Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Malange homenageia Presidente da República

Silva Cacuti, em Malange - 22 de Agosto, 2013

As terras da Rainha Njinga Mbandi junta a nata de hóquei em patins mundial em homenagem ao aniversário do Presidente da República

Fotografia: Paulo Mulanza

A edição número 12 do prestigiado Torneio Internacional que este ano se disputa sob a frescura das quedas de Calandula, da sombra das Pedras Negras de Pungo Andongo e no regaço da imponente Palanca Negra Gigante, tem um toque especial: encerra 11 anos consecutivos de homenagem que o hóquei em patins dispensa ao mais Alto Dignitário da Nação angolana.

Esta festa em cada edição deixa marcas benéficas para a modalidade, pois com ela beneficiam as infra-estruturas, a massificação e competitividade das equipas nacionais, foi uma iniciativa pessoal do cidadão Carlos Alberto Jaime, hoje presidente da Federação Angolana de Patinagem. No ano de 1994, ainda nas vestes de presidente da equipa Enama de Viana, idealizou assinalar o aniversário do Presidente da República, José Eduardo dos Santos, com a disputa de um torneio.

A que então ficou registada como a primeira edição, teve como palco a quadra de jogos do Ferroviário de Luanda. Não contava ainda com participação internacional e a equipa anfitriã acabou por sagrar-se vencedora. Nos anos seguintes, a prova não se realizou. Carlos Alberto Jaime reeditou- a em 2003, já com cariz internacional e cimentou os pilares para o prestígio mundial que a Taça Zé Dú, apresenta. De 2003 à data presente, nunca mais faltou a homenagem a José Eduardo dos Santos.

A realização continuada da prova inspirou, em 2006, a organização do primeiro Campeonato do Mundo de clubes de hóquei em patins, para mostrar aos países de todo o mundo as linhas de desenvolvimento por que Angola se está a direccionar, em termos de infra-estruturas, maturidade organizativa, hospitalidade das suas gentes e outras vertentes sócio- económicas. Em 2009, a prova começou a sair de Luanda e disputou-se em Benguela, onde a modalidade ganhou impulso. Em 2012, foi a vez do Huambo e, agora, Malange, vive os ventos benéficos do Troféu José Eduardo dos Santos.

A 12ª edição da prova trouxe a Malange sobre os patins da Selecção Nacional uma arena desportiva que deixa os malanginos orgulhosos e os estrangeiros maravilhados com a sua opulência. “Quem dera se este pavilhão estivesse em Coruña!”, Exclamaram os dirigentes do clube espanhol ao entrarem pela primeira vez no Palanca Negra Gigante. É neste contexto que Malange vestiu as ruas, mobilizou o seu público, preparou a melhor hospitalidade para dar tributo ao Arquitecto da Paz.

NACIONALIDADE
Martin Payero confirma hoje


A cidade de Malange, palco da 12ª edição da Taça Zé Du, vai entrar para o registo da carreira de Martin Payero, como a primeira localidade, onde efectuou o primeiro jogo oficial a envergar a camisola angolana. O atacante de 36 anos de idade é um atleta de referência mundial que actuou pela Argentina até ao Mundial de 2003. Residente em Angola, onde actua pela Académica de Luanda, há mais de seis anos, Payero decidiu, solicitou e viu a Assembleia Nacional conceder-lhe a nacionalidade angolana.

O jogador já actuou pela Selecção Nacional num dos jogos amistosos efectuados em Luanda. Em jogo oficial, só Malange vai testemunhar o lançamento de um hoquista que vai reforçar a defesa. O Troféu Internacional José Eduardo dos Santos. é uma prova constante do calendário do Comité Internacional de Rink Hockey (Cirh). SILVA CACUTI- MALANGE


PRIMEIRA JORNADA
Angola e Brasil ajustam contas


As Selecções Nacionais de Angola e do Brasil defrontam-se hoje, às 20 horas no pavilhão Palanca Negra Gigante em partida de encerramento à primeira jornada do Torneio Internacional, que visa homenagear o Presidente da Republica José Eduardo dos Santos, pelo seu 71ª aniversário natalício que se assinala a 28 do corrente. A prova vai ser aberta com o embate entre as equipas do Andes Talleres da Argentina e o Liceo de lá Coruña, de Espanha, no mesmo recinto, às 18 horas. No jogo de destaque entram em cena as duas selecções inscritas na prova, cuja participação é liderada pelo desejo de limar arestas tendo em conta o Campeonato do Mundo que se aproxima.

Angola e Brasil têm o mesmo desiderato, a mesma ambição de vencer, mas apresentam-se com disposições diferentes. A selecção anfitriã, comandada por Orlando Graça, está no Torneio com todo o plantel, no qual apenas Big não vai actuar por lesão, enquanto o Brasil, muito renovado, veio sem três das principais referências do seu hóquei, casos de Alan Karan, Michel Zanini e Kaka, ausências que podem tornar a factura do jogo muito pesada para a equipa sul-americana.

Angola é favorita, aliás, com um quadro semelhante, à da edição passada, os comandados de Orlando Graça “enfiaram” 6-0 aos brazukas que eram então comandados pelo veterano Alan Karan. Ainda assim, tomar cautelas não faz mal a ninguém, até porque os novatos que o Brasil traz não têm nada de ingénuos. Diego Santos, uma das revelações brasileiras que no Huambo tinha sido apelidado de “garoto”, pela sua acutilância, está de volta. Miguel Belbruno, o argentino que comanda a equipa brasileira, fala numa equipa a 50 por cento, pelas ausências, mas diz que veio lutar para vencer.
SILvA CACUTI, EM MALANGE


ABERTURA
Liceo e Andes Talleres jogam em espanhol hoje


A motivação trazida pelo Andes Talleres vai ser posta à prova hoje diante dos espanhóis do Liceo de lá Coruña, que é somente a equipa mais referenciada em prova. O jogo marcado para as 16 horas, no pavilhão Palanca Negra Gigante, em Malange, pontua para a primeira jornada da 12ª edição do Torneio Internacional Troféu José Eduardo dos Santos.

O treinador do Andes Talleres, Denis Pelissari, disse recentemente à imprensa que a sua equipa trabalha há meses para um dos melhores Torneios Internacionais do Comité Internacional de Rinck Hockey. Vão subir à nova quadra de jogos de Malange, o que há de melhor no mundo, respeitante a clubes, já que os espanhóis têm o domínio do ranking mundial e o título europeu, enquanto os argentinos são campeões no seu país e, provavelmente, a equipa mais referenciada de toda a América.

O presidente do Liceo de la Couña, Eduardo Lamas, questionado sobre os objectivos da sua equipa, exibiu o vasto currículo para ilustrar que não têm alternativa que não seja vencer o Torneio, a começar pelo jogo de hoje. Nos meandros desta partida descobrimos um Liceo com atletas juniores e juvenis, em virtude de terem cedido atletas para as selecções de Espanha, Argentina e mesmo Portugal, diante de um Andes que reintegrou quase todos os atletas que estavam na pré-selecção do seu país, à excepção do guarda-redes que acabou por ficar com a selecção. SILVA CACUTI- MALANGE

HOQUEI EM PATINS  TAÇA ZÉ DU
Polícia garante tranquilidade



Dois mil efectivos da Polícia Nacional de diversas especialidades garantem a segurança da XII edição do Troféu Internacional Zé Du em hóquei em patins que se disputa a partir de hoje até no próximo domingo no pavilhão Palanca Negra Gigante, na cidade de Malange.Os números foram revelados pelo Delegado Provincial do Ministério do Interior (MININT) em Malange, comissário António José Bernardo.

As forças destacadas para o segurança integram as especialidades de investigação criminal, intervenção rápida, polícia económica, protecção civil e bombeiros, engenheiros de desminagem, além das forças especializadas na manutenção da ordem e de segurança aérea. Para este último sector estão disponíveis esquadras de helicópteros que devem operar na região durante o torneio.O comissário António José Bernardo destacou ainda o recrutamento e a capacitação de 100 jovens assistentes dos recintos desportivos que vão cuidar do interior do pavilhão.

Assistência médica

Uma equipa médica do Hospital Geral de Malange vai estar presente ininterruptamente no pavilhão Palanca Negra Gigante durante os dias da competição, para garantir a assistência às pessoas que vão assistir ao torneio, informou o coordenador da subcomissão de segurança do comité organizador do Taça Zé Du. António Bernardo ressaltou que vai estar igualmente presente no recinto o Instituto de Urgências Médicas com duas ambulâncias normais e outras equipadas com suporte básico.O oficial da Polícia Nacional apelou aos adeptos a pautarem-se por uma conduta irrepreensível, antes, durante e após o troféu internacional de hóquei em patins.

HOQUEI EM PATINS TAÇA ZÈ DU
Espanhol vaticina título para Angola


Angola pode conquistar o campeonato do mundo que vai organizar de 20 a 28 de Setembro nas cidades de Luanda e do Namibe, disse o presidente da equipa espanhola Liceu de La Corunha, Eduardo Sanchez. Falando no final do treino no pavilhão Palanca Negra Gigante, palco do Troféu Internacional José Eduardo dos Santos., Sanchez justificou o seu prognóstico pela boa organização da Federação Angolana de Patinagem, pela qualidade dos jogadores angolanos e, sobretudo, pela vontade que demonstra em não defraudar, enquanto selecção anfitriã.

O responsável da equipa campeã europeia em 2012 identificou outros atributos da Selecção Nacional, tais como a força dos jogadores, que considera fundamental, a técnica individual, o estilo próprio e a voluntariedade em campo. “Garanto que Angola pode vencer o campeonato do mundo e, pelo trabalho que realiza, vai intrometer-se entre as potências mundiais como Espanha, Portugal e Argentina”, vaticinou.

O espanhol, que vem a Angola pela sétima vez por ocasião do Troféu  José Eduardo dos Santos, apontou as políticas desportivas que podem melhorar o hóquei angolano, destacando a formação de técnicos em todas as províncias e a aposta na massificação. Para Eduardo Sanchez é fundamental que se organizem competições por regiões em todos os escalões e que se construam pequenos pavilhões abertos para os jovens hoquistas. O técnico europeu defende que nem todas as infra-estruturas têm de ser fechadas. Sanchez assegura que o campeonato do mundo em Angola pode resultar em “explosão” do desporto e da modalidade em particular, tal como aconteceu em Espanha por ocasião dos Jogos Olímpicos Barcelona 92.

DESFALQUE
Humberto “Big”
é baixa confirmada


O defesa médio do Geig de Girona de Espanha, Humberto Mendes “Big”, o melhor jogador da última edição da Taça Zé Du disputada em 2012 na cidade do Huambo, vai falhar a 12.ª edição do torneio que começa hoje no pavilhão Palanca Negra Gigante, em Malange, por precaução da equipa técnica nacional.

O jogador, que falhou o duplo amistoso da Selecção Nacional diante do Misto de Luanda e do 1.º de Agosto, já integrou o grupo, trabalha com patins, mas Orlando Graça considera que a sua recuperação está lenta.“O Big está a recuperar lentamente, trabalha com o grupo, mas está condicionado. Por precaução não o vamos lançar e é pouco provável que seja utilizado durante o torneio”, admitiu o técnico angolano.
SILVA CACUTI, EM MALANJE


GARANTIA
Espectadores têm transportes


Quatro autocarros da transportadora luandense TCUL vão garantir a deslocação de pessoas do centro da cidade de Malange para o bairro da Vanvuala, arredores da Catepa, onde está o pavilhão Palanca Negra Gigante, que acolhe de hoje a 25 deste mês a 12.ª edição do Troféu Internacional  José Eduardo dos Santos.
O coordenador-adjunto do comité organizador da prova, Caetano Tintas, disse ao Jornal dos Desportos que a rota parte do pavilhão Valódia, defronte ao edifício dos Correios de Angola, para o pavilhão.

“Em princípio, temos garantidas as condições para que as pessoas se desloquem, em rotas de ida e volta grátis, e se juntem à festa do hóquei em patins”, afirmou.
Caetano Tintas, que é também o director provincial da Juventude e Desportos de Malange, realçou que o comité organizador se preocupou de tal maneira com a questão do acesso ao pavilhão, que montou uma tela gigante na parte exterior do pavilhão para permitir o visionamento dos jogos àqueles que não conseguirem entrar.

“Na inauguração do pavilhão tivemos quase sete mil pessoas e o pavilhão tem capacidade para três mil. Decidimos montar uma tela gigante a pensar nessa questão. As entradas serão livres, mas para evitar a sobrelotação vamos fornecer bilhetes à entrada do pavilhão”, garantiu Caetano Tintas.
SILVA CACUTI, EM MALANJE