Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Verstappen ganha prémio

18 de Maio, 2016

É a primeira vez que Verstappen factura a premiação.

Fotografia: AFP

Era óbvio. Max Verstappen, por todo o feito alcançado no GP de Espanha, só poderia mesmo ter conquistado o prémio de ‘Piloto do Dia’ da corrida. Destaque também para a Williams, que facturou pela quinta vez seguida o prémio de melhor pit-stop na época 2016.

Max Verstappen foi o grande nome do GP de Espanha de F1. Ao vencer a corrida realizada no último domingo (15), em Barcelona, o holandês não só entrou para a história como o piloto mais jovem a subir no topo do pódio na F1 com 18 anos, sete meses e 15 dias, como também passou a, definitivamente, figurar como um potencial campeão do mundo.

Assim, diante da envergadura da sua conquista em terras catalãs, era óbvio que o piloto, que fez a sua primeira corrida da Red Bull, alcançasse o prémio de ‘Piloto do Dia’, em votação popular promovida pelo site oficial da F1 e divulgada nesta segunda-feira. É a primeira vez que Verstappen factura a premiação.

ABANDONO
Honda culpa falha do software  


Yusuke Hasegawa afirmou que uma falha num comando de software foi a causa para o abandono de Fernando Alonso no GP de Espanha. Ainda assim, o chefe da Honda viu melhoria na confiabilidade do propulsor nipónico.

A Honda responsabilizou uma falha de software pelo abandono de Fernando Alonso no GP da Espanha. Depois de largar em decido, tendo avançado ao Q3 pela primeira vez desde que voltou à equipa de Woking, o asturiano precisou encostar o carro quando aparecia em 12º.

De acordo com Yusuke Hasegawa, chefe da Honda, foi um problema com um comando de software que fez com que o carro do espanhol perdesse potência.

"Não tenho certeza exactamente do que causou, mas um problema com um comando de software e o motor parou”, explicou Hasegawa à publicação britânica ‘Autosport’. “O motor, em si, está bom, podemos até mesmo usá-lo em Mónaco. Ele parou no circuito, então precisamos checar se isso criou algum dano, por conta das altas temperaturas”, seguiu o dirigente.

Após a corrida, Alonso contou que a McLaren vinha tentando contornar o problema, mas não teve jeito de seguir na etapa de Montmeló. "Algumas voltas antes de pararmos tinham alguns sensores a falhar e eu recebi uma mensagem do time no pit-wall e estávamos controlando o problema de alguma maneira, mas, no fim, não foi mais previsível”, explicou.

“Estou muito triste. Obviamente, era uma grande oportunidade, especialmente com as Mercedes fora da corrida”, apontou. "Ainda estamos satisfeitos com a confiabilidade. Nós precisamos seguir melhorando e também precisamos ver como a corrida transcorreu”, considerou. “Não consegui mostrar meu ritmo em nenhum momento da corrida. Não tivemos uma boa largada e, depois disso, eu simplesmente segui Jenson Button, então precisamos seguir melhorando”, defendeu.