Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Americanos jogam com sul-africanos

Melo Clemente - 26 de Setembro, 2013

Maior experiência dos Estados Unidos pode ser determinante no desfecho desta noite no Pavilhão Welwitschia Mirabilis

Fotografia: Afonso Costa

As selecções dos Estados Unidos e da África do Sul jogam hoje, a partir das 20h15, no Pavilhão Welwitschia Mirabilis, no Namibe, para as classificativas do nono ao 16º lugar do Campeonato do Mundo de hóquei em patins, competição que encerra no sábado, com a disputa da grande final.

Depois de ter ocupado o terceiro lugar da fase preliminar do grupo D, com três pontos, fruto de uma vitória e duas derrotas, os norte-americanos, que na edição passada ficaram na 13ª posição, vão procurar vergar esta noite os sul-africanos, que até aqui não lograram qualquer triunfo, tendo ficado na cauda da tabela classificativa do Grupo C, com zero pontos.

Uma vitória da selecção dos Estados Unidos frente à similar da África do Sul garante à partida a melhoria do 13º lugar e consequentemente a manutenção na fina-flor do hóquei mundial, já que os últimos três classificados desta edição do Campeonato do Mundo baixam de divisão e disputam o Campeonato do Mundo B em 2014, no qual os três primeiros classificados apuram-se para o A.

Com 24 presenças em fases finais do Campeonato do Mundo A, o combinado dos Estados Unidos apresenta-se como favorito nesta partida, a julgar pela qualidade dos seus executantes, que são seguramente superiores aos da África do Sul, equipa que disputa pela segunda vez o Campeonato do Mundo A.

Os norte-americanos vão em busca da segunda vitória na competição, depois de terem vencido na fase preliminar a similar da Colômbia, por 7-6.
Em três partidas realizadas, os norte-americanos marcaram apenas nove golos, tendo sofrido 20.

A selecção dos Estados Unidos vai aproveitar a sua experiência para ultrapassar a modesta equipa da África do Sul.

Os sul-africanos, que ontem mesmo chegaram à cidade do Namibe, proveniente de Luanda, onde disputaram a fase preliminar, ao lado das selecções de Angola, Portugal e Chile, fizeram já o treino de adaptação ao Pavilhão Welwitschia Mirabilis, palco que acolhe a partir de hoje as classificativas do Mundial de hóquei em patins.

Tal como os norte-americanos, os sul-africanos são obrigados a vencer logo mais, sob pena de estarem mais próximos da despromoção do escalão maior do hóquei em patins. A África do Sul, durante a fase preliminar, ocupou o último lugar, com zero pontos. Os sul-africanos em três partidas averbaram igual número de derrotas, tendo marcado apenas sete golos e sofrido 39.

A última vez em que as duas selecções se defrontaram a vitória sorriu para os Estados Unidos, 11-9.

FASE PRELIMINAR
África do Sul tem o pior registo


Das 16 selecções que disputam o Campeonato do Mundo de hóquei em patins, a equipa da África do Sul detém o pior registo na fase preliminar da competição, que começa hoje a disputa dos jogos dos quartos-de-final e as classificativas do nono ao 16º lugar.

Em três partidas disputadas, o combinado da África do Sul marcou apenas sete golos, tendo sofrido 39, com um saldo negativo de 32 golos.
África do Sul, Áustria, Colômbia e Uruguai, esta última repescada à última hora em face da desistência da Inglaterra, não conquistaram qualquer triunfo, fechando a fase preliminar com três derrotas em igual número de partidas.

África do Sul, que marcou a sua estreia no Mundial A em 2011, nunca venceu até aqui qualquer jogo em fases finais.
Áustria é a selecção que ainda não marcou nenhum golo, tendo sofrido 22 tentos. Uruguai apontou apenas um golo, em três desafios e sofreu nada mais, nada menos, do que 30. Por sua vez, a Colômbia marcou dez golos e sofreu 15.MC

ARTILHARIA
Portugal e Espanha
são os demolidores

Portugal e Espanha, selecções mais tituladas, com 15 títulos mundiais cada, são as equipas mais concretizadoras deste Campeonato do Mundo de hóquei em patins, competição que se aproxima do seu final.

À entrada para os quartos-de-final e classificativas do nono ao 16º lugar, a selecção de Portugal é a que mais golos apontou, 31, em três partidas, tendo sofrido apenas seis.

A Espanha, actual campeã mundial, em três jogos disputados, apontou 25 golos e sofreu quatro. Argentina, vice-campeã, e que durante a fase preliminar fez parte do Grupo B, anotou 15 golos e sofreu apenas três.

Espanha, Argentina, Portugal e Itália são as selecções que fizeram o pleno durante a fase preliminar do Campeonato do Mundo de hóquei em patins. Das quatro selecções, a Itália foi a menos concretizadora, tendo anotado 19 golos e sofrido nove.MC

FUTURO
Dirigente defende 
massificação do hóquei


A aposta na formação de crianças, a partir dos seis anos de idade, deve ser o desafio dos clubes com o apoio dos Governos Provinciais, para que o país seja mais competitivo no hóquei em patins. Esta é a opinião do chefe de departamento de atletismo do Clube 1º de Agosto, Nzovo António.

Em declarações à Angop, a propósito dos resultados da Selecção Nacional no Mundial de hóquei em patins, Nzovo António advogou que a aposta deve passar pela massificação desportiva.

O responsável sustentou a sua posição apontando os investimentos feitos pelo Executivo em algumas províncias com a construção de pavilhões de nível internacional.

Para o antigo campeão nacional de atletismo nas especialidades dos 100 e 200 metros, com mais jovens a aderir à modalidade "temos maior número de equipas nos campeonatos, mais competitivos e ainda um grande leque de opções aos seleccionadores".

“Os clubes e as selecções europeias e sul-americanas realizam em média mais jogos em comparação com as equipas angolanas e têm campeonatos mais competitivos", disse o entrevistado, sublinhando serem esses pormenores que se reflectem nestas competições.
A Selecção Nacional foi afastada dos quartos-de-final ao perder 1-5 com Portugal na última jornada da fase de grupos.