Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Troca no GP da Hungria pode custar título à Mercedes

01 de Agosto, 2017

Toto Wolff admite arrependimento no final do campeonato

Fotografia: AFP

Um acordo de cavalheiros com custos elevados na Fórmula 1. A Mercedes adoptou no Grande Prémio da Hungria uma estratégia, que pode custar caro, nas contas finais do campeonato mundial de pilotos. Lewis Hamilton foi promovido ao terceiro lugar com a promessa de devolver a posição a Valtteri Bottas na última volta, caso não ameaçasse as Ferraris.

A troca de posições entre Lewis Hamilton e Valtteri Bottas \"foi uma decisão certa\", que está a causar arrependimentos na Mercedes. A equipa prateada assume que pode perder o título de 2017.

Ciente de que devia cumprir com a sua palavra, a devolução da posição, Lewis Hamilton tem em mente que a decisão pode assombrá-lo, caso perca o título devido a esses três pontos. O chefe da Mercedes, Toto Wolff, admitiu que a equipa pode pagar um preço pelo sucedido. Contudo, acredita que tenha recompensas maiores no futuro, ao fortalecer a justiça e espírito de equipa.

\"Dizer que não me arrependia da decisão, seria muito ingénuo. A verdade é que todos vão dizer que foi por causa de Budapeste, se perdermos o campeonato por esses dois ou três pontos\", disse.

O austríaco sustentou que \"foi uma decisão muito difícil\". \"Talvez fosse a decisão mais difícil que tive de tomar em cinco anos, porque tínhamos a certeza do quão próximo Max estava no fim\", disse.

Toto Wolff afirmou que não está \"feliz\" no momento, e questiona o que pode dizer mais. \"Se não somos rápidos o bastante, ao menos temos espírito desportivo\", afirmou.

CRÍTICAS À FERRARI

Wolff parecia emotivo durante a corrida, foi visto a bater com o seu punho na mesa, quando Hamilton deixou Bottas passar na última curva. E, enquanto outras equipas, especialmente a Ferrari foram implacáveis ao dar todo o suporte a um único piloto, Wolff diz que não é essa a abordagem que a Mercedes apoia.

“Não andamos em círculos, porque gostamos. Andamos em círculos, porque esperamos que isso promova a nossa marca, e nos faça vender carros. É um projecto de longo prazo. Se chega aqui e crê que é só isso que conta, está errado”, disse.


O chefe da Mercedes assegura que vêem críticas \"por decisões implacáveis e frias que tiveram efeitos na imagem da marca\". Wolff rebate que \"se pensarem no propósito de estar aqui, a Mercedes faz o certo e vence do jeito certo\". Para Toto, \"fazer o certo, e manter-se nos seus valores é muito difícil. Foi o que ocorreu aqui\". \"Sinto-me terrível\", disse.

HAMILTON E O TÍTULO
Lewis Hamilton espera que o seu gesto de abrir a passagem para Valtteri Bottas, no fim do GP da Hungria, não custe o título da época de 2017 da F1. Bottas deixou Hamilton passar na volta 43, quando ambos se aproximaram das Ferraris, que estavam lentas por Sebastian Vettel enfrentar um problema com o volante.

Quando pediu a posição para que atacar Kimi Raikkonen, Hamilton ofereceu-se para deixar Bottas recuperar o posto, caso não conseguisse a manobra. Cumpriu a promessa na última volta, mesmo que Bottas tivesse ficado para trás, a sofrer ataque de Max Verstappen.

“Espero que com a forma que conduzi hoje, e com o meu comportamento no fim, mostrei que sou um membro da equipa, e homem de palavra. Reduzir por sete segundo foi duro, e fiquei tenso pela oportunidade de perder a posição para Verstappen, mas felizmente não perdi”, disse o inglês.

O tricampeão  reiterou que “é duro para o campeonato\", mas é \"um homem de palavra\". Face à atitude, espera que \"não perca o campeonato por uma diferença de três pontos”

Lewis Hamilton entra de férias na F1, com 14 pontos a menos que Vettel.