Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Futuros do hquei angolano vaticinam sucesso da seleco

Manuel de Sousa, no Namibe - 15 de Maio, 2013

Resultados de Montreux e Vindimia so apontados como bons indicadores dos cinco nacionais

Fotografia: Jornal dos Desportos

Inseridos no programa de observação de talentos para a selecção nacional que vai disputar o Mundial de Sub-20, em Outubro, na Colômbia, o atleta juvenil do Ferrovia do Namibe, Edson Dinamossi, disse que a realização de uma das séries do Mundial no país e, em particular, no Namibe, vai permitir absorver os diferentes sistemas tácticos e técnicos, que vão repercutir-se na forma de jogar dos angolanos.

“Tenho a certeza de que vou aprender muito e melhorar o meu nível competitivo, bem como vai influenciar no desenvolvimento técnico das equipas nacionais; por outro lado, ver ao vivo os craques do mundo é sempre motivo de muito orgulho”, disse o jovem.

Quanto à participação dos cinco nacionais na competição mundial, Edson Dinamossi acredita que Angola vai fazer “boa figura”, na qualidade de organizador e pelo trabalho desenvolvido pelo seleccionador nacional.

“Os resultados das Taça das Nações, em Montreux, e Torneio de Vindimia justificam o bom nível competitivo da selecção nacional”, fundamentou.
Para coroar de êxito o primeiro campeonato do mundo, Edson Dinamossi apela a todos os namibenses, em especial os desportistas das províncias vizinhas, como a Huila, Benguela e Cunene, a juntarem-se à festa do desporto. Edson aponta o apoio às equipas participantes na Arena do Namibe como uma das formas de demonstrar a solidariedade dos angolanos e fair play.

A realização do Mundial, na visão de Edson Dinamossi, trouxe melhorias nas infra-estruturas da cidade do Namibe, mormente, rede hoteleira, pontos turísticos, saneamento da cidade e novos empreendimentos. A Arena do Namibe vai servir todos os desportos de sala. O atleta júnior do Juventude do Lubango, Joaquim Sapalo, afirma que a realização de uma das séries, na província do Namibe, e a construção da Arena vão contribuir para que os jovens hoquistas do Lubango tenham um espaço condigno para os torneios de intercâmbio realizados pelas associações da Huila e do Namibe.

Por outro lado, Joaquim Sapalo vaticina que muitos jovens podem ganhar o gosto pela modalidade, depois de testemunhar ao vivo as derrapagens, as sticadas e as belas jogadas das grandes selecções mundiais. Quanto ao relançamento do hóquei em patins no país, Joaquim Sapalo defende que os empresários nacionais, especialmente, do Namibe e da Huila, devem apostar mais na modalidade.

O atleta júnior do Atlético do Namibe, Estêvão Tomás, afirmou:  “Vamos ganhar um pavilhão novo com todas as condições para praticar o hóquei em patins e teremos uma oportunidade singela de ver as” feras” do hóquei mundial. Isso obriga-nos a estarmos engajados na competição”.