Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Um bom tónico para novos desafios

Silva Cacuti - 03 de Fevereiro, 2014

Corredores nacionais manifestaram ontem o desejo de continuar a conquistar medalhas nos eventos internacionais depois do brilharete na cidade indiana de Goa

Fotografia: José Soares

O atletismo angolano ganhou um novo impulso para representar e dignificar o país em diversos eventos internacionais, assegurou Prisca Baltazar, capitão da equipa nacional que esteve nos Jogos da Lusofonia de Goa, Ìndia, de 18 a 29 de Janeiro, onde arrebatou um total de 12 medalhas, resultado tido como o melhor de sempre do atletismo angolano em representações nacionais.

O atleta, que falava durante a conferência de imprensa organizada ontem na sede da federação, para balancear a participação e homenagear os integrantes da caravana, referenciou o facto de à saída do país a modalidade ser das menos cotadas e referenciadas nas expectativas de resultados.


“Fomos para os jogos como a modalidade menos cotada, muitos não acreditaram. Ouvimos comentários menos bons sobre nós e encarámo-los como desafios. Então roubámos as medalhas e trouxemo-las para engrandecer o nosso país e com elas dizer que o atletismo também pode dignificar o nome de Angola”, referiu.

Para reforçar as palavras do capitão de equipa, Osvaldo Morais, ouro nos 100 metros livres, pediu paciência e prometeu que os resultados hão-de vir. O atleta que em Goa fez 10s67, é agora o terceiro angolano mais rápido de sempre, depois do recordista nacional Afonso Ferraz (10s45) e de Alfredo Melão (10s56).

Osvaldo Morais espera quebrar o recorde nacional que já dura desde 1992. “A minha ambição é dar o meu melhor; podem esperar novas marcas, hão-de vir e estou a treinar para tal”, prometeu.

No encontro com os jornalistas, José Santos, técnico ao serviço da selecção, disse que os resultados de Goa são fruto de uma aposta muito grande da federação, iniciada com o envio de atletas para um período de estágio no Centro de Alto Rendimento de Presidente Prudente, no Brasil. O especialista valorizou as conquistas dos corredores alcançadas numa prova em que se inscreveram atletas de dez países.

Angola ocupou a quinta posição nos III Jogos da Lusofonia, com um total de 26 medalhas, 11 das quais conseguidas pelo atletismo. Das medalhas, três são de ouro, conquistadas por Felismina Cavela, nos 800 metros; Osvaldo Morais, 100 metros; e Alexandre João, dez mil metros.

As medalhas de prata, em número de quatro, foram trazidas por Felismina Cavela, 1500 metros; Whitney Barata, 100 metros barreiras; Francisco Caluvi, dez mil metros e Ernestina Paulino, dez mil metros.

Outras quatro medalhas em bronze foram conquistadas por Alexandre João, 1500 metros; Mauro Gaspar 100 metros; Kevim Oliveira Fernandes, 400 metros; e Ernestina Paulino, 5000 metros.

MARRAKECH'2014
Federação agenda correr final inédita


Cumprida com êxito a missão dos Jogos da Lusofonia, a Federação Angolana de Atletismo (FAA) já projecta a participação no XIX campeonato africano de seniores agendado para a cidade marroquina de Marrakech, de 10 a 14 de Agosto.

Um conjunto de acções conducentes à participação com êxito na prova vai começar já a ser posta em prática, segundo Fernando Costa, director técnico da FAA.

“Não ficamos por aqui, vamos começar já a virar as baterias para os campeonatos africanos de Marrocos, onde também queremos fazer boa figura”, disse.
O técnico José Santos disse que o grande objectivo passa pelo alcance de uma final em qualquer uma das especialidades.

“O nosso grande objectivo nestes africanos é chegar a uma final, em qualquer especialidade, o que é inédito. Mas para isso, vale dizer, precisamos de apoios logístico e financeiro para proporcionar uma preparação condigna”, revelou.

José Santos disse que no quadro da preparação, a selecção para o africano pode voltar a estagiar no Brasil, onde, antes da prova continental, prevê participar nos Jogos Ibero-americanos, para dar rodagem aos atletas.
Silva Cacuti

NO BRASIL
Empresa promotora
cria pódio especial


A Meia Maratona Internacional de São Paulo, no Brasil, a realizar-se no dia 23 de Fevereiro, vai inaugurar um pódio especial para atletas locais e tem como principal objectivo incentivar os corredores brasileiros. O pódio, que vai contar com os cinco brasileiros melhores colocados,  vai ser realizado em todos os eventos da Yescom na época de 2014.

Para dar mais visibilidade aos atletas brasileiros, a premiação tem lugar depois do pódio geral da prova. Além de já estar confirmada na oitava Meia Maratona Internacional de São Paulo, a premiação especial também vai ser realizada noutras corridas de grande impacto internacional, como a Meia das Cataratas, Corrida Eu Atleta 10K São Paulo, Meia Maratona do Rio de Janeiro, Maratona de São Paulo, Eu Atleta 10K Rio e Volta da Pampulha.

“A ideia é, a partir de 2015, ter também uma premiação de incentivo em dinheiro para motivar mais os corredores. Essa possibilidade, porém, vai depender do desempenho dos atletas na presente época”, comentou Thadeus Kassabian, director de operações da Yescom.