Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Vivaldo Eduardo tem assegurado reforos para Taa

Silva Cacuti - 06 de Setembro, 2018

Petro de Luanda vai ser reforada, tendo em vista a sua participao na Taa dos Clubes Campees Africanos

A equipa sénior feminina de andebol do Petro de Luanda vai ser reforçada, tendo em vista a sua participação na Taça dos Clubes Campeões Africanos, agendada para o mês de Outubro em Abidjam, Costa do Marfim. O facto foi ontem anunciado por José Aleixo, chefe de departamento da modalidade no emblema petrolífero. O dirigente revelou, que o reforço da equipa vai depender daquilo que Vivaldo Eduardo, treinador, solicitar.
\"Tudo estamos a fazer e o Petro vai reforçar-se, à medida das solicitações do técnico. No devido momento, a informação sobre quem vai ou não vai à Taça dos Campeões, vai ser tornada pública\", disse. Aleixo não avançou nomes, nem número de atletas a contratar nem a sua proveniência. A nossa reportagem apurou que as campeãs nacionais procuram uma atleta estrangeira (africana) e três, no mercado angolano. Edith Bunga, pivot do Progresso do Sambizanga, que reforçou a equipa na conquista da Taça das Taças, pode ser uma das desejadas.
A equipa, é a única que logrou a conquista do título nacional, dentre as três modalidades que, nesta época, tinham por ambição a conquista dos títulos nacionais a nível da agremiação, facto realçado pelo seu presidente, Tomás Faria, durante a conferência de imprensa de balanço das três modalidades, na presente época.
Internamente, o andebol feminino do Petro de Luanda venceu a supertaça Francisco de Almeida e o campeonato nacional. Este ano, a modalidade regressou às competições africanas e reconquistou a Taça das Taças.

CLUBE SEM ORIENTAÇÃO 
A direcção do Petro de Luanda, clube afecto à empresa petrolífera estatal, Sonangol, está a caminho do décimo mês sem receber qualquer linha de orientação do actual conselho de administração da empresa, presidido por Carlos Saturnino, revelou Tomás Faria, presidente de direcção do clube.
O dirigente disse que as alterações dos conselhos de administração do sócio fundador, obrigam ao clube a adaptação aos mesmos, à medida que os conselhos de administração, por norma, dão linhas de orientação à gestão do clube.
\"Por exemplo, o Conselho de Administração (CA) presidido por Francisco Maria (Abril a 2014 a Junho 2016) deu como linha de orientação o ajustamento dos estatutos, saneamento, desenvolvimento desportivo e a construção de infra-estruturas. O CA presidido por Isabel dos Santos (Junho2016 a Novembro de 2017), orientou a melhoria da imagem do clube. O actual CA (desde Novembro de 2017) ainda não deu linhas de orientação.
Tomás Faria disse ainda, que a agremiação tem cada vez menos verba orçamentada. O dirigente alegou imperativos estatutários, para não revelar o valor global que recebe da petrolífera, mas avançou que o mesmo teve uma redução de 12 por cento, em 2016; 27 por cento em 2017 e 19 por cento no corrente ano.
O presidente petrolífero confidenciou que, em Março deste ano, a agremiação foi notificada de uma possível redução do valor orçamentado.