Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Velejadores começam a treinar na Alemanha

21 de Julho, 2014

Em Luanda, a selecção cumpriu um intenso programa de preparação, dirigido pela equipa técnica Moisés Camota e Filipe Luvambo.

Fotografia: Dombele Bernardo

A Selecção Nacional sénior masculina de Vela, da classe 420, deu início, ontem, aos treinos de adaptação em Travemunde (Alemanha), onde vai participar no Campeonato do Mundo, de 25 deste mês a 3 de Agosto. De acordo com Nuno Gomes, vice-presidente da Federação Angolana dos Desportos Náuticos (FADEN) e chefe da delegação angolana, para melhor adaptação ao clima "os representantes nacionais realizam já os treinos no campo de regatas".

O dirigente adiantou que a Selecção Nacional que embarcou na capital do país às 9h00 de sexta-feira última só chegou ontem ao palco da competição, porque ficou em Tavira, com  a finalidade de assistir ao encerramento dos mundiais da juventude da classe 420 e Laser Radial, nos quais Angola não participou por falta de passaporte dos seus velejadores.

Representam a selecção sénior na Alemanha as duplas Francisco Artur-Francisco Kilombo, do Clube Naval de Luanda, e José dos Santos-Custódio Paulo, ambos do Clube Náutico da Ilha de Luanda. Em Luanda, a selecção cumpriu um intenso programa de preparação, dirigido pela equipa técnica Moisés Camota e Filipe Luvambo.
Rosa Panzo

TREINADOR
Moisés Camota
falha o mundial 

O treinador principal da Selecção Nacional sénior masculina de vela, classe 420, Moisés Camota, não seguiu viagem com o grupo para a Alemanha, onde devia orientar a participação no Campeonato do Mundo. O técnico ficou em Luanda para orientar os trabalhos dos combinados nacionais de Optimist e Laser 4.7, que projectam na Baia da Ilha do Cabo a participação no Torneio Internacional de Marrocos, ainda sem data, para o qual Angola foi convidada pela federação marroquina.

Apesar de não ter ido acompanhar os seus pupilos nesta grande missão, Moisés Camota acredita na postura, profissionalismo e capacidade dos seus atletas." Tive de ficar em terra porque tenho outra missão a cumprir, mas acompanhei os meus atletas até ao aeroporto e acredito no profissionalismo deles. Devo dizer que estou tranquilo, porque são atletas que já estão habituados a participar em competições desta natureza", referiu o técnico Moisés Camota.                                              
RP