Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

1 de Agosto ergue trofu da Supertaa

Silva Cacuti - 29 de Fevereiro, 2020

Militares festejaram a conquistaram do primeiro trofu da poca

Fotografia: Contreiras Pipa |Edies Novembro

A equipa sénior feminina de andebol do 1º de Agosto arrebatou ontem o primeiro troféu da época desportiva 2020 ao vencer o Petro de Luanda por 27-23 em partida referente à 14ª edição da Supertaça Francisco de Almeida. Ao intervalo, as agostinas perdiam, surpreendentemente, por 12-14.
O efeito surpresa trazido por Vivaldo Eduardo durou até soar o apito do intervalo. Enquanto Nelson Catito, estreante treinador da equipa do 1º de Agosto, familiarizava-se com a equipa militar, Vivaldo Eduardo explorava as potencialidades das “bebés” que trouxe no menu.
Stelvia e Estefânia Venâncio foram as que melhor responderam. Stelvia foi mesmo a melhor unidade dentre as comandadas de Vivaldo Eduardo, mas Anastácia Cambongo foi a mais ovacionada.
Saída da classe juvenil, a pequena de 17 anos exibia o cabelo atado em dois feixes, um em cada lado da cabeça, e mostrou talento; jogou sem receio de craques como Albertina Cassoma ou a guarda-redes cubana.
A displicência ao ataque e a ingenuidade defensiva denunciaram a verdura do plantel petrolífero. Polshikova, a guarda-redes russa, de quem muito se esperava, assistiu à partida sentada no banco de suplentes. Teve uma breve entrada, perto do minuto 22 do jogo, mas Vivaldo Eduardo, rapidamente, a tirou do jogo para não estragar o que estava bem.
O 1º de Agosto, com algumas unidades ainda em sub-rendimento, cumpriu o dever e mostrou que ainda há trabalho a fazer. As militares lançaram o aviso à concorrência sobre o que pode vir a ser a tendência da época desportiva, se o rival não investir no plantel.
O maior jogo continental feminino foi presenciado por uma casa cheia, um número considerável de adeptos acorreu ao local e, à testa, esteve o Secretário de Estado para os Desportos, Carlos Almeida. O político fez a entrega do troféu à Albertina Cassoma, capitã da equipa vencedora.
Para um jogo de abertura de época, não foi um mau espectáculo. As duas equipas deram a ver alguns recortes de andebol de primeira água que podem atrair mais adeptos para as salas de jogo ao longo da época.
Com a conquista, o 1º de Agosto soma três conquistas na prova, enquanto as comandadas de Vivalto Eduardo ostentam 10 troféus. O ASA detém uma conquista.
A Supertaça Francisco de Almeida opõe o vencedor do campeonato nacional ao vencedor da Taça de Angola e abre a época desportiva do andebol nacional.

Fiicha técnica

Pavilhão Cidadela Desportiva
Assistência: 3 mil pessoas

PETRO DE LUANDA

1-Ivete Simão, 2-Vilma Nenganga, 4-Delfina Mungongo, 6-Natália Camalandua, 7-Edith Bunga, 8-Noela Pedro, 9-Manuela Paulino, 10-Anastácia Cambongo, 11-Marília Quizelete “Inglesa”, 13-Estefânia Venancio, 15-Florinda Manuel, 16-Teresa Almeida, 18-Suzeth Cazanga, 20-Stelvia Pascoal, 26-Ríssia Oliveira, 86-Viktoriya Polshikova
 
1º  DE AGOSTO

3-Iracelma Silva, 4-Helena Paulo, 5-Luzia Kiala, 6-Juliana Machado, 9-Natália Bernardo, 10-Vilma da Silva, 11-Albertina Cassoma, 12-Enelleidys Lloveras, 13-Joelma Viegas, 15-Liliana Venâncio, 16-Suely Gomes, 17-Dalva Peres, 19-Wuta Dombaxi

DECLARAÇÕES
DOS TREINADORES-Nelson Catito


“As duas equipas estão de parabéns”

O treinador campeão da supertaça estava feliz, quando abordado sobre a conquista da equipa. Nelson Catito admitiu que teve pouco tempo de trabalho com o conjunto e perspectiva mais trabalho pela frente. \"Esta vitória é o culminar do trabalho curto que fizemos para brindar os adeptos  do andebol. As duas equipas estão de parabéns pelo espectáculo proporcionado\", disse.

Vivaldo Eduardo
PETRO DE LUANDA

“Houve pressão sobre a arbitragem”

O timoneiro do Petro de Luanda, Vivaldo Eduardo, ficou com a impressão de que a arbitragem terá favorecido o adversário em determinadas circunstâncias do jogo. Ainda assim, considerou o rival um digno vencedor. "Antes de mais, parabéns ao 1º de Agosto. Houve pressão do 1º de Agosto sobre a arbitragem e os árbitros ressentiram-se, deixaram de assinalar passos de um lado e assinalaram de outro. Mas não foi por aí. O 1º de Agosto foi digno vencedor", concluiu.