Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Webber emocionado com as mensagens

27 de Novembro, 2013

Australiano Mark Webber agradece o apoio recebido nas redes sociais durante a época

Fotografia: AFP

Mark Webber agradeceu ontem, através das redes sociais as inúmeras mensagens recebidas ao longo do último fim-de-semana, que marcou a sua despedida da Fórmula 1.O piloto australiano disputou domingo, em São Paulo, o seu último Grande Prémio, em que totalizou 215 corridas. Aos 37 anos, Webber prepara-se para em 2014 abraçar o Mundial de resistência ao volante de um Porsche.

No entanto, o adeus à categoria máxima do automobilismo não tem sido fácil devido às diversas homenagens, que tem sido alvo. De regresso à casa, ontem, Mark Webber utilizou as redes sociais para demonstrar o quanto estava sensibilizado pelo apoio deixado por amigos e admiradores: «Gostava de agradecer a todos pelas suas incríveis mensagens ao longo do fim-de-semana», escreveu o australiano, que se estreou na Fórmula 1 no Grande Prémio da Austrália em 2002. No dia do adeus, Mark Webber terminou em segundo lugar, atrás do companheiro de equipa, Sebastian Vettel em Interlagos.

Massa está motivado

O brasileiro Felipe Massa, na Fórmula 1 desde 2002, prepara-se para disputar a sua primeira temporada na categoria sem um motor produzido pela Ferrari. Além de falar sobre o novo propulsor, o futuro piloto da Williams lembrou que não usará mais os característicos equipamentos vermelhos da equipa italiana.“Vaiser a primeira vez que vou conduzir um carro de Fórmula 1 sem um motor Ferrari. É uma nova experiência. Preciso de acostumar-me com um carro e cores diferentes”, disse Felipe Massa após completar o Grande Prémio do Brasil, realizado domingo passado, na sétima posição.

Antes de assumir a condição de piloto titular da Ferrari, o piloto disputou três temporadas pela Sauber, equipa que usava motores produzidos      pela marca italiana. A partir    de 2014, ele ocupa o lugar do venezuelano Pastor Maldonado na Williams, que terá propulsores da Mercedes.“Estou muito animado com o futuro. Quero fazer tudo o que for possível para ajudar a minha nova equipa, a mim mesmo e disputar grandes corridas novamente.Eu sinto-me 100 por cento motivado para trazer a Williams de volta para a luta”, declarou.

A Williams conquistou sete títulos mundiais de pilotos, um deles com o brasileiro Nelson Piquet, nos anos 80 e 90, mas fez um campeonato negativo em 2013. Com Pastor Maldonado e o finlandês Valtteri Bottas, a tradicional equipa britânica marcou cinco pontos no campeonato de construtores, superando apenas as minúsculas Caterham-Renault e a Marussia-Cosworth.Apesar da inconsistência da Williams nos últimos anos, Felipe Massa acredita na possibilidade de contar com um carro competitivo na próxima temporada, já que o regulamento será drasticamente alterado, inclusive os motores, o que em tese aproxima o nível das equipas.Com 139 corridas - 11 vitórias e 15 poles - em oito temporadas pela Ferrari, o brasileiro deve iniciar a ligação com a Williams no próximo mês. Ele ainda planeia participar nas festividades promovidas pela Ferrari durante o período do Natal.