Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Vencedor recusa lutar com Jon Jones

05 de Outubro, 2015

Comier deixou claro que recusa lutar

Fotografia: AFP

Daniel Cormier era pura felicidade, na conferência de imprensa, após o UFC 192, evento realizado no sábado, em Houston (EUA). No entanto, o sorriso do rosto do campeão dos meio -pesados (93 kg) só foi retirado quando ele foi questionado sobre o rival Jon Jones, a quem deixou claro que não vai dar chance de lutar em Nova York, para tristeza da organização do evento.

Actual dono do cinturão, o wrestler foi derrotado uma vez na sua carreira, de MMA, justamente para ‘Bones’,  com o afastamento e possível retorno do ex -número um do mundo, uma desforra podia ser o prato principal para um grande evento. Mas não em Nova York, ao menos, por enquanto.

“Acho no final do dia Nova York, vai ser o único lugar em que Jon Jones pode ser bem-vindo. É de onde ele é, eles  preocupem-se  com ele. Porque eu devo permitir esse tipo lutar onde ele é confortável. Não, ele precisa ir em algum outro lugar onde ele tenha de olhar as pessoas nos olhos e ouvir a raiva que elas têm, pelos actos que ele fez”, disparou, e de seguida fez menção às polémicas a  envolverem drogas e um acidente de carro que colocou Jones por uma noite na prisão.

Pouco tempo depois, em nova demonstração de que apenas Jones podia tirá-lo do sério naquele momento, Cormier até mudou o discurso e elogiou o desempenho do rival Gustafsson, contra quem travou cinco equilibrados rounds.

“Meu trabalho é vender minhas lutas. Trabalho com o UFC e o que faço afecta directamente o meu pagamento. Alexander mereceu o meu respeito. Ele é muito duro”, afirmou em discurso bem diferente ao anterior da luta quando afirmou que o sueco devia aposentar-se e virar modelo.  “Esqueçam aquilo. O MMA precisa de tipos como o Alex”, finalizou.