Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Medicina tem falta de tcnicos

Rosa Napoleo, lvaro Alexandre - 06 de Agosto, 2013

Nmero de tcnicos de sade vai ser distribudo pelas provncias de Luanda e do Namibe para o Mundial e de Malange para a Taa Internacional Z Du no final do corrente ms

Fotografia: Jornal dos Desportos

Mais de 400 tcnicos de sade vo ser necessrios para dar resposta s necessidades do Campeonato do Mundo de Hquei em Patins, que o pas acolhe de 20 a 26 de Setembro, de acordo com Wlademir Diogo, coordenador da Subcomisso de Medicina do Cohoquei.

De acordo com o mdico, os tcnicos vo ser mobilizados com a ajuda das direces dos hospitais.
Contamos mobilizar muitos mdicos. Os mdicos, enfermeiros e terapeutas vm do Hospital Militar, Amrico Boavida, Josina Machel, Prenda, Centro de Medicina Desportiva, Centro de Reabilitao Fsica e das Clnicas Sagrada Esperana, Girassol e Multiperfil, especificou.

Wlademiro Diogo explicou ainda que os tcnicos vo ser distribudos pelas trs provncias, designadamente Luanda e Namibe, que vo acolher o Mundial, e Malange, que organiza a Taa Z Du (de 22 a 25 deste ms).

Entretanto, o mdico refere que as necessidades de Luanda so elevadas, pelo que vai merecer uma ateno especial. Temos a inteno de trabalhar em Luanda com cem mdicos e 200 enfermeiros, enquanto para o Namibe e Malange se precisa de cem mdicos e 150 enfermeiros, previu. Os tcnicos de sade, segundo o coordenador da subcomisso mdica, vo prestar servio apenas nos hospitais, clnicas e pavilhes de jogo.

Cada hotel vai ter um posto avanado. Vamos ter um corpo de assistentes constitudo por mdicos e enfermeiros permanentemente. Est ainda prevista uma ambulncia dos Servios de Emergncias Mdicas e nos pavilhes onde decorrem os jogos vamos ter os postos mdicos para prestar assistncia primria, concluiu.
As 16 seleces inscritas para as competies tambm vo poder contar com a assistncia permanente dos membros dos Bombeiros Nacionais.

FRMACOS
Ministrio da Sade assegura medicamentos


O Ministrio da Sade a entidade responsvel pela distribuio de frmacos para o Mundial. A informao foi dada ao Jornal dos Desportos pelo coordenador da subcomisso de medicina do comit organizador do Campeonato do Mundo de Hquei em Patins, Wlademir Diogo.
O Comit Organizador tem um convnio com o Ministrio da Sade, que faz parte da comisso ministerial, que coordenada por sua excelncia o ministro Jos Van-Dnem, coadjuvado pelo secretrio do Estado da Sade, Carlos Alberto Masseca, esclareceu.
Em relao ao fornecimento dos medicamentos est tudo a cargo do ministrio de tutela. O Cohoquei tem a responsabilidade de garantir os meios tcnicos. Tudo o que estiver ligado com a vertente desportiva, como a assistncia com as talas e traumatismo. Os campos vo estar apetrechados com medicamentos anti-diarreicos e anti-inflamatrios disponibilizados pelo ministrio, garantiu.

Wlademir Diogo no precisou a data a partir da qual os frmacos vo estar disponveis para o Mundial, mas garantiu que parte do remanescente reverte a favor do Ministrio da Sade.
Pensamos que os campos no vo deixar de ter o material. Os hospitais so uma opo. De salientar que a actividade desportiva no vai terminar com o final do Mundial. Vo haver outros eventos no mesmo local. Os medicamentos prestes a expirar so depositado nos hospitais com carncias imediatas. A outra parte, em qualidade perfeita, vai servir de stock para os referidos centros desportivos, concluiu.
RN e AA

INQURITO
Angola vai organizar em Setembro prximo o mundial de hquei patins, os exames anti-doping devem ser feitos no exterior do pas. Acha que Angola devia ter j um laboratrio anti-doping?
Santa Madalena- enfermeira

Creio que est na hora de termos em Angola, um laboratrio para exames desse gnero, porque no ramo da sade o pas j evoluiu muito. Hoje, j temos hospitais de referncia que realizam exames de laboratoriais, que anteriormente eram efectuados no exterior. Com a evoluo que o pas est a registar, passaram a ser feitos c.

Diamantino Neves- enfermeiro

Acho que o pas tem condies para ter um laboratrio para a realizao de exames anti-doping, porque hoje alguns hospitais e clnicas de Angola j fazem cirurgias a laser e exames de ADN, que no passado tnhamos de enviar para o exterior e aguardar pelos resultados. Se j demos bastantes passos em frente, penso que j tempo de criar condies para um laboratrio antidoping.

Ceclia Ismael- tcnica de sade

Penso que os atletas nacionais j trouxeram para casa trofus que engrandeceram o nome do pas. Falmos de atletas do basquetebol, andebol, atletismo e de outras modalidades. Com estes feitos, acho que j devamos ter no pas, um laboratrio para exames anti-doping. Desta forma, tanto os atletas nacionais como os estrangeiros iam realizar exames anti-doping em Luanda, por altura do Mundial.

Hospital Ngola Kimbanda
com obras de reabilito


O Hospital Central Ngola Kimbanda no Namibe est beneficiar de obras de restauro para receber com dignidade os casos clnicos que os grupos B e D podem proporcionar na fase qualificativa do Campeonato do Mundo de hquei em patins, previsto de 20 a 28 de Setembro.

O Hospital Central do Namibe est em reparao e em Setembro vai estar pronto a oferecer um servio personalizado para os utentes, disse Vladimir Diogo.
O mdico angolano e coordenador da subcomisso de Medicina do Comit Organizador do Campeonato do Mundo de hquei em patins, Vladimir Diogo, disse que vo ser disponibilizadas cinco viaturas para apoiar os mdicos na provncia do Namibe.

A unidade hospitalar das terras da Welwitchias Mirabilis vai estar capacitada para atender todas as situaes, quer com relao aos atletas quer do pblico que vai assistir aos jogos no pavilho, garantiu.

O Hospital Central Ngola Kimbanda vai contar com uma unidade mvel para responder as urgncias.
Vladimir Diogo revelou que o Cohoquei colocou disposio dos especialistas um hospital auxiliar nas imediaes do pavilho.

Em caso de uma evacuao, vai estar disponvel um avio-hospital equipado com tecnologia de ponta, na placa do Aeroporto do Namibe e viaturas de emergncia mdica, elucidou.

semelhana de outros pavilhes, a Arena de Malange vai ter uma equipa de Servios de Emergncia Mdica para atender os casos clnicos resultantes do Torneio Internacional Z Du.

Vamos contar tambm com o apoio do Hospital Provincial de Malange. Os casos que acontecerem no recinto do jogo vo ser encaminhados para o Servio Emergncia Mdica que e incumbidos de transportar os doentes quela unidade hospitalar, concluiu.
Rosa Napoleo, lvaro Alexandre


PRXIMO DO PAVILHO
Cerca de 30 mdicos vo funcionar
no hospital de campanha do Namibe


Cerca de 30 mdicos de vrias especialidades vo funcionar no hospital de campanha, que vai ser montado nas imediaes do pavilho Arena do Namibe.
De acordo com o coordenador da subcomisso mdica do Cohoquei, Wlademir Diogo, o hospital de campanha vai funcionar 24/24 horas, enquanto decorrer o campeonato do Mundo. Para alm dos 30 mdicos, a subcomisso mdica vai contar no hospital de campanha com os tcnicos do Hospital Provincial do Namibe e do Instituto Nacional de Emergncia Mdica (INEMA).

Para alm disso, a subcomisso mdica do Comit Organizador do Campeonato do Mundo de hquei em patins vai deslocar, para a provncia do Namibe, mdicos e tcnicos do Centro de Medicina Desportiva, para trabalhar no hospital de campanha.

FIGURA
EXAME ANTI-DOPING


Mrio Rosa defende
laboratrios estrangeiros


A existncia de um laboratrio para rastrear os testes anti-doping est longe de ser realidade em Angola. As premissas para a construo de um laboratrio ainda no esto consolidadas. A construo de infra-estruturas desportivas no acompanhada com a formao de recursos humanos especializados para garantir um movimento desportivo que justifique a presena de laboratrio anti-doping.O vice-presidente do Comit Olmpico Angolano, Mrio Rosa, disse em entrevista ao Jornal dos Desportos, que a construo de um laboratrio anti-doping no pas vai exigir das entidades competentes avultadas somas de dinheiro.

O pas no dispe de condies humanas e desportivas para ter um laboratrio anti-doping. A construo de um laboratrio exige muito investimento, disse.
Mrio Rosa assegurou que os europeus esto muito avanados em laboratrios de alta qualidade e reconhecidos pela Associao Mundial Anti-doping. Os pases que dispem de laboratrios anti-doping procuram sempre ajudar os que no tm e justo que Angola recorra aos pases com quem tem relaes nesse captulo.
A falta de um laboratrio no pas tambm justificada pela inexistncia de uma medicina desportiva convincente.

As instalaes do actual Centro de Medicina Desportiva no dispem de condies que justifiquem a realizao de um trabalho aturado dos mdicos; h poucos mdicos especializados nessa rea; devem ser criados no pas mais Centros de Medicina Desportiva para responder a zona Centro e Sul, por exemplo, disse.
Mrio Rosa asseverou que a poltica desportiva do pas deve merecer o contributo de todos os angolanos.

Todos devem contribuir com as suas inteligncias para o bem do nosso desporto, disse. Quanto ao impacto negativo que o uso de anabolizante pode causar ao desporto nacional, o vice-presidente do COA chama a ateno das autoridades competentes.

Mrio Rosa realou que no intuito de agradar as meninas, muitos jovens e adolescentes esto a consumir anabolizantes para se apresentarem com corpos musculados. As autoridades que controlam os ginsios devem adoptar medidas que visem desencorajar o uso de anabolizante, pois os suplementos alimentares escondem muitas drogas, disse.
Francisco Carvalho