Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Obras da Arena de Luanda recebe visita da Seleco

06 de Agosto, 2013

A Selecção Nacional de hóquei em patins vai ter hoje o primeiro contacto às 15h00. Como é consabido o pavilhão Arena de Luanda, está ser erguido para acolher as cerimónias de abertura e encerramento do Campeonato do Mundial de 20 a 28 de Setembro do corrente. O contacto vai ser durante uma visita guiada do grupo de pré-seleccionados, às obras. O pavilhão de Luanda é o maior do país, com capacidade para 12 mil espectadores. Neste momento as obras a 90 por cento de conclusão, estão na fase de acabamentos interiores e exteriores em ritmo acelerado de execução.

O programa de actividades de campo da selecção nacional, de acrdo com Orlando Graça, seleccionador nacional resulta do acompanhamento que as estruturas governamentais e federativas têm prestado ao grupo que trabalha em regime de concentração no Dream Space. “Tem havido muito apoio das estruturas federativas e do governo, nas pessoas do presidente da federação e do ministro da Juventude e Desporto. Eles predispuseram-se a apoiar a pré-selecção em várias actividades extra-desportivas, como visitas a lares de terceira idade, hospitais, órgãos de comunicação social e outros para que os nossos atletas não tenham só a componente treino ou competitiva imbuída neles. Vamos nesta terça-feira visitar o pavilhão que está a ser erguido em Luanda, no sábado creio que vamos visitar a TPA e depois de voltarmos de Malange para dar continuidades e  fazer outras visitas”, disse. 

O seleccionador nacional considerou que a equipa tem bom estado de ânimo. “é visível que a equipa está animada. Ao longo do trabalho que temos efectuado, temos registado resultados que animam o grupo e cremos que a estrutura psicológica do grupo é boa, para encarar todo este cenário envolvente que antecede o mundial. O pavilhão está a ser erguido pela construtora angolana Omatapalo. A fiscalização é coordenada pela Gebepa. O pavilhão foi projectado pelas empresas Berger e Gebepa. O material desportivo a ser instalado no pavilhão vai ser fornecido pela Mondo.

O pavilhão de Luanda tem 12 mil lugares, dos quais 40 vão ser reservados a pessoas com mobilidade reduzida. Vai ser colocada uma bancada que recolhe, com capacidade para dois mil lugares. Estão a ser instalados 20 camarotes, dos quais um presidencial. A imprensa vai ter seis cabines para relatores, uma tribuna de imprensa para 30 jornalistas, uma sala de imprensa com visibilidade para o campo de jogo e outra sala para redacção. O pavilhão vai ter oito balneários para atletas, um para cronometristas, dois balneários para árbitros e dezenas de casas de banho públicas. Também existe um posto médico para atletas, um posto de controlo anti-doping e outro para as forças policiais. O pavilhão de Luanda tem disponíveis 16 bares.

TRABALHA CONDICIONADO
Payero calça patins

O avançado Martin Payero, da selecção nacional começou ontem, à tarde, a calçar patins e vai continuar a trabalhar, de forma alternada, até debelar o edema que tem na zona do tendão de Aquiles. Conforme informação de Orlando Graça, seleccionador nacional o atleta está a evoluir satisfatoriamente e é provável que trabalhe sem limitações no final desta semana. “Ele está a fazer exercícios específicos pela manhã, e a tarde calça os patins até recuperar de um edema que tem na zona do tendão de Aquiles, vamos continuar nesta cadência até ver como ele vai reagir”, disse.

Lembrar que Martin Payero, 36 anos, atleta nascido na Argentina e que representou aquele país até em 2003, vai estrear-se por Angola no Mundial de Setembro, após o parlamento ter autorizado a sua naturalização. Enquanto isso o seleccionador agendou dois jogos amigáveis para a semana de trabalho iniciada ontem. O primeiro teste vai ser amanhã, diante da formação do 1º de Agosto, campeão do torneio de abertura de Luanda, enquanto o segundo é no sábado, diante de um misto de atletas das equipas de Luanda. “Há necessidade de dar ritmo competitivo à selecção, daí programarmos estes dois jogos” sustentou o seleccionador.

A ABRIR  
MATIAS ADRIANO

Hora
da verdade


Entramos no mês de Agosto, aquele que, há alguns anos, tem-nos proporcionado as emoções do desporto sobre rodas, com a disputa da Taça Zé Du em hóquei em patins. Este ano, entretanto, a prova disputa-se com um sabor especial, a servir de antecâmara do campeonato do mundo.
Na verdade, a capital malangina já começou a ganhar outra imagem. Pois, os anfitriões capricham na perspectiva de agradar os visitantes, aliás a primeira vez que a província tem a particularidade e honra de receber uma competição desportiva de tamanha grandeza.

O pavilhão a que foi atribuído o sugestivo nome Palanca Negra, a rara espécie animal a nível do mundo, encontra-se apenas no espaço geográfico da província, exibindo a sua imponência animal no mítico bairro da Catepa. Calcula-se que venha a rebentar pelas costuras nos dias em que tiver lugar os jogos do torneio. Malange há-de ser também uma espécie de prova de ensaio para o “cinco” nacional, aproveitar a participação no Torneio Internacional para corrigir alguns detalhes de ordem táctica e afinar a máquina para o Campeonato Mundial, afinal mais exigente
a rodos os títulos.

De momento, Orlando Graça e sua rapaziada não poupam esforços. Do Drim Space, ao Kikuxi, trabalham forte e feio, na busca de entrosamento necessário e recomendável para as obrigações de uma competição exigente, que tem como intervenientes selecções catalogadas como executoras de um hóquei de apurado teor qualitativo.

Enfim, com Agosto, entrámos no festivo ambiente do hóquei em patins. O tempo corre célere. Para a Taça Zé Du faltam 14 dias e para o Campeonato do Mundo 44 dias. Já não falta muito. Ainda bem que em termos de organização está quase tudo acertado. Assim, as próximas noites, para quem tem responsabilidade directa, na organização, podem ser de sono calmo e solto.