Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Volta ao Algarve em Fevereiro vai ter pelotão de luxo

12 de Fevereiro, 2016

Portugal vai acolher nata do atletismo mundial com a 42º edição da Volta ao Algarve

Fotografia: AFP

A 42.ª Volta ao Algarve, apresentada na quarta-feira, terá o melhor pelotão de sempre, com Joaquim Rodríguez (Katusha), Fabio Aru (Astana) e Alberto Contador (Tinkoff) a serem os grandes cabeças de cartaz.

"A FPC teve uma enorme preocupação em criar as condições para que esta corrida estabilize em termos de organização, porque está claro que é uma prova que pode valorizar o ciclismo português no mundo", começou por dizer Delmino Pereira, presidente da Federação Portuguesa de Ciclismo (FPC), na apresentação da 42.ª Volta ao Algarve, na sede da entidade, em Lisboa.

Para Delmino Pereira, o prestígio que a Algarvia tem vindo a granjear proporcionou à organização "um extraordinário elenco de corredores". "Este é, muito provavelmente, o melhor pelotão de sempre, com as melhores figuras do ciclismo mundial", defendeu.

O pelotão será composto por 192 corredores, em representação de 24 equipas, metade das quais da primeira divisão internacional - o limite máximo permitido pelo escalão da prova organizada pela FPC -, o que representa um crescimento de 50 por cento face à edição anterior.

Mas é nos nomes que esta edição da Algarvia mais se destaca: nas estradas do sul do país, entre 17 e 21 de fevereiro, vão estar 26 corredores dos primeiros 100 do ranking, incluindo os 'top 10' Joaquim Rodríguez (Katusha), segundo, Fabio Aru (Astana), quinto, Alberto Contador (Tinkoff), sétimo, e Thibaut Pinot (FDJ), décimo.

A eles, juntam-se figuras maiores do pelotão mundial como Fabian Cancellara (Trek-Segafredo), Tom Boonen, Marcel Kittel ou Tony Martin, todos da Etixx-QuickStep, ou os dois últimos vencedores, Geraint Thomas e Michal Kwiatkowski, da Sky, que se apresentam como dois dos grandes favoritos a conquistar a amarela final, a par do português Tiago Machado (Katusha).

As estrelas desta edição têm um palmarés invejável, contando, entre outras, com quatro vitórias na Volta a Espanha, duas na Volta a França e duas Volta a Itália, nove em Mundiais, sete no Paris-Roubaix, oito na Volta a Flandres e uma medalha de ouro olímpica.

Pela frente os 192 ciclistas, em representação de 30 nacionalidades, têm um percurso de 743,2 quilómetros, distribuídos por duas etapas planas (primeira e quarta), um contrarrelógio individual de 18 quilómetros (terceira) e duas tiradas com chegadas em alto (segunda e quinta), que irá consagrar um ciclista completo.