19 provas, menos uma do que no ano passado, em virtude da exclusão do circuito da Europa, que, desde 2008, vinha sendo disputado em Valência (Espanha). A Federação Internacional de Automobilismo (FIA) ainda procurou um circuito para o GP da Europa, tendo inclusive sido ponderada a possibilidade de este se disputar em Portugal, no Autódromo do Estoril.

HISTÓRIA
Alemão pode atingir novos patamares


O alemão Sebastian Vettel, tricampeão mundial de Fórmula 1, pode tornar-se no mais jovem piloto da história da competição a alcançar quatro títulos consecutivos, caso repita o triunfo dos três últimos anos. Depois das vitórias em 2010, 2011 e 2012, o germânico, que completa 26 anos a 3 de Julho, pode abrir um novo recorde na F1, superando o compatriota Michael Schumacher e o argentino Juan Manuel Fangio.

O heptacampeão mundial (1994, 1995, 2000, 2001, 2002, 2003 e 2004) somou o quarto consecutivo em 2003, com 34 anos, já depois de Juan Manuel Fangio (1951, 1954, 1955, 1956 e 1957) também o ter conseguido, em 1957, com 46. De resto, e entre os 32 campeões da história da competição, apenas estes dois pilotos conseguiram quatro títulos consecutivos. Com o “tri” conquistado no ano passado, Sebastian Vettel tornou-se no primeiro piloto da história a conseguir revalidar o título por duas vezes seguidas, após a primeira conquista da carreira.

Dessa forma, o alemão superou Alberto Ascari (1952 e 1953), Jack Brabham (1959 e 60), Alain Prost (1985 e 86), Michael Schumacher (1994 e 95), Mika Hakkinen (1998 e 1999) e Fernando Alonso (2005 e 2006), todos eles com uma revalidação após o primeiro título. A 63ª edição do Campeonato do Mundo de Fórmula 1 arranca no domingo, na Austrália, e termina a 24 Novembro, no Brasil.

 

DINHEIRO
Mudança de engenheiros preocupa chefe da Lotus


Depois de Lewis Hamilton deixar a McLaren para defender a Mercedes no final do último ano, mais uma grande transferência envolveu as duas equipas há cerca de duas semanas. Paddy Lowe seguiu o mesmo caminho do piloto britânico para ser director-técnico da equipa adversária. Eric Boullier, chefe da Lotus e que analisa a situação de fora, diz-se assustado com essa movimentação entre as equipas, sobretudo pela grande quantidade de dinheiro envolvida nas negociações.


“Acho que é insano criar uma guerra pelo dinheiro. A Fórmula 1 é muito arriscada, é exigente e tem muita exposição. Há grandes salários na F1, na maioria das vezes, em todos os campos, na verdade, há salários mais elevados do que em qualquer outro lugar. Mas para quê? Para mim, a empresa vem em primeiro lugar, não oferecer alguns milhares de dólares para manter um funcionário”, declarou Boullier ao Autosport.

Ciente de que as equipas procuram se reforçar também na parte técnica e dos boatos que envolvem a ida de James Allison, director-técnico da Lotus, para a McLaren, o chefe da equipa de Raikkonen e Grosjean afirmou que não vai fazer esforços para o manter caso queira sair. “James não é o único empregado. Temos 150 funcionários e a maioria das ideias não vem de James Allison. James, obviamente, é uma mais-valia para a empresa, mas, se amanhã ele sair, a empresa sobrevive. Não há drama”, disse.


ENDURANCE
Kobayashi representa Ferrari

O japonês Kamui Kobayashi já tem futuro definido. O piloto foi contratado para disputar o Mundial de Endurance, pela Ferrari, sua antiga equipa na Fórmula 1. Kobayashi foi defender a Ferrari na categoria, com o AF Corse, na classe GTE-Pro. O japonês vai disputar o Mundial contra Senna, que corre pela concorrente Aston Martin. A vaga na nova competição foi conquistada após um teste realizado há pouco mais de um mês.

“É uma honra para mim fazer parte da família Ferrari. Vou trabalhar duro e dar o meu máximo neste novo capítulo de minha carreira. Mal posso esperar para começar a trabalhar com a AF Corse, e realmente quero poder lutar para ser campeão”, afirmou.  A dupla de Kamui para o torneio integral ainda deve ser definida nas próximas semanas. Com o F458 Italia, outro carro da Ferrari na categoria, Giancarlo Fisichella e Gianmaria Bruni correm pela equipa italiana.