Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Valtteri Bottas indignado com a equipa

27 de Maio, 2015

Piloto ficou insatisfeito com péssimo desempenho da Williams no GP de Mónaco

Fotografia: AFP

Valtteri Bottas não gostou nada do rendimento que a Williams teve durante todo o final de semana do GP de Mónaco. O finlandês explicou, que caso a equipa almejasse algo mais na F1, não pode ter corridas assim.

O péssimo desempenho da Williams, no GP de Mónaco, não deixou nada satisfeito Valtteri Bottas. O finlandês, que vem de um bom momento na temporada, passou longe dos pontos, tal como o companheiro de equipa Felipe Massa.

Bottas reclamou da performance da equipa e afirmou que se a formação de Grove tem ambições de em breve  tornar-se campeã mundial, não pode lidar com finais de semana assim.

 O piloto do carro 77 explicou que a Williams não esteve bem na etapa monegasca e que um desempenho assim, não pode voltar a acontecer.
 “Nós precisamos de ter a certeza de que aprendemos, porque se quisermos ser uma equipa campeã, não podemos ter uma corrida em que não conseguimos nada”, disse.

 Bottas comentou que a Williams teve performance ruim em diversos factores.

 “De alguma forma, o nosso carro ia perdendo potência e ao mesmo tempo, downforce. Caímos muito de rendimento com o passar das voltas em relação aos nossos adversários”, disse.

De acordo com o finlandês, o fraco desempenho da Williams apanhou a equipa de surpresa.

 “Também na parte mecânica  temos muito que descobrir. Não há razão aparente para termos enfrentado tantos problemas. Ainda não sabemos o que foi, mas temos de descobrir rápido”, completou Bottas. O chefe de performance da equipa, Rob Smedley, foi outro a demonstrar grande frustração com o desempenho apresentado nas ruas de Monte Carlo.

 “Até este momento tivemos um carro óptimo para tirar de 18 a 22 pontos em todas as corridas. Eu estou incrivelmente desapontado. É hora de voltar ao trabalho e rever tudo que atrapalhou a nossa performance”, declarou.

 A Williams segue na terceira posição no Mundial de Construtores, mas a Red Bull  aproximou-se depois da última etapa. A diferença entre as duas equipes é de 29 pontos.


Reacção
Niki Lauda afirma 
ser “erro enorme”


Niki Lauda disse que a Mercedes cometeu um erro enorme e que isso, foi o resultado de uma interpretação exagerada das preocupações de Lewis Hamilton, quanto à temperatura dos pneus, no fim da corrida em Mónaco.

O chefe da equipa prateada, Toto Wolff, também descartou qualquer possibilidade de a equipa interferir na luta entre os seus pilotos ou recompensar o inglês pelo episódio em Monte Carlo.

O erro de cálculo da Mercedes no fim da corrida, em Mónaco, ainda está a repercutir,  dentro da própria equipa alemã. O presidente não -executivo da esquadra prateada, Niki Lauda, não engoliu a decisão de chamar o então líder Lewis Hamilton às boxes, nas voltas finais, logo depois que o safety-car foi chamado por conta do acidente que envolveu  Max Verstappen e Romain Grosjean na volta 64 das 78 da etapa monegasca.

O austríaco entende que a Mercedes exagerou e que o pit-stop foi “um grande erro”. “Foi doloroso para Lewis, para mim e para toda a equipa”, disse o tricampeão ao site da revista Autosport. “Lewis disse que não estava satisfeito com a temperatura dos pneus, mas a equipa exagerou ao chamá-lo, foi um grande erro”, completou.

“Foi completamente desnecessário, um erro enorme e justamente em Mónaco, onde não dá para passar. Nós destruímos a corrida dele”, acrescentou.
O chefe da Mercedes, Toto Wolff, também lamentou o episódio, mas disse acreditar que Lewis vai dar a volta por cima. “Ele tem força mental necessária para isso e vai voltar a vencer”, disse o austríaco.

“Deve  doer muito perder dessa forma, mas não tenho dúvidas de que ele vai  recuperar rápido disso tudo”, completou Wolff que  garantiu ainda que a equipa alemão não vai interferir na disputa e tentar recompensar Hamilton no futuro. “Não vamos fazer nada disso”, encerrou.Hamilton e a Mercedes anunciaram, a renovação do contrato. O novo acordo tem duração de três anos.


 Fracasso
Rob Smedley desolado pede investigação


O engenheiro-chefe da Williams, Rob Smedley, disse que a Williams não pode aceitar  um “fim de semana de folga” toda vez que for a Mónaco para o GP de F1. O inglês disse que a equipa tem de marcar entre 18 e 22 pontos por fim de semana.

A Williams não pode aceitar mais resultados como o do GP de Mónaco, declarou o engenheiro-chefe Rob Smedley. No último fim de semana, Felipe Massa e Valtteri Bottas nem sequer foram capazes de andar no top-10, o que deixou o dirigente “incrivelmente desapontado”.

 Esta foi a primeira vez, que a Williams ficou fora da zona de pontuação, desde que passou por uma profunda reformulação para o início da temporada 2014. A sequência durou 24 GPs e foi a maior escuderia na sua história no Mundial de F1.

 De acordo com Smedley, é preciso tomar cuidado para garantir que tal fiasco não se repita em Mónaco em 2016, para que a equipa possa cumprir sempre o que é capaz: marcar entre 18 e 22 pontos por fim de semana.

“A abordagem correcta é sair daqui e entender o porquê, de termo-nos colocado nesta situação.

A Williams tem a aspiração de tornar-se uma equipa de ponta, outra vez. Eu disse isso antes e vou continuar a repetir,  se você quer ter uma equipa vencedora, não pode ter medo de lugar algum. Não pode vir para o Mónaco e dizer ‘temos um fim de semana de folga’”, afirmou.

 “Até agora, o carro tem sido bom o bastante para marcar entre 18 e 22 pontos a cada corrida e atingimos essa meta na maioria das oportunidades.

Então não dá para vir para uma corrida e pensar que você vai ter um fim de semana de folga. Se o carro é bom para isso em todas as outras pistas, tem de ser bom aqui também”, reforçou.Diante disso, o dirigente pediu uma investigação completa do que ocorreu no Principado. “Temos de olhar para todos os aspectos da performance. O que é errado é apontar para uma área e tirar conclusões precipitadas antes de termos analisado tudo.

Deve-se levar em conta a performance do carro, a aerodinâmica, a mecânica, o acerto, como operamos os pneus, tudo. Temos que garantir que vamos fazer com a devida diligência em todas as áreas e então vamos ter respostas e um plano de acção para o próximo ano”, completou.


Reclamação
Massa atingido por Hülkenberg

A TV não mostra, mas Felipe Massa foi atingido por Nico Hülkenberg na primeira volta do GP de Mónaco, o que comprometeu a participação na prova.
Afinal de contas, o que aconteceu com Felipe Massa? O piloto relatou depois da prova: no começo, falou-se em Pastor Maldonado, mas foi Nico Hülkenberg quem o acertou na primeira curva do GP de Mónaco de domingo (24).

O choque não foi filmado durante a transmissão da corrida e complicou a vida do brasileiro da Williams. Massa teve de ir às boxes para fazer um longo pit-stop e voltou no fim da fila, muito atrás do resto do pelotão. Precisou de fazer três voltas para chegar ao fim da prova e acabou em 15º lugar.

Massa reclamou da falta de punição desse incidente por parte dos comissários.

“Eles precisam de analisar um pouco melhor o que aconteceu comigo na primeira volta. Eles nem mostraram na televisão, ele foi com o carro para cima do meu”, cobrou.

“O Hülkenberg estava por dentro, eu estava por fora,  então na saída da curva ele foi com o carro para cima do meu. Destruiu-me a asa dianteira, o meu pneu dianteiro e a minha corrida”, descreveu.

Curiosamente, Hülkenberg  envolveu-se em outro acidente na primeira volta, com o espanhol Fernando Alonso. Na curva Mirabeau, os dois dividiram o espaço e o alemão por fora, embateu  no muro depois de um toque. Alonso foi punido com um stop-and-go de 5s.

Esta foi a primeira prova em que Massa ficou fora da zona de pontuação na temporada 2015. A próxima etapa do campeonato vai ser no dia 7 de Junho, no Canadá.