Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Angola vence Holanda na estreia do Mundial

Silva Cacuti, em França - 21 de Junho, 2015

Em Vigo Angola tinha sido a única equipa que logrou marcar dois golos aos campeões mundiais

Fotografia: José Cola

A Selecção Nacional de hóquei em patins tenta hoje surpreender a similar da Espanha, campeã mundial, em partida pontuável para a segunda jornada do grupo preliminar A da 42ª edição do Campeonato do Mundo que decorre desde ontem na pitoresca cidade de La Roche Sur Yon, França.

No último confronto entre as duas equipas, em campeonatos do mundo, os espanhóis, a jogarem em casa, sentiram imensas dificuldades para “aguentar” a equipa angolana e precisou da “ajuda” de uma má arbitragem para vencer o jogo nos instantes finais, por 3-2.

Em Vigo, Angola tinha sido a única equipa que logrou marcar dois golos aos campeões mundiais, facto que alimenta esperanças numa eventual surpresa, apesar do favoritismo dos europeus.

Cada jogo é um jogo e numa partida de hóquei em patins tudo pode acontecer, como admitiu o seleccionador nacional, Orlando Graça.

Mesmo conhecendo a condição de favoritismo dos espanhóis, a imprevisibilidade  de resultado e desempenho alimenta a esperança de Angola pontuar diante  da Espanha. “Se não pontuarmos, vamos procurar fazer um resultado equilibrado”, garantiu Mário Correia, membro da delegação angolana.

Big, uma das referências da Selecção Nacional, disse que o grupo está motivado. “Queremos dar o nosso melhor para mostrar que o que aconteceu em Angola foi só falta de sorte, vamos fazer tudo para tentarmos vencer este jogo. Conhecemos a Espanha, mas nós vamos jogar e não temos que olhar para o nome do adversário”, disse.

Noutro jogo do grupo, a França defronta a Holanda com olhos virados na eliminatória. Os franceses, que são os principais adversários de Angola, vão procurar, diante dos holandeses, números gordos, diferentes dos conseguidos por Angola, na jornada de ontem.

A jogar em casa, numa prova que tem atraído poucos turistas, a França pode contar com o apoio dos mais de 3.700 lugares que o recinto do Vendespace permite como lotação.

Ainda hoje, o Brasil defronta a Áustria, para o grupo C, que também vai ver Portugal, um candidato, estrear-se, diante da Alemanha.

Para o grupo D, a África do Sul defronta o Chile e a Itália a Colômbia.

Moçambique vai defrontar a Suíça e a Inglaterra do angolano Carlos Cardoso “Chupita” mede forças com a Argentina. Chupita é técnico adjunto da selecção inglesa.


Na estreia
Angolanos cumprem dever


A Selecção Nacional de hóquei em patins somou ontem a sua primeira vitória na 42ª edição do Campeonato do Mundo que decorre desde ontem em La Roche Sur Yon, França, ao bater a similar da Holanda, por 7-2, com já favoráveis 4-2, ao intervalo. Os holandeses foram os primeiros a marcar, logo no primeiro minuto de jogo.

Orlando Graça e pupilos mantiveram a serenidade e nem sequer deram tempo para os "laranjas" comemorarem, porque segundos depois, à passagem do minuto dois, Angola chegou ao empate, com golo esperado de João Pinto.

O golo estabilizou o jogo da Selecção Nacional que partiu para uma exibição consentânea com o estatuto de favorito no jogo, diante dos holandeses.
Volvidos dois minutos, aos quatro, Payero começou a sua saga e colocou Angola em vantagem.

Os "espanhóis" da Holanda, irmãos Boersma, que actual em clubes da Catalunha, davam trabalho ao sector defensivo angolano. Vives Boersma que abriu o activo voltou a marcar e ainda falhou um livre, mas pouco podia fazer diante de uma equipa que estava determinada a não falhar.

A meio da segunda parte a equipa angolana jogava descontraída, tinha-se assenhorado do jogo e alegraram a claque de cerca de 20 angolanos que percorreram 80 km de Nantes a La Roche, para suportar o jogo da equipa angolana.

O Hino Nacional saiu espontaneamente.  Oe, oe, oe, oaaaaa; oe,  oaaaa, cantavam alegres. A vitória estava garantida, só faltava saber quantos golos mais ANGOLA ia marcar. Mando Graça deu oportunidade a quase todos os atletas disponíveis. Márcio Fernandes participou da festa com um golo, Nery e Filipe Bernardino jogaram e mostraram a sua classe. Francisco Veludo também deixou o seu lugar na baliza, para Hugo Campos, o suplente.

O domínio de Angola era um aviso à campeã mundial com quem joga hoje. Que venha a campeã! Não faltou a saudação da equipa à claque, em jeito de agradecimento.

Ainda ontem, a Argentina derrotou a Suíça, por 7-1, ao passo que Moçambique vergou a Inglaterra, por 6-3.

Claque
pede ingressos

Dois integrantes da claque angolana que se mobilizou espontaneamente em Nantes, 80 km de Lá Roche Sur Yon, não puderam ontem assistir a primeira vitória de Angola na 42ª edição do Campeonato do Mundo. Os dois conseguiram valores para a aquisição dos ingressos, mas numa altura em que já não os havia a venda.

Marcos Kimika, responsável da claque disse que o grupo está preocupado com a assistência aos jogos porque vêem à cidade do mundial por meios próprios e começa a faltar condições para continuar o apoio à selecção nacional.

"Mobilizamo-nos espontaneamente, arranjamos nossos meios, compramos combustível, percorremos os 80 km, gastamos na logística, para apoiar a nossa selecção, mas postos cá fomos surpreendidos porque pensávamos que os jogos eram grátis. Começamos a ter dificuldades, porque nem todos têm condições para depois deste esforço todo, ainda ter cinco euros para comprar bilhetes", disse.

O responsável pede apoios por parte da federação angolana ou da embaixada para que Angola continue a ter o apoio do grupo. "Temos vontade de continuar a apoiar a nossa equipa, mas precisamos que alguém nos apoie, principalmente no jogo com a França que vai ser decisivo para nós", apelou. 

No final do jogo a claque solicitou a presença de alguns jogadores da selecção e posou para a posteridade. Prontamente a Federação Angolana de Patinagem respondeu à solicitação dos apoiastes.

"Vamos garantir os apoios que eles necessitam. Eles podem ficar tranquilos porque é nosso interesse também continuarmos a ter este apoio para a nossa selecção. Aliás fomos nós que garantimos os 50 bilhetes que permitiram a entrada da claque e, porque faltou comunicação, não conseguimos mais bilhetes para os que ficaram fora, mas desde já este assunto está ultrapassado", disse Pedro Azevedo, vice presidente da Federação Angolana de Patinagem (Fapatinagem).


Cidade de La Roche pára para ver o mundial

A cidade de La Roche Sur Yon acordou diferente. A realização do Campeonato do Mundo no seu regaço foi informada através de alguns “out doors” pela cidade, nos autocarros de transportes públicos e falada nas rádios locais, o que resultou numa mobilização geral dos pouco mais de 50 mil habitantes da pacata cidade.

Em fim de semana, muitos dos serviços não abriram portas e o já pobre movimento da cidade reduziu ainda mais. Às 12 horas locais começaram a chegar ao complexo de Vendespace os primeiros espectadores para a festa do mundial de hóquei em patins.

Aos poucos a sala ficou completa. A organização vendeu os ingressos a cinco euros, válidos para todos os jogos do dia.

Por volta das 17h00, antes do jogo de Angola já havia boa casa, mas as movimentações na zona exterior do pavilhão intensificavam-se e já não houve lugar para mais ninguém. A sala estava lotada.

A cerimónia de abertura foi simples, presenciada pelo presidente da câmara da cidade, Luc Bouard, que esteve ladeado por Lucas Gaucher, presidente do Comité organizador do mundial, e por Harros Strucberg, da Federação Internacional de Rink Hockey.

Ao declarar a abertura do mundial, Haros Strucberg apelou ao “fair play”, ao passo que Luc Bouard deu as boas vindas aos representantes dos 16 países inscritos na prova. As palavras dos intervenientes foram seguidas de um espectáculo de pirotecnia que marcou a cerimónia de abertura.

No 42ª Campeonato Mundial participam as selecções de Angola, Argentina, Alemanha, Áustria, África do Sul, Brasil, Chile, Colômbia, Moçambique, Itália, Inglaterra, Espanha, França, Portugal, Suíça e Holanda.     
 S.C


 Destaque
Selecção Nacional com quatro estreias


A Selecção Nacional sénior masculina de hóquei em patins, que de 20 a 28 do corrente mês vai disputar o Campeonato do Mundo em La Roche Sur Yon (França), contará com quatro estreantes, nomeadamente os guarda-redes Pedro Watanga, Francisco Veludo e Hugo Garcia e o jogador de campo Anderson Silva “ Neri”.

Em relação à equipa que disputou o último mundial, ausentes estão  os jogadores Kirro, Tiago Sousa, Pedalé e Milton Lucas “ Mitó”, que já terminaram a carreira desportiva, enquanto Afonso Coche “ Mamikua” não foi opção para a referida prova.

Assim sendo, Orlando Graça leva os seguintes atletas: Pedro Watanga, Hugo Garcia e Francisco Veludo (Guarda-redes), João Pinto, André Centeno, Martin Payero, Filipe Bernardino, João Vieira “ Joje”, Humberto Mendes “ Big”, Márcio Fernandes e Anderson Silva Neri.

Depois de cumprir um estágio pré-competitivo em Viana de Castelo (Portugal) e na Catalunha ( Espanha), onde efectuou sete jogos, dos quais venceu seis e perdeu um,  a Selecção Nacional está já no palco na competição para tentar melhorar o nono lugar alcançado na edição anterior, realizada em 2013, em Angola.

A Selecção Nacional encontra-se inserida no grupo A ao lado da Espanha, da França e da Holanda.