Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Vénus joga meias-finais

Silva Cacuti - 25 de Janeiro, 2017

Vénus Williams pretende levantar o troféu pela primeira vez na carreira

Fotografia: AFP

A norte-americana Venus Williams, 17ª classificada no ranking da WTA, vai disputar pela terceira vez na carreira, as meias-finais do Open da Austrália, o primeiro Grand Slam do ano. Ontem, a irmã mais velha de Serena venceu a russa Anastasia Pavlyuchenkova (27ª do ranking) por dois sets a zero, com parciais de 6/4 e 7/6 (7-3) nos quartos -de -finais.

A partida durou uma hora e 47 minutos. A última vez que a norte-americana de 36 anos tinha chegado nesta fase do torneio foi em 2003, quando venceu a belga Justine Henin. Na final, foi derrotada pela sua própria irmã, Serena Williams.

Sem perder nenhum set em Melbourne, Venus vai enfrentar a compatriota CoCo Vandeweghe (35ª) pela vaga na final. Coco classificou-se ao derrotar a espanhola Garbiñe Muguruza (7ª) por dois sets a zero, com parciais de 6/4 e 6/0, e disputa a sua primeira meia -final de Grand Slam.

"TENHO DE ACREDITAR"

De volta a uma meia-final do Open da Austrália, depois de 14 anos, Vénus Williams está confiante de que pode ganhar o título inédito. Após à classificação, a veterana de 36 anos foi categórica, quando perguntada sobre as suas oportunidades."Tenho de acreditar. Por que não devia?", questionou Vénus que disputa o torneio pela 17ª vez.

A norte-americana explicou a mentalidade de ser campeões."Devo olhar através da rede, e acreditar que a pessoa do outro lado merece mais? Essa, não é a mentalidade de como os campeões são feitos. Gostava de ser campeã, em particular este ano. A mentalidade que entro na quadra, é: Mereço isso", esclareceu.

Venus disputa a 21ª meia -final de Grand Slam e tenta alcançar a 15ª final. Além da possibilidade de igualar o seu melhor resultado na Austrália, o vice -campeonato de 2003, ainda pode voltar à final de um dos maiores torneios do calendário, pela primeira vez desde 2009, em Wimbledon.

"Para mim, a meia-final é um trampolim, assim como são as outras rondas. É uma oportunidade para avançar. O torneio não terminou", afirmou a ex-número 1 e actual 17ª do ranking."Sinto que estou a jogar da maneira que quero produzir os resultados desejados", reiterou.

Vénus enfrenta a 35ª classificada a norte-americana CoCo Vandeweghe, que vem de duas boas vitórias sobre Angelique Kerber e Garbiñe Muguruza, no torneio. "É um grande resultado para os Estados Unidos. Ter a garantia de que há pelo menos uma jogadora na final, é óptimo para o ténis norte-americano", disse.

Sobre o prognóstico do jogo da meia-final, Vénus assegurou que tem a certeza de que a adversária quer estar presente na primeira final da carreira. Contudo, para dificultar-lhe  a ambição, pretende também atingir a segunda final, em Melbourne. "Então vai ser um jogo bem disputado", avaliou a campeã de sete títulos de Grand Slam.

"É incrível ver o poder e a força do jogo dela, mas faço um jogo de poder, também. Tenho a sorte de ter uma boa defesa e movimentar-me bem na quadra. Espero que isso seja uma vantagem para mim", disse.