Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Vulco est a ser preocupao

02 de Outubro, 2014

Pilotos e equipas tcnicas participantes na prxima etapa do circuito de Suzuka esto apreensivos porque o vulco pode continuar a expelir fumo e lamas a qualquer momento

Fotografia: AFP

A Fórmula 1 prepara-se para mais uma etapa do campeonato mundial e o Grande Prémio do Japão marcado para próximo domingo, regista uma situação que preocupam os promotores da competição. O Monte Ontake está localizado a cerca de 200 quilómetros da pista de Suzuka que entrou em erupção e já provocou dezenas de vítimas fatais. Lavas, fumaça e gases estão a ser expelidos e isso, tem feito que muitos voos com pessoas ligadas ao evento, estejam a ser desviadas ou apresentam situações de adiamento, conforme a correspondente do jornal “Bild”, Nicola Pohl. O repórter afirma que existe a possibilidade de o treino livre de sexta-feira ter problemas.“Os organizadores esperam que todos os pilotos cheguem à tempo para o primeiro treino livre na sexta-feira”, comentou.

PILOTO EXPERIENTE
A Honda vai precisar de um piloto experiente para tirar o melhor desempenho do motor turbo que a equipa vai estrear no próximo ano, defendeu o piloto Jenson Button. O campeão mundial de 2009 destaca que as unidades de recuperação de energia, vão solicitar maior esforço de entendimento dos japoneses e  um piloto experiente pode ajudar nessa conjugação. “Ia ajudar se tivessem pilotos experientes a conduzir o seu carro por razões de desenvolvimento. É uma unidade de potência que vai tentar preencher muitos espaços com o ERS, isso exige mais  informações e de um piloto experiente. Definitivamente, é um benefício”, disse.

Button confessa que apoia e deseja  que haja um bom entendimento entre a McLaren e a Honda, principalmente, das culturas reinantes de cada lado.As coisas que podem atrapalhar o trabalho com uma fabricante japonesa é a língua e também a cultura do Japão, mas a McLaren entende isso. Trabalharam com a Honda há muito tempo e não vejo nenhum problema, desde que passem tempo suficiente próximos da Honda”, acrescentou.

O piloto inglês assegura que a sua defesa “não se cinge apenas nos engenheiros, aerodinamicistas ou mecânicos, também precisam de passar o tempo a compreender a cultura japonesa e o método de trabalho”.Button realçou que “todos sabem disso e é o que estão a fazer”. A terminar, o piloto número um da McLaren disse que “vai ser uma parceria boa e o entendimento vai ser bom desde o princípio”.

CIRCUITO DE SUZUKA
Vettel elogia
a pista mítica


Sebastian Vettel chega a Suzuka com um excelente histórico como piloto da Red Bull. O alemão assumiu a titularidade da equipa da marca de bebidas energéticas em 2009 e no mesmo ano venceu no traçado nipónico. A situação repetiu-se em 2010, 2012 e 2013. Em 2011, ano do  segundo título mundial, um segundo lugar em solo japonês deu-lhe a taça.Com esse histórico positivo, sonha com uma boa corrida na pista mítica semelhante à Spa-Francorchamps, na Bélgica.

“Suzuka foi um lugar positivo para mim no passado, venci quatro vezes lá e também conquistei o campeonato em 2011, o que foi uma experiência fantástica. Suzuka como um todo é um circuito fantástico, provavelmente, o único circuito do calendário que pode ser comparado com a Spa”, disse.Vettel disse que “é um circuito muito desafiador, especialmente, o primeiro sector, onde tem muitas curvas de alta velocidade”.

“Gosto dele, mas mais para o fim, tem a curva Spoon, que é muito técnica e um grande desafio, assim como a 130R”, comentou.O piloto alemão está esperançado que as próximas provas serão determinantes para a sua equipa.Rosberg defende a Mercedes e luta
por um grande resultado

O alemão Nico Rosberg não esconde a decepção que teve no GP de Singapura, quando precisou de largar nas boxes, abandonou a prova logo no começo e ainda perdeu a liderança do Mundial de Pilotos para o inglês Lewis Hamilton. Assim, mesmo na semana do GP do Japão, ele recordou aquele fim de semana, avaliou ter vivido o seu pior momento na temporada. Agora, espera reagir na prova japonesa, no próximo domingo, no circuito de Suzuka.

“Eu disse naquele momento que o domingo em Singapura foi provavelmente o momento mais difícil do meu ano até agora, olho  para trás e eu ainda acho que  nãoé verdade. Ter a possibilidade de um grande resultado que foi retirado antes mesmo de chegar ao grid, é difícil de engolir e é claro, foram muitos pontos perdidos na batalha pelo campeonato”, disse. Mesmo assim, Rosberg voltou a desculpar a Mercedes pelo problema no seu carro no circuito de rua de Marina Bay e destacou todo o esforço que a equipa está a realizar para tornar o carro mais seguro.

“No entanto, eu não posso culpar o esforço da equipa. Vou para a fábrica e vejo como todos se esforçam, então, é claro que eles querem os resultados tanto quanto nós. Tenho fé nos meus colegas para melhorar a nossa confiabilidade e eu sei, que eles vão acertar para o GP do Japão”, afirmou.  Para tentar esquecer a decepção de Singapura, Rosberg exibiu satisfação para o reencontro com o fanático adepto japonês neste fim de semana, altura que se vai realizar mais um GP no circuito de Suzuka.