Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Tyson Gay quer ajudar jovens

25 de Outubro, 2016

O corredor não tem nenhuma medalha olímpica no currículo, foi flagrado no exame antidoping dos Jogos de Londres 2012, perdeu a prata na estafeta.

Fotografia: AFP

No dia do funeral de sua filha Trinity que morreu no dia 15 deste mês, atingida por uma bala perdida num tiroteio, o velocista americano Tyson Gay afirmou no passado sábado, que pretende ajudar os jovens na cidade de Lexington, em Kentucky.

Abalado com a tragédia, mas a demonstrar sensatez, o atleta de 34 anos explicou que ainda está a ver a melhor forma para desenvolver um trabalho com a juventude da região.

"No dia 15 (domingo) de manhã, fui acordado com a pior notícia que um pai pode ouvir. A morte da minha filha, como uma inocente espectadora, é devastador, mas estou determinado que isso não seja sem sentido.

Devemos nos unir como uma comunidade para proteger uns aos outros, dando aos nossos jovens as ferramentas que eles precisam para resolver os seus conflitos e terem vidas bem-sucedidas, do jeito que a Trinity foi bem na sua maneira de viver.

Nesse espírito, e seguindo os passos que me mantiveram no caminho certo como um adolescente, quando eu poderia facilmente ter ido para o outro lado, nas próximas semanas iremos explorar formas de ajudar a orientar e apoiar a juventude de Lexington a longo prazo, de modo que o espírito de Trinity correrá por muito tempo depois que dissermos adeus a ela" - disse Tyson Gay, em comunicado divulgado no sábado.

Três suspeitos foram detidos pela polícia de Lexington, pela morte de Trinity, de 15 anos, que foi atingida por um tiro no pescoço enquanto estava num restaurante. Chazerae Taylor, D’Markeo Taylor e Dvonta Middlebrooks vão ser julgados hoje, dia 25 de Outubro.

Tyson Gay é um dos velocistas mais rápidos da história do atletismo, correu os 100m rasos em 9s69 no ano de 2009, só mais lento que o jamaicano Usain Bolt, tricampeão olímpico nos 100m, 200m e 4x100m. O corredor não tem nenhuma medalha olímpica no currículo,  foi flagrado no exame antidoping dos Jogos de Londres 2012, perdeu a prata na estafeta.