Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Vettel vence GP da Malásia

30 de Março, 2015

Vettel (primeiro à direita) tem agora 40 pontos contra 43 de Lewis Hamilton

Fotografia: AFP

Nem foi preciso chover. Depois de dominar de forma impressionante a abertura da temporada da Fórmula Um, na Austrália, a Mercedes caiu na Malásia: melhor na estratégia e com menos desgaste de pneus, Sebastian Vettel e a Ferrari bateram Lewis Hamilton e Nico Rosberg. Foi o primeiro triunfo da equipa italiana nas últimas 35 provas, desde o GP da Espanha de 2013. O actual campeão, irritado com as decisões da Mercedes durante a corrida, teve de se contentar com o segundo posto, com Rosberg em segundo e Raikkonen, em grande recuperação, em quarto.

Felipe Massa fez uma óptima largada e terminou em sexto, enquanto Nasr não fez uma boa prova. O brasileiro teve de trocar a asa no início do GP e conviveu com um nível alto de desgaste de pneus. O seu resultado final foi o 12º lugar. Alheio aos problemas dos rivais, Vettel, logo na sua segunda corrida com as cores da Ferrari, encerrou um jejum que durava desde o GP do Brasil de 2013. Agora, está a uma vitória de igualar o número de Ayrton Senna. A média do alemão, contudo, é melhor, o tetracampeão tem 148 GPs, contra 161 do brasileiro.

Não foi desta vez que o “grid” começou completo: depois de perder a classificação por problemas relacionados ao combustível e receber permissão especial para correr, Will Stevens não conseguiu alinhar pelo segundo GP seguido. Faltaram peças de reposição em sua Manor. Assim, 19 carros largaram na Malásia, uma evolução após 15 iniciarem a corrida de abertura da temporada, na Austrália. A corrida começou com a previsão de muitas paragens: com a temperatura da pista acima dos 60ºC, 20ºC a mais do que ano passado, quando a largada aconteceu uma hora mais tarde, a expectativa era se alguém conseguia economizar pneus e fazer uma paragem a menos.

Na largada, Hamilton manteve a liderança e Rosberg chegou a ameaçar Vettel, que permaneceu com o segundo posto. Ricciardo era o quarto e Massa fez boa largada, pulando de sétimo para quinto. Felipe Nasr também saiu bem, foi de 16º para 13º, mas acabou por tocar em Kimi Raikkonen e teve de trocar a sua asa dianteira e complicou a sua prova. O finlandês, por sua vez, sofreu um furo no pneu e perdeu muito tempo.

Na quinta volta, Marcus Ericsson errou, rodou e provocou a entrada de um Safety Car. Vettel optou por não parar, enquanto a maioria dos pilotos, incluindo a dupla da Mercedes, foi para a box. Como Rosberg teve de esperar a paragem de Hamilton, perdeu tempo e várias posições. A prova foi reiniciada com Vettel na liderança, seguido por Hulkenberg, Grosjean, Sainz, Perez, Hamilton, Ricciardo, Massa, Rosberg e Verstappen. Perez  perdeu rendimento  e foi ultrapassado por todos. Rosberg demorou quatro voltas a superar Massa, enquanto Hamilton já era segundo na 11ª volta. O prejuízo em relação ao líder Vettel era de dez segundos.

Mais atrás, ao tentar passar Sainz, Ricciardo errou e permitiu a ultrapassagem de Rosberg, que subiu para sexto na 12ª volta. Na volta seguinte, foi Grosjean quem errou e o alemão aproveitou novamente. Pouco tempo depois, Nico superou também Hulkenberg e pulou para terceiro. Com 15 voltas disputadas, Vettel, com os pneus médios e ainda sem ter parado, andava em ritmo semelhante a Hamilton, que usava os duros, e mantinha oito segundos de diferença. Rosberg vinha dez segundos atrás do companheiro. Felipe Massa abriu caminho entre os pilotos que não tinham parado e subiu para quarto, seguido pela outra Williams de Bottas. Felipe Nasr era o 12º.

Vettel voa
Na 19ª volta, Vettel fez a sua primeira paragem e colocou novamente os pneus médios. Hamilton, assim, retomou a ponta. No regresso à pista, a Ferrari voava, ultrapassou Rosberg na 22ª volta e foi à procura de Hamilton. O alemão da Ferrari superou Hamilton na volta 24, pouco antes de o britânico fazer a sua segunda paragem e colocou os pneus médios. Massa também fez sua segunda troca e regressou em sexto. Na volta seguinte, foi a vez de Rosberg parar. Mas os pilotos da Mercedes adoptaram estratégias diferentes, Lewis foi de médios e Nico, de duros.

Preocupado, Hamilton perguntou via rádio, com 25 voltas para o final, qual era seu objectivo para a prova. E ouviu: "Estamos a ir para a vitória, mas você vai ter de passar Vettel na pista." O cenário era similar ao de Massa com a outra Ferrari, de Raikkonen: o brasileiro estava 13 segundos atrás, mas com pneus mais novos, na luta pelo quarto posto.

Foi mais uma corrida difícil para a McLaren. Fernando Alonso e Jenson Button até chegaram a disputar com as Force India e Lotus, mas ambos abandonaram com problemas no carro. A próxima etapa da Fórmula Um é no dia 12 de Abril, no GP da China.

REACÇÃO
Felipe Massa indignado com sexto lugar

Antes da largada do GP da Malásia, Felipe Massa falava em chegar entre os cinco primeiros, depois de largar em sétimo lugar. O brasileiro manteve a sua previsão até à volta final, quando foi superado pelo companheiro Valtteri Bottas, cruzando na sexta posição. Mesmo seguindo com o seu segundo melhor início de temporada da carreira, o piloto da Williams tem um quarto e um sexto lugares, performance pior apenas do que as duas primeiras provas de 2010 quando, na Ferrari, fez um segundo e um terceiro, o piloto não gostou do resultado.

"Não achei bom", admitiu  Massa à Rede Globo. "Achei ruim e a Ferrari é um problema para nós. Mas vamos continuar a lutar." O brasileiro refere-se ao salto demonstrado pela equipa italiana, que venceu com Sebastian Vettel e foi quarto com Kimi Raikkonen, que fez uma excelente prova de recuperação depois de ter um pneu furado logo no início. Enquanto na etapa inicial do campeonato, a equipa mostrava um ritmo semelhante ao da Williams, a performance da Malásia mostrou-se muito superior.

"A minha equipa chegou na melhor posição que a gente poderia ter chegado", admitiu Massa, que só lamentou o problema que teve no seu último “pit stop” e que, segundo ele, foi fundamental para que perdesse a posição com Bottas. "Foram mais de dois segundos. Esse tempo é suficiente para administrar a vantagem e não perder a posição na última volta." Bottas cruzou 3,1 segundos à frente do brasileiro.