Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Vitória confirma hegemonia

11 de Setembro, 2013

Jovens angolanas vão disputar o Campeonato do Mundo a decorrer em Espanha no próximo ano

Fotografia: Jornal dos Desportos

O antigo director técnico da Federação Angolana de Andebol, Jesuíno de Carvalho, afirmou que a conquista do campeonato africano júnior feminino de andebol, confirma a potencialização da hegemonia de Angola no continente.

Em declarações a propósito do oitavo título africano da categoria, conquistado no último domingo, em Oyo (República do Congo), Jesuíno de Carvalho disse que o feito é resultado do trabalho árduo dos técnicos de formação e do investimento dos clubes nos escalões etários.

Actual técnico de formação do núcleo Escolinha do Nimi ya Lukeni, em Luanda, Jesuíno de Carvalho frisou que os trabalhos de continuidade não devem parar e os investimentos dos clubes patrocinados pelas empresas públicas e privados não podem deixar de ser feitos.

O técnico da Federação, no mandato de Archer Mangueira, realçou que o título representa para Angola o compromisso de chegar ao pódio no campeonato do Mundo da categoria, em 2014, na Espanha.
Angola conquistou o campeonato africano da categoria em 1994, 1996, 1998, 2000, 2004, 2006, 2009 e 2013.


ANDEBOL
Juniores regressaram ao país

A Selecção Nacional de juniores em femininos de andebol, que no Congo Brazaville conquistou o título africano da modalidade regressou na noite de ontem ao país. As atletas foram recebidas no Aeroporto Internacional 4 de Fevereiro com honras de campeãs, porque desembarcaram com a taça, conquistada com garra e determinação.

Várias individualidades ligadas ao desporto nacional marcaram presença na recepção às campeãs africanas, que por sua vez se sentiram bastante honradas e dignificadas com o gesto. Aliás, não podia ser diferente a recepção de uma equipa que além fronteira soube dignificar o nome do país, erguendo bem alto a sua bandeira.

Para chegarem à consagração as angolanas bateram na final de Oyo, a sua similar do Congo Democrático num jogo que não foi fácil a julgar por aquilo que é a experiência das congolesas com as quais já havia empatado a 31 golos na decisão do primeiro classificado do Grupo A. As comandadas de Alex Fernandes foram verdadeiras heroínas, pois mostram na quadra a força do andebol angolano.