Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Volta a Espanha começa hoje

20 de Agosto, 2016

A Vuelta será repartida por 21 etapas e termina na capital espanhola depois de percorrer mais de três mil quilómetros

Fotografia: AFP

Dezenas de ciclistas perfilam-se a partir de hoje para a disputa de mais uma Volta Espanha em bicicleta que se estende até o dia 11 de Setembro.

O britânico Chris Froome (Sky), vencedor da Volta a França, e o colombiano Nairo Quintana (Movistar) e espanhol Alberto Contador (Tinkoff), incapazes de impedir o êxito do britânico, voltam a desafiar-se na Volta a Espanha, a partir de sábado.

O trio de favoritos do Tour encabeça o cartaz da 71.ª edição da Vuelta, que parte do Balneário de Laias, na província galega de Ourense, bem perto da fronteira com Portugal, para terminar a 11 de Setembro, em Madrid, após 3.315,4 quilómetros, repartidos por 21 etapas.

Com a "Grande Boucle" nas pernas, e ainda a presença nos Jogos Olímpicos Rio2016 no caso do britânico, Froome e Quintana talvez não cheguem a Espanha no pico, enquanto Contador aponta novamente as baterias para a Vuelta, depois de uma queda o ter forçado a abandonar a última Volta a França na nona etapa.

O líder da Sky é, por outro lado, o menos pressionado, uma vez que engrandeceu o currículo com a sua terceira vitória no Tour - principal objectivo da temporada - enquanto Quintana, terceiro em França, e Contador são quem tem mais a ganhar na luta pela camisola vermelha.

Para o britânico, nascido no Quénia há 31 anos, a "dobradinha" Tour-Vuelta seria a chave de ouro para fechar a temporada, enquanto Quintana, de 26, vencedor da Volta a Itália em 2014, tem aqui uma oportunidade de salvar a época e dissipar algumas dúvidas, depois de não ter mostrado argumentos em França, tanto no aspeto físico como na gestão dos momentos.

No caso de Contador, o mais veterano do trio, é sobretudo uma questão de prestígio. O madrileno, de 33 anos, tem pouco a provar - já venceu as 'três grandes', está a caminhar para o final de carreira e procura aqui uma quarta vitória, que o colocaria ao nível do recordista, Roberto Heras.

Num elenco que terá cinco corredores portugueses - Tiago Machado (Katusha), José Mendes (Bora-Argonb 18), Sérgio Paulinho (Tinkoff), José Gonçalves (Caja Rural) e Mário Costa (Lampre-Merida) - não faltarão outras grandes figuras do pelotão, nomeadamente o espanhol Alejandro Valverde, que foi terceiro em Itália e, aos 36 anos, fará Giro, Tour e Vuelta.

O colombiano Esteban Chaves (Orica-BikeExchange) e o holandês Steven Kruikswijk (Lotto-Jumbo), que 'cheiraram' a vitória no Giro até ao último momento, o bloco da BMC, com o norte-americano Tejay Van Garderen, o colombiano Darwin Atapuma, o espanhol Samuel Sánchez e o belga Philippe Gilbert, bem como o polaco Michal Kwiatkowski (Sky) ajudam a formar um pelotão de grande nível.

Num percurso maioritariamente desenhado nas regiões do norte de Espanha - entre a Galiza e os Pirenéus - haverá 10 chegadas em alto, num total de 12 etapas de média e alta montanha, que serão compensadas com com quase 65 quilómetros de contra-relógios - 27,8 no 'crono' por equipas que abre a corrida e 37 no exercício individual na antepenúltima etapa.

Depois de uma primeira semana pela Galiza, a primeira metade da corrida fecha por estradas de León, Astúrias e Cantábria, com quatro finais em alto - La Camperona (8.ª), Naranco (9.ª), Lagos de Covadonga (10.ª) e Peña Cabarga (11.ª) - onde os favoritos terão de confirmar as aspirações. No cenário das decisões estarão também os Pirenéus, com uma 'etapa Tour' desenhada no lado francês a terminar no Col d'Aubisque (14.ª), contagem de montanha de categoria especial (16 km a 7%) antecedida de três de primeira, e no dia seguinte a chegada ao Formigal.

Na última semana, com todo o desgaste acumulado, o pelotão visita a Comunidade Valenciana para enfrentar um final inédito em Mas de la Costa (4 km com rampas de 23%), o contra-relógio e a chegada ao alto de Aitana, subida de categoria especial onde serão ajustadas as contas, no penúltimo dia, antes da consagração em Madrid.


NATAÇÃO
Comité dos EUA
pede desculpas


O Comité Olímpico dos Estados Unidos (USOC) pediu na quinta-feira desculpas públicas pelo comportamento dos quatro nadadores que disseram ter sido assaltados no Rio de Janeiro, admitindo que todos mentiram.

“O comportamento destes atletas não é aceitável e muito menos representa os valores da selecção dos Estados Unidos, nem a conduta da maioria dos seus elementos”, aponta o comunicado do USOC, em referência aos nadadores Gunnar Bentz, Jack Conger, Ryan Lochte e James Feigen.

Depois de pedir “desculpas aos anfitriões e a todo o povo brasileiro”, o USOC garantiu que avaliará “potenciais consequências” para os nadadores após os Jogos Rio2016, que terminam no domingo.

A polícia brasileira informou na quinta-feira que o caso dos nadadores dos Estados Unidos, que disseram ter sido assaltados no último domingo no Rio de Janeiro, foi uma briga e não um assalto.

A constatação teve como base imagens de vídeo de um posto de combustível onde os nadadores aparecem a discutir com os funcionários no local.

A investigação começou depois de o quarteto de nadadores ter dito que foi assaltado depois de deixar uma festa na Casa da França, na Lagoa, zona sul do Rio de Janeiro.

No caminho para o alojamento, de táxi, os atletas pararam num posto de gasolina para ir à casa de banho.

No local, um deles teria danificado uma porta e iniciado uma discussão com os funcionários e seguranças. Os funcionários disseram que os nadadores estavam alcoolizados e começaram a urinar no jardim perto da loja de conveniência do posto.

Confrontado com as conclusões da investigação policial, o USOC admitiu que os nadadores “cometeram actos de vandalismo”.