Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Voleibol sentado pode participar

Melo Clemente - 05 de Dezembro, 2013

Elenco de Leonel da Rocha Pinto trabalha no projecto para o relançamento do voleibol sentado

Fotografia: Jornal dos Desportos

Angola pode estrear a modalidade de voleibol sentado nos Jogos Paralímpicos de 2016, competição marcada para o Rio de Janeiro, de acordo com Leonel da Rocha Pinto, presidente do Comité Paralímpico Angolano (CPA).O também presidente do Comité Paralímpico Africano teceu estas considerações na última terça-feira, aquando da assinatura do acordo de patrocínio entre o organismo que tutela a prática do desporto adaptado em Angola, no caso, o Comité Paralímpico Angolano e a BP Angola, empresa ligada ao ramo petrolífero.Leonel da Rocha Pinto reafirmou a pretensão do Comité Paralímpico Angolano em relançar a prática do voleibol sentado no país, a partir de 2014, para que em 2016, altura da disputa dos Jogos Paralímpicos no Rio de Janeiro, Angola possa ter uma representação para além da habitual disciplina do atletismo com o voleibol sentado.

O número um do CPA afirmou, que a sua direcção está a elaborar um programa que visa essencialmente o relançamento do voleibol sentado.«Como sabe nós manifestamos a intenção de relançar o voleibol sentado no país após a disputa dos Jogos Paralímpicos de Londres. Estamos a trabalhar num programa e creio que vamos implementar em 2014, porque nos Jogos Paralímpicos de 2016, a competição vai decorrer no Rio de Janeiro, pretendemos marcar presença com o voleibol sentado e o atletismo, esta última, considerada modalidade de eleição face às medalhas conquistadas quer a nível do continente africano, quer a nível mundial».

No atletismo, Leonel da Rocha Pinto falou da necessidade de apostar cada vez mais no lançamento de disco, do dardo e do peso.«Mesmo no atletismo temos que apostar noutras categorias como no lançamento de disco, lançamento de dardo e lançamento de peso porque entendo que temos potencial no país», disse.Ao finalizar, Leonel da Rocha Pinto mostrou-se congratulado com o acordo de patrocínio rubricado com a BP Angola para a campanha dos Jogos Paralímpicos de 2016.«Estamos mais uma vez satisfeitos com a assinatura do acordo de patrocínio com a BP Angola. A BP Angola tem sido a nossa parceira principal nos últimos tempos e este acordo que acabamos de rubricar só vêm demonstrar a confiança entre as duas instituições por isso vão procurar corresponder às expectativas para levar o nome de Angola e da BP em todos os pódios».

Preparação
Selecção paralímpica
com estágio assegurado


A Selecção Nacional Paralímpica de atletismo pode cumprir um estágio pré-competitivo na República de Cuba ou na África do Sul, enquadrado no âmbito da sua preparação para os Jogos Paralímpicos do Rio de Janeiro em 2016.A garantia foi dada pelo presidente do Comité Paralímpico Africano, Leonel da Rocha Pinto, durante a assinatura do acordo de patrocínio com a BP Angola. “A nossa selecção já tem o estágio assegurado para os Jogos paralímpicos do Rio de Janeiro. Cuba ou África do Sul, um destes países pode acolher o estágio do combinado nacional. Escolhemos estes dois países porque têm Centros de Auto Rendimento com grande qualidade», asseverou Leonel da Rocha Pinto.

Entretanto, 36 atletas de atletismo estão cadastrados no Comité Paralímpico Angolano, com vista à participação de Angola na XV edição dos Jogos Paralímpicos que em 2016 disputam-se no Rio de Janeiro.Deste grupo de atletas que são submetidos a um intenso trabalho de preparação pelo seleccionador nacional, José Manuel ‘Zemas’, os destaques recaem para José Armando Sayovo, 40 anos de idade, medalha de ouro nos Jogos Paralímpicos de Londres, na disciplina dos 400, classe T11 (deficiente visual total), Octávio dos Santos, Maria Silva e Esperança Gicasso, todos da classe T11, para além de Joaquim Manuel, da classe T12 (deficiente visual parcial).                                M.C

Acordo
BP Angola reafirma compromisso


O presidente regional da BP Angola, Martyn Morris reafirmou o compromisso da sua empresa em continuar a apoiar financeiramente o desporto adaptado, com principal realce para a disciplina de atletismo, modalidade que já catapultou o país em vários palcos internacionais.Martyn Morris e Leonel da Rocha Pinto foram os subscritores do acordo de patrocínio rubricado na última terça-feira, com vista a participação de Angola nos Jogos Paralímpicos do Rio de Janeiro.Para o presidente regional da BP Angola o acordo de patrocínio com a direcção do Comité Paralímpico Angolano pode estender-se até 2020.

Na ocasião, Morris desejou boa sorte a Selecção Nacional Paralímpica de atletismo, que testemunhou o acordo de patrocínio entre o Comité Paralímpico Angolano e BP Angola.«Este patrocínio vai servir para que vocês possam preparar-se convenientemente com vista a uma participação airosa nos Jogos Paralímpicos do Rio de Janeiro, à semelhança dos Jogos de Paralímpicos de Londres. Penso que estão criadas todas as condições para que a vossa preparação decorra sem grandes sobressaltos e desde já gostava de vos desejar boa sorte para os Jogos do Rio de Janeiro”.
Para além da compra de material desportivo, bilhetes de passagens, o acordo de patrocínio inclui também um subsídio mensal de cem mil kwanzas para cada integrante da Selecção Nacional de atletismo.
                                                                                       M.C
Reconhecimento
José Sayovo

enaltece apoio

O internacional angolano, José Armando Sayovo, tricampeão paralímpico em 2004, nas disciplinas dos 100, 200 e 400 metros respectivamente, enalteceu o apoio que a BP Angola tem dado ao desporto adaptado.Para José Sayovo que aos 39 de idade conquistou uma medalha de ouro e outra de bronze nos Jogos Paralímpicos de Londres, depois de arrebatar três medalhas de prata em 2008 e três de ouro em 2004 torna-se imperioso que mais empresas angolanas e não só se juntem aos esforços da BP Angola para que o desporto adaptado se desenvolva cada vez mais.  “A BP Angola é o nosso parceiro e o subsídio que recebemos ajuda na resolução dos nossos problemas sociais, por isso, gostava de apelar às demais empresas que operam em Angola a prestar o seu contributo para o desenvolvimento da prática do desporto adaptado no nosso país”.
José Armando Sayovo é nesta altura uma das grandes referências do atletismo paralímpico angolano e mundial.                               M.C