Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Verso brasileira precisa de apoios urgentes

Rosa Napoleo - 01 de Janeiro, 2015

A versão de jiu-jitsu brasileiro ficou privada de participar nos eventos internacionais no ano de 2014, por falta de verbas. A Federação Angolana de Ju Jitsu enfrentou dificuldades para encontrar patrocínios, que visassem a aquisição de bilhetes de passagens e outros custos inerentes às competições internacionais.

Depois de longos meses de preparação, Angola marcou pela negativa no campeonato africano realizado na África do Sul. A selecção nacional era aguardada com muita expectativa pelos adversários e a ausência defraudou o comité organizativo.

O vice-presidente da Federação Angolana para o Jiu-jitsu Brasileiro, Jildson Simões, prometeu alterar a situação do ano que começa hoje. Em declarações ao Jornal dos Desportos, o dirigente esclareceu que a falha na prova africana, em que o país tinha muitas oportunidades de obter medalhas, jamais se vai repetir. A sua direcção tem projectos para melhorar a prestação do ano passado.

No que concerne à organização interna, a Federação Angolana realizou a primeira edição do campeonato nacional de Jiu Jutsi com participações de todas as academias legalizadas no país. Outra nota relevante é a realização de provas selectivas visando o torneio de Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos.

Pedro Emous 
aponta estorvo

A falta de recursos financeiros foi o principal empecilho da gestão da Federação Angolana de Ju Jitsu no ano 2014. O pouco recurso atribuído pelo Ministério da Juventude e Desportos é insuficiente para levar a bom porto a preparação das selecções nacionais, segundo o secretário-geral da Federação Angolana, Pedro Emous.

O dirigente havia assegurado que a Federação, técnicos e atletas nacionais trabalharam afincadamente para marcar a modalidade no contexto nacional e internacional, mas nem sempre foi possível.

A direcção vê-se atada para realizar actividades de promoção, no âmbito da massificação nas províncias, por falta de verbas. O número reduzido de patrocinadores não permite realizar eventos que demonstrem o empenho da família de Ju Jitsu.

Pedro Emous defendeu, que no novo ano, vai insistir junto das instituições competentes para rever os moldes de atribuição de verbas. Angola tinha a possibilidade de ganhar mais medalhas no africano da Tunísia, mas o número reduzido de atletas (dois) permitiu trazer quatro medalhas.
ROSA NAPOLEÃO