Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Andebol em festa

Silva Cacuti - 14 de Junho, 2016

Melhores jogadoras começam a convencer hoje o seleccionador para integrar o grupo que vai aos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro

Fotografia: Jornal dos Desportos

O técnico Filipe Cruz vai ser uma das figuras dos 37º Campeonatos Nacionais seniores masculino e feminino que acontecem a partir de hoje até o dia 26 do corrente na Cidadela Desportiva.

Além do dever de levar o seu 1º de Agosto à revalidação do título nacional feminino, a jornada do treinador durante a prova inclui observar as atletas a convocar para as selecção nacional feminina que vai disputar os Jogos Olímpicos do Rio'2016 e Campeonato Africano sénior feminino que Luanda acolhe em Dezembro.

O treinador tem também uma derradeira oportunidade para observar atletas para a selecção masculina que, de 15 a 29 de Janeiro, deve disputar o Campeonato Mundial em França. Descritas as coisas assim, dá ideia de um árduo trabalho para o treinador, ao longo dos dias que se avizinham.

Contactado pelo Jornal dos Desportos, a propósito, o treinador do 1º de Agosto mostrou-se sereno e desdramatizou.

"É um dossier que conheço bem e não me aflige. O mais difícil é saber das condições que temos para desenvolver o nosso trabalho a nível das selecções. A observação de atletas para estas selecções não considero difícil, porque o leque de opções não é tão vasto", disse.

Filipe Cruz, técnico de grau IV da IHF, é o primeiro treinador da história do andebol angolano a acumular o cargo nas selecções nacionais feminina e masculina.
O campeonato nacional disputa-se na Cidadela Desportiva a partir de hoje por 14 equipas, subdivididas em sete femininas e sete masculinas. Para hoje, o programa reserva um jogo em cada classe.

Em feminino, jogam as equipas do 1º de Agosto e da Marinha, logo após à cerimónia de abertura. Para fechar o primeiro dia de competições, a equipa masculina do 1º de Agosto tem pela frente o Interclube, campeão provincial de Luanda.

Na primeira fase, as equipas jogam em poule única, num "todos contra todos" que apura as primeiras quatro equipas para a meia-final.

A meia-final é jogada em sistema cruzado. A primeira classificada defronta a quarta e a segunda e terceira disputam um lugar para a final. A quinta e sexta classificadas da primeira fase jogam entre si para definir lugares.

1º DE AGOSTO
Lesões afectam
campeão nacional


A equipa do 1º de Agosto, orientada pelo português Frederico Santos, apresenta-se hoje para a abertura do campeonato nacional diante do Interclube, com vários atletas sem estar nas suas melhores capacidades devido a recentes lesões.

A equipa militar tem nesta condição os pivots Gabriel Teka e Augusto Dinzeia Pedro, qualquer deles avaliado a 70 porcento do seu melhor. O meia-distância Agnelo Kitongo acaba de sair de um paludismo. Elcimar Petro, ponta; Show Baby, meia-distânci,  também acabam de vir de lesões. A eles se junta o guarda-redes Geovani Muachissengue, que contraiu uma entorse no tornozelo no último treino da equipa diante da congénere da Marinha.

"Não estão a 100 por cento, mas vamos utilizá-los. Temos de gerir esta situação. Queremos reconquistar o campeonato nacional", disse um membro da equipa técnica militar.

A equipa do Interclube, que venceu os últimos quatro confrontos com os militares, está bem. Alexandre Machado tem a sua rapaziada em prontidão e sabe que quem vencer o jogo de hoje dá um passo gigante para a final do torneio, já que tem grandes oportunidades de defrontar o quarto classificado na meia-final. O despique da prova masculina resume-se a estas duas equipas.

Marinha, Petro de Luanda, Exército, Progresso da Lunda Sul e Misto de Cabinda vão esforçar-se por valorizar o Campeonato Nacional.
Na competição feminina, a questão do primeiro lugar parece arrumada, com o elevado favoritismo ao 1º de Agosto, justificado com o brilhante plantel, comparado aos demais contendores.

Petro de Luanda, Progresso e Marinha, quase ao mesmo nível, vão bater-se pelos restantes lugares da meia-final. ASA, Electro e Casa do Pessoal do Porto do Lobito aguardam por escorregadelas a fim de surpreender qualquer uma das equipas apontadas à meia-final.                 

ESPERANÇA
Neide Barbosa aguarda autorização


A guarda-redes está na expectativa em torno da resposta da reunião do Conselho da Confederação Africana de Andebol (Cahb) ao recurso interposto pela Federação Angolana de Andebol à suspensão de um ano e multa adicional de 3,3 mil euros, que lhe foi aplicada por agressão a uma árbitra no jogo diante do FAP dos Camarões, disputado a 13 do corrente, em Laâyoune, Marrocos, para a atribuição do terceiro lugar da Taça das Taças Africanas.

Hoje, aquele órgão da Confederação continental reúne e consta da agenda da reunião a apreciação sobre o recurso da Federação Angolana de Andebol.

"A jogadora está inscrita. Caso a resolução da Confederação chegue, amanhã, antes da realização do jogo da sua equipa, então a Federação emite um documento que faz chegar à Associação e ao Progresso para que a autorize a jogar, se o recurso for procedente. Se não chegar antes ou se for considerado improcedente, a jogadora não poderá actuar", disse Pedro Godinho, presidente da Federação Angolana de Andebol.

O recurso da Federação Angolana, recorde-se, não visa a despenalização da atleta, mas o retardamento do seu efeito, uma vez que, pelo seu desempenho, a atleta pode ser opção do seleccionador nacional para a campanha angolana nos Jogos Olímpicos

Uma ausência já confirmada nestes campeonatos nacionais é da meia-distância do Petro de Luanda, Azenaide Carlos. Segundo apuramos, não recuperou de uma doença respiratória. Uma baixa de vulto na equipa de Vivaldo Eduardo, confirmada por uma fonte próxima do clube tricolor.

PROVAS NACIONAIS
COM NOVAS REGRAS


Os campeonatos nacionais sénior masculino e feminino de andebol, que hoje começa a ser jogado em Luanda, vai cumprir as novas regras da Federação Internacional de Andebol (IHF), em vigor deste Agosto de 2015, segundo confirmação de Pedro Godinho, presidente de direcção da Federação Angolana.

"Vamos usar as novas regras. Aliás, já foram utilizadas durante os campeonatos provinciais", confirmou.

De acordo com as alterações ratificadas por unanimidade pela IHF, as principais alterações às anteriores regras têm a ver com o guarda-redes que passa a ser equiparado aos restantes colegas e pode actuar como sétimo elemento em campo.

Em caso de lesão de um jogador, este deve deixar o recinto de jogo, depois de receber a assistência médica e só pode reentrar após realizado o terceiro ataque da sua equipa. Na situação de jogo passivo, assinalado com o braço no ar pelos árbitros, a equipa que estiver a atacar passa a dispor de um total de seis passes para rematar à baliza e evitar a inversão do sentido de jogo.          
SC