Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Wiggins tem "pendentes" por resolver no Tour/2014

09 de Março, 2014

Bradley Wiggins reconheceu que tem "assuntos para tratar" na Volta a França

Fotografia: AFP

“O Froome tem o manto (da liderança) agora, o que é bom, mas eu ainda tenho assuntos para tratar com o Tour”, começou por dizer ao diário britânico, esclarecendo que tem vontade de fazer algo mais na prova francesa, seja “uma excelente corrida” em prol de Chris Froome ou a vitória num contra-relógio.

Wiggins, que falhou a edição de 2013 do Tour devido a uma lesão contraída na Volta a Itália, está ansioso por poder participar na corrida que vai arrancar de Leeds, a sua cidade. “Com o início no Reino Unido, vai ser um momento de celebração para aquilo em que se tornou o ciclismo britânico e eu quero ser parte disso”, salientou.

Depois de duas temporadas de uma coexistência difícil na Sky, que incluiu uma ameaça de desistência de Wiggins durante o Tour2012, após Froome ter atacado o colega de equipa em La Toussuire, e um atraso de um ano no pagamento do prémio relativo à vitória na prova francesa, os dois melhores ciclistas britânicos da actualidade parecem ter encontrado a paz.

“No caso do Tour, vejo-me no ‘comboio’ com o Richie (Porte) e com mais alguém, como um dos últimos tipos a resistir e a estar lá nos momentos decisivos. Houve alguns momentos no ano passado nos quais o Chris estava isolado e eu tive vontade de estar ao lado dele”, recordou.

Apesar de ser o vencedor de 2012, Wiggins reconheceu que vai ter de merecer a sua selecção para a Sky com exibições na estrada. “Não podes subestimar quão bom tens de ser para fazer este trabalho bem, não é algo que tome como garantido. Para fazer-me justiça e ao Chris, como ex-vencedor da corrida, não posso apenas pertencer ao grupo e fazer um ou dois puxões aqui e ali”, acrescentou.

Wiggins confessou, também, que está satisfeito por não ter que carregar o peso de ser campeão da Grande Boucle, algo que lhe criou dificuldades. “Não lidei muito bem com o facto de ser vencedor do Tour. Toda aquela história do (Lance) Armstrong estava a começar e eu não queria estar naquela posição. Agora é diferente.