Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Vettel acredita no sucesso

21 de Março, 2016

Vettel acredita no sucesso

Fotografia: AFP

Sebastian Vettel liderou mais de metade das 57 voltas do GP da Austrália, mas acabou em terceiro lugar, muito em função de um erro estratégico da equipa. Mesmo assim, o piloto da Ferrari ficou contente com o ritmo demonstrado pelo carro e avisou que a  formação pode pressionar ainda mais a Mercedes, que  ficou com a dobradinha em Melbourne. Vettel tomou a liderança na partida quando pulou muito bem do terceiro lugar.

O alemão liderou até que teve de fazer uma parada à mais do que o vencedor, Nico Rosberg, e o segundo colocado, Lewis Hamilton. A Ferrari optou por uma táctica diferente pois tinha economizado um jogo de pneus supermacios e não quis perder a vantagem quando a prova foi interrompida por um forte acidente com Fernando Alonso, na volta 18.

Enquanto isso, a Mercedes colocou os seus dois pilotos com pneus médios e não parou mais até o final, o que garantiu a dobradinha."Eu fui para cima", disse Vettel. "A partida foi óptima, lembrei do GP da Hungria (de 2015, quando também superou as duas Mercedes nos primeiros metros e venceu) e entramos no ritmo, o que é bem mais fácil de fazer quando você está com ar limpo na ponta. Você pode dizer que a bandeira vermelha não nos ajudou, mas é o tipo de coisa que pode ir ou não a seu favor."

Mesmo reconhecendo o erro estratégico, Vettel preferiu ver o lado positivo de  andar no mesmo ritmo da Mercedes na corrida, depois de se ter classificado com um tempo 0s8 mais lento que o pole Hamilton."Tínhamos uma chance, mas não esperávamos que os dois colocassem os pneus médios e fossem até o final.

Tentamos algo mais agressivo e talvez não tenha funcionado, mas no final de contas estou muito feliz com o terceiro lugar. Tentei de tudo e tomara que funcione da próxima vez", disse. "Estivemos muito mais próximos, e essa é uma das nossas piores pistas, então há muitos pontos positivos. Talvez olhando agora nós pudéssemos ter feito algo diferente (na estratégia), mas não quero culpar ninguém".