Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Yuri da Cunha confiante

Arão Martins, Lubango - 02 de Setembro, 2013

Yuri da Cunha é um dos muitos cantores convidados para a promoção do Campeonato

Fotografia: Jornal dos Desportos

A divulgação do campeonato do mundo de hóquei em patins, que o país acolhe este mês nas cidades de Luanda e do Namibe, é uma tarefa que também deve abranger os músicos angolanos em todas as suas actividades.

O apelo é do músico Yuri da Cunha.O cantor, que se encontra na cidade do Lubango, solicita a colaboração dos músicos angolanos na difusão do primeiro campeonato do mundo de hóquei em patins em África, um dos muitos eventos desportivos que servem de veículo da imagem do país.

Durante o campeonato, Yuri da Cunha afirma que o país vai receber pessoas oriundas de vários países. Por esse facto, defende, é necessário que cada um dos angolanos faça a sua parte para que Angola se encontre realmente no concerto das nações e possa mostrar o que tem de melhor.“Angola é um país de pessoas extremamente educadas e esse espírito deve ser demonstrado na recepção das delegações visitantes em todo o espaço do território nacional”, disse. 

Yuri da Cunha revelou que a produção do CD promocional do Mundial Angola’2013 está concluído e contou com a participação de vários músicos.Sobre o silêncio das músicas do mundial nas rádios do país, Yuri da Cunha defende que é uma questão que deve merecer a atenção dos agentes que compõem a Comissão Organizadora do Campeonato do Mundo.

Quanto à participação da Selecção Nacional na competição, Yuri da Cunha mostrou-se ambicioso e confiante. O trabalho pormenorizado da Selecção Nacional de hóquei em patins vai permitir alcançar a “melhor classificação de sempre”, apesar de reconhecer a presença de selecções fortes, como Espanha, Portugal, Argentina e Itália.

Para o músico, “nada é impossível” e todos os angolanos devem trabalhar para o sucesso do evento mundial e da Selecção Nacional em particular.“Alcançar o lugar cimeiro da competição é uma possibilidade”, disse.A conquista da Taça Zé Du, em Malange; Troféu de Vendimia, na Argentina; e 3º lugar no Torneio de Montreux, Suíça, são factores que indicam que a Selecção Nacional vai protagonizar a maior surpresa de sempre num campeonato do mundo de hóquei em patins, segundo Yuri da Cunha.Angola está no grupo C com a África do Sul, adversária da abertura, Chile e Portugal.

História dos mundiais
7ª Edição
primeiro campeonato para a espanha


De 1 a 10 de Junho de 1951, a cidade catalã de Barcelona engalanou-se e acolheu a sétima edição do campeonato do mundo que naquele ano contou com a participação de 11 selecções nacionais. A Espanha, que era formada por atletas da região, conseguiu a sua primeira vitória e tornou-se o terceiro país a erguer o troféu mundial. Na prova de Barcelona disputaram-se 55 jogos em que foram apontados 465 golos, com uma média de 8,45 por jogo.

A equipa africana do Egipto voltou a falhar, mas tinham-se inscrito a Irlanda e Dinamarca, que acabaram nos últimos lugares da prova. Em dez jogos disputados, os dinamarqueses lograram apenas um golo e, curiosamente, foi diante da também estreante Irlanda, com quem perderam por 1-2. A Dinamarca teve um registo de 140 golos negativos. A classificação ficou assim ordenada: 1º- Espanha, 2º- Portugal, 3º- Itália, 4º- Bélgica, 5º- Alemanha, 6º- França, 7º- Inglaterra, 8º- Suíça, 9º- Holanda, 10º- Irlanda e 11º- Dinamarca.

8ª Edição
Portugal campeão


O quinto título do campeonato do mundo para Portugal veio da cidade do Porto, na terceira vez que o país acolheu o evento. As duas edições anteriores, de 1947 e 1949, realizaram-se em Lisboa.Depois de ter infligido derrotas a Portugal e Espanha, a Itália foi surpreendida pela França e acabou por ficar no segundo lugar, já que os anfitriões acabaram a prova com um coeficiente superior de golos marcados.A França funcionou como uma encomenda para a Itália, já que perdeu outros jogos com adversários menos cotados. No Porto disputaram-se 45 jogos, apontaram-se 266 golos, uma média de 5,91 por partida. A classificação ficou ordenada assim: 1º- Portugal, 2º- Itália, 3º- Espanha, 4º- Bélgica, 5º- Holanda, 6º- França, 7º- Inglaterra, 8º- Suíça, 9º- Egipto e 10º- Dinamarca. SILVA CACUTI