Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Williams prega independência

24 de Dezembro, 2015

A Williams apregoar a sua independência embora receba motores da Mercedes

Fotografia: AFP

O último contrato de parceria da Williams na Fórmula 1 encerrou em 2005, após o  rompimento com a BMW. Dez anos depois, a equipa britânica volta a reafirmar a sua independência na voz da vice-chefe Claire Williams.

“Eu realmente valorizo a independência que nós temos, é muito importante para mim. Ninguém pode negar a vantagem de ter o apoio financeiro de uma construtora, mas a não ser que haja um bom relacionamento, entendimento e respeito entre as partes, seria muito difícil fazer isso funcionar, ainda mais em numa cultura como a da nossa equipa”, explicou a mandatária ao Autosport.

Oito anos após o corte com a BMW, a Williams ainda sofria: neste período, foram apenas três pódios e uma única vitória na Fórmula 1. Há dois anos, porém, a situação inverteu-se. Agora, a escuderia britânica vive um bom momento, elevando o quinto maior orçamento da categoria ao terceiro lugar no Campeonato de Construtores em 2015. Entretanto, o desempenho satisfatório não é o bastante para que Claire feche as portas a possíveis novos acordos.

“Eu gosto da estrutura que temos neste momento, mas não vou dizer que não gostaria se uma construtora nos olhasse e dissesse ‘queremos uma parceria com vocês’. Se os termos fossem apropriados e funcionassem para as duas partes, isso nos levaria a outra esfera”, prosseguiu.

“Mas, no momento, somos apenas uma equipa consumidora e temos um bom relacionamento com a Mercedes (actual fornecedora de motores para os carros da Williams). Nós batalhamos muito por esse relacionamento e cultivamos uma parceria forte para um trabalho a longo prazo. No momento, estamos felizes”.