Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Pavilhão do Namibe recebe pavimento de Tacos

Manuel de Sousa - 18 de Julho, 2013

Fotografia: Jornal dos Desportos

As obras do pavilhão multiuso do Namibe, que vai acolher os jogos das séries B e D do “mundial” de hóquei em patins, que o país organiza em Setembro próximo, entraram já na sua fase derradeira, com a aplicação do taco flutuante e a última camada no pavimento desportivo.Depois da aplicação da camada flutuante na semana passada, o trabalho no interior do edifício incide agora na armação da última camada de tacos do piso que vai receber os jogos, bem como na conclusão da instalação das redes eléctrica e de telecomunicações.

Decorrem também trabalhos de mecânica, serralharia e caixilharia, bem como outros na área de hidráulica.Cerca de noventa por cento da obra, iniciada em Outubro do ano passado, está realizada, visto que a estrutura de betão armado, caixilharia exterior, colocação de cadeiras nas bancadas, revestimentos e acabamentos, bem como a colocação de equipamentos de segurança estão praticamente concluídos.

Tudo indica que o pavilhão, com capacidade para três mil espectadores, será mesmo entregue no dia 31 deste mês, como promete o empreiteiro.
A nível dos arranjos exteriores, as obras decorrem igualmente a um ritmo acelerado, com a colocação de asfalto no parque de estacionamento para o público, com capacidade para mais de 500 viaturas.

O empreendimento conta com outro parque, com espaço para 40 viaturas, na zona interior do complexo, reservado a personalidades VIP.A empresa responsável pelas obras aumentou o número de operários, tendo em conta o ­volume de trabalho na zona exterior do pavilhão que, entretanto, deverá estar concluída no fim do mês de Agosto, de acordo com um dos responsáveis da empreiteira.

Homens e máquinas trabalham ininterruptamente na aplicação do asfalto e outros arranjos nas vias de acesso, bem como na nova estrada que liga azona urbana ao aeroporto internacional Yuri Gagarin, passando pelo pavilhão, tornando-a num verdadeiro atractivo da cidade do Namibe. Nesta altura, a obra emprega 100 operários angolanos e outros tantos portugueses.As obras do pavilhão multiuso do Namibe, que vai acolher os jogos das séries B e D do “mundial” de hóquei em patins, que o país organiza em Setembro próximo, entraram já na sua fase derradeira, com a aplicação do taco flutuante e a última camada no pavimento desportivo.

Depois da aplicação da camada flutuante na semana passada, o trabalho no interior do edifício incide agora na armação da última camada de tacos do piso que vai receber os jogos, bem como na conclusão da instalação das redes eléctrica e de telecomunicações. Decorrem também ­trabalhos de mecânica, serralharia e caixilharia, bem como outros na área de hidráulica.Cerca de noventa por cento da obra, iniciada em Outubro do ano passado, está realizada, visto que a estrutura de betão armado, caixilharia exterior, colocação de cadeiras nas bancadas, revestimentos e acabamentos, bem como a colocação de equipamentos de segurança estão praticamente concluídos.

Tudo indica que o pavilhão, com capacidade para três mil espectadores, será mesmo entregue no dia 31 deste mês, como promete o empreiteiro.A nível dos arranjos exteriores, as obras decorrem igualmente a um ritmo acelerado, com a colocação de asfalto no parque de estacionamento para o público, com capacidade para mais de 500 viaturas.O empreendimento conta com outro parque, com espaço para 40 viaturas, na zona interior do complexo, reservado a personalidades VIP.

A empresa responsável pelas obras aumentou o número de operários, tendo em conta o volume de trabalho na zona exterior do pavilhão que, entretanto, deverá estar concluída no fim do mês de Agosto, de acordo com um dos responsáveis da empreiteira.Homens e máquinas trabalham ininterruptamente na aplicação do asfalto e outros arranjos nas vias de acesso, bem como na nova estrada que liga a zona urbana ao aeroporto internacional Yuri Gagarin, passando pelo pavilhão, tornando-a num verdadeiro atractivo da cidade do Namibe.Nesta altura, a obra emprega 100 operários angolanos e outros tantos portugueses.

Imprensa
CIAM é o “quartel-general”
dos jornalistas na cobertura


O Centro de Imprensa Aníbal de Melo (CIAM) está preparado e equipado para facilitar o trabalho de várias equipas de reportagem, que farão a cobertura do 41º Campeonato do Mundo de Hóquei em Patins, a decorrer em Angola, entre 20 e 28 de Setembro do corrente ano, assegurou António Mascarenhas, ­director-geral da instituição.

O responsável do CIAM, que falava aos jornalistas, na esteira dos preparativos para a organização do “mundial”, o primeiro em África, disse que a instituição que dirige tem tudo preparado para ser o local estratégico dos jornalistas nacionais e estrangeiros, durante o certame, pois as condições técnicas e de telecomunicações de última geração estão asseguradas por aquele órgão de comunicação social.“Dispomos das condições adequadas para a facilitação dos trabalhos da imprensa, quer nacional quer internacional. Temos salas de imprensa totalmente equipadas com material moderno, Internet em banda larga e os equipamentos de última geração para auxiliar os ­trabalhos jornalísticos”, garantiu.

Segundo António Mascarenhas, o CIAM assume desde já a tarefa de ser o principal colaborador do Comité Organizador (Cohoquei) no processo de acreditação da imprensa estrangeira, que pretenda cobrir o evento. O Centro de Imprensa Aníbal de Melo é o organismo responsável pela acreditação, facilitação e acesso às fontes de informação da imprensa estrangeira que trabalha em Angola.Paulo Caculo

Concurso Público
Recinto aguarda pela designação


Os concorrentes, desportistas e população em geral da província do Namibe aguardam, com ansiedade, o anúncio oficial do comité organizador do “mundial” de hóquei em patins sobre a designação do pavilhão multiuso do Namibe. Depois de lançado o concurso público em Abril último, o júri avaliou as mais de 10 propostas apresentadas.

Entre as propostas apresentadas ressaltam os nomes de Welwitschia Mirabilis, a planta rara que é um dos símbolos nacionais, já que só existe em Angola e na Namíbia, e de Álvaro Ascenso, um dos impulsionadores do hóquei em patins na província do Namibe, no período pós independência. O “Jornal dos Desportos” apurou que a designação do pavilhão do Namibe será conhecida por altura da inauguração, em Agosto próximo, numa gala, em que estarão presentes todos os concorrentes, figuras do hóquei a nível nacional e internacional, membros do comité organizador, governantes e convidados.  MS


Caissarinha
Kwanza-Sul quer Mascote


O Governo do Kwanza-Sul deseja que a mascote do “Mundial” de Hóquei em Patins que o país vai albergar em Setembro, Kaissarinha, passe pela província, onde deverá ser organizada uma cerimónia de apresentação aos adeptos da modalidade.A intenção foi manifestada à imprensa pelo director local da Juventude e Desportos, Manuel do Nascimento, adiantando ter comunicado já à federação da modalidade.A população quer ver também desfilar os atletas de todas as selecções no Kwanza-Sul.“Estamos solidários com a organização, por isso queremos ver a mascote e os jogadores na cidade do Sumbe”, disse.