Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Usain Bolt leva o tetra

30 de Agosto, 2015

Velocista jamaicano venceu todas as provas em Pequim e continua a liderar o ranking de atletas com mais medalhas de ouro obtidos nos campeonatos mundiais

Fotografia: AFP

Usain Bolt é o mais "sério candidato" a ser batido no atletismo. Depois de frustrar o norte-americano Justin Gatlin, na prova de 100 metros rasos, o campeão olímpico conquistou a medalha de ouro na prova de 200 metros do campeonato mundial, que decorre em Pequim, na China. Com a consagração, o jamaicano tornou-se no tetracampeão mundial da especialidade.

O recordista mundial da prova conseguiu o melhor tempo deste ano, ao completar a prova em 19s55. Justin Gatlin terminou atrás, com 19h74, e ficou com a medalha de prata. O sul-africano Anaso Jobodwana, com 19s87, foi a medalha de bronze e a surpresa do dia.

As demais conquistas de Usain Bolt nos 200 metros em Mundiais aconteceram em Berlim-2009, quando o astro quebrou o recorde mundial com 19s19 que ainda mantém, em Daegu-2011 e Moscovo'2013.

O show de Bolt ficou completo na prova de estafeta 4X100m. O jamaicano contou ontem com um leque de coadjuvantes de luxo para levar a medalha de ouro: Nesta carter, Asafa Powel e Nickel Ashmeade.

Usain Bolt liderou a equipa que conquistou a medalha de ouro com o tempo de 37s36 e fecha o Mundial em alta. EUA e China ficaram na segunda posição com 38s01, seguido do Canadá com 38s13.

ATROPELADO

Uma cena inusitada marcou a comemoração do tetracampeonato de Usain Bolt nos 200m rasos no Campeonato Mundial de Atletismo, em Pequim, na China. Enquanto celebrava a vitória, o astro jamaicano foi atropelado por trás por um repórter de imagem que registava cenas do velocista em cima de um segway, um veículo com duas rodas que se movimenta por meio do equilíbrio corporal de quem o conduz.

O repórter de imagem perdeu o controlo do veículo e atingiu Usain Bolt em cheio por trás. Ambos caíram ao chão. Usain Bolt levantou-se aos risos, enquanto o repórter de imagem ficou desconcertado.

Cordial e carismático como já é de costume, Usain Bolt aceitou de pronto as desculpas do chinês Tao Song, que o atropelou com um segway, espécie de veículo motorizado que serve para transportar os repórteres de imagem no Ninho do Pássaro.

Um dia depois do acidente, o protagonista do acidente esperou o jamaicano receber a medalha de ouro do tetracampeonato mundial dos 200 metros para pedir o perdão pelo “carrinho” por trás, além de presentear o velocista com um bracelete que simboliza a amizade.

A preocupação do solidário chinês era de que Usain Bolt tivesse se lesionado com o choque do “carrinho”. No entanto, o Raio não sofreu qualquer tipo de lesão e disputa sem problemas a estafeta 4x100 metros pela Jamaica.

Na conferência de imprensa, após o susto, Usain Bolt brincou e disse que o seu maior adversário em Pequim, o norte-americano Justin Gatlin, prata nos 100m e nos 200m, havia subornado o repórter de imagem para o lesionar.

“O rumor é que (Justin) Gatlin o pagou. Mas estou bem”, brincou o jamaicano, que foi respondido com o mesmo humor pelo norte-americano. “Vou pedir o meu dinheiro de volta”.


MARCHA ATLÉTICA

Eslovaco é ouro


Com direito a uma paragem estratégica para ir ao banheiro, Matej Toth dominou ontem de ponta a ponta a prova da marcha atlética de 50 quilómetros do Campeonato Mundial de Atletismo de Pequim e conquistou a primeira medalha de ouro da Eslováquia na história da competição.

Actual vice-campeão da Europa e líder do ranking mundial, o eslovaco fez uma exibição solo durante a prova, que completou em 3h40min32, com quase 2 minutos de vantagem sobre o segundo classificado.

A medalha de prata ficou com australiano Jared Tallent, com a marca de 3h42min17, e o japonês Takayuki Tanii completou o pódio com o tempo de 3h42min55.

O campeão anterior dessa prova, o irlandês Robert Heffernan, ficou apenas com o quinto lugar, com o tempo de 3h44min17.

O domínio durante a prova foi tão grande que Toth protagonizou uma cena inusitada. Na altura da metade do percurso, abriu uma vantagem confortável na liderança e aproveitou para fazer um "pit stop" no banheiro.

Mesmo com a paragem, conseguiu regressar ainda na liderança e vencer a prova, cujo recorde absoluto ainda pertence ao francês Yohann Diniz, que estabeleceu a marca de 3h32m33 em 2014.


110 BARREIRAS
Serguei Shubenkov
é campeão mundial 


O russo Serguei Shubenkov, bicampeão europeu de 110 metros com barreiras, confirmou em Pequim a sua fama de grande concorrente na final do campeonato mundial. Com um novo recorde nacional (12s98), tornou-se no primeiro atleta "caucaso" a ganhar a medalha de ouro num Mundial.

O russo teve uma saída rápida (139 milésimas), mas teve forças para regressar na linha de frente, ocupada na metade da corrida pelo jamaicano Hansle Parchment e pelo americano Aries Merritt, e conseguir vencê-los.

Parchment terminou com o tempo de 13s03 e Merritt com 13s04, enquanto o ex-campeão, o norte-americano David Oliver, chegou em sétimo com 13s33.