Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Vettel destaca ascensão da equipa

13 de Março, 2017

Sebastian Vettel crê que a equipa evoluiu ao longo do ano passado

Fotografia: AFP

Sebastian Vettel viveu uma boa pré-época com a Ferrari. A equipa italiana anotou os melhores tempos dos testes e já é vista como a principal ameaça ao poderio da Mercedes. Por trás dessa ascensão existe um aprendizado duro: a equipa precisou passar por um 2016 decepcionante para aprender as lições que podem levar a um 2017 vitorioso.

“Diria que o ano passado foi o mais importante para nós. Olha os resultados e diz que não tivemos tanto sucesso, mas o que aconteceu nos bastidores foi muito, muito importante para dar um passo adiante. Espero que tenhamos feito isso. Não acho que vamos ter uma ideia clara disso até Melbourne”, disse Vettel ao ‘Motorsport.com’.

O tetra-campeão mundial reiterou que no ano passado aprenderam “muitas lições” e a “equipa inteira cresceu”. “Claro que 2015 foi um óptimo ano para mim, para a equipa voltar a vencer. 2016 foi um passo para trás em termos de resultados, mas foi um grande passo adiante em termos de equipa”, considerou.

Em 2016, a Ferrari só perdeu terreno para equipas rivais. A Mercedes abriu vantagem, enquanto a Red Bull chegou e passou com certa facilidade. Vettel e Raikkonen viraram reféns de uma equipa que não empolgava ninguém.  Agora que a possibilidade de vencer com frequência se apresenta, Vettel opta pela cautela.

O tetracampeão não espera mais do que uma luta pelo pódio no GP da Austrália. No que depender de Sebastian, o favoritismo ainda é da Mercedes. “Podemos lutar por pódio na Austrália e isso seria óptimo, mas ainda falta muito para isso. Sei que, em termos de tempo, não falta tanto assim, mas temos muito para aprender, muito a fazer”, ponderou.

O alemão assegurou que “se alguém vence três mundiais consecutivos como equipa, então é óbvio quem é o favorito, independente de mudanças no regulamento”. “Eles são fortes, trabalham bem, então (a Mercedes) é a equipa a ser batida”, finalizou. A época 2017 da F1 inicia a 26 do corrente com o Grande Prémio da Austrália.

HAAS
Grosjean admite
incerteza no ritmo


Encerrada a pré-época da F1, Romain Grosjean deixa Barcelona com uma boa dose de incertezas. Por achar que teve pouco tempo para testar o VF-17, o francês vai para o Grande Prémio da Austrália ainda sem se sentir preparado. 

“Depois dos testes, você nunca se sente totalmente preparado para a Austrália. São só oito dias, e desses só pilota em quatro, sendo que um foi com pista molhada. As equipas grandes estão prontas, mas para nós ainda existem incógnitas para Melbourne. É o encanto da F1”, resumiu Grosjean.

Se os tempos de volta em Barcelona indicam alguma coisa, a Haas realmente não está muito bem. A melhor volta da equipa, anotada por Kevin Magnussen, foi apenas a 15ª melhor na soma de todos os tempos. Em termos de quilometragem, a história melhora um pouco: a Haas foi a sexta equipa com mais voltas acumuladas, à frente até da Red Bull.

“Creio que temos algumas boas ideias sobre o que podemos melhorar no carro. Espero que as actualizações planeadas para a Austrália cheguem. Identificamos onde podemos ganhar mais ritmo”, disse Grosjean.