Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Angola ocupa a penltima posio

Silva Cacuti, Em Copenhaga - 21 de Janeiro, 2019

A Seleco Nacional disputou sete jogos, venceu dois e perdeu cinco vezes.

Fotografia: Vigas da Purificao | Edies Novembro

A Selecção Nacional de andebol sénior masculina terminou ontem a participação no Campeonato Mundial, com vitória sobre à similar do Japão, por 32-29,  jogo que se disputou pelo 23º e penúltimo lugar da prova. Com a vitória, Angola melhorou um lugar em relação à edição de 2017, em Franca, em que foi a última classificada. Ao intervalo o conjunto nacional detinha vantagem de 15-14.
Nos minutos seguintes, o Japão submeteu-se ao ascendente da equipa angolana e não voltou a assumir a dianteira do marcador, até ao final. Angola chegou a construir vantagem de cinco golos e nos derradeiros minutos, quando a certeza da vitória permitiu relaxar, os asiáticos reduziram.
Era a terceira vez, que Angola estava diante de uma equipa asiática, depois do Qatar, na fase de grupos e da Arábia Saudita, com quem perdeu no primeiro jogo das classificativas.
Foi a melhor exibição dos guerreiros (designação da selecção). A equipa alcançou 71 por cento de aproveitamento no ataque,  em 45 remates à baliza, 32 deram em golo. Não falhou qualquer livre de sete metros, dos 14 que beneficiou.
A interesseira assistência dinamarquesa, voltou a escolher Angola para aplaudir.
Angola fez para merecer. A selecção jogou com alegria que faltou nas últimas exibições, chegou a protagonizar várias jogadas de bom recorte técnico.
Ainda assim, foi um jogo equilibrado do princípio ao fim. Os números finais não permitem dizer o contrário.
Declerk Sibo voltou a evidenciar-se, marcou oito golos. Romé Hebo e Adelino Pestana “Amarelo” apontaram, cada um sete golos. Hebo foi distinguido MVP da partida.
A Selecção Nacional disputou sete jogos, venceu dois e perdeu cinco vezes. Na primeira fase Angola, inserida no grupo D, começou por vencer o Qatar,24-23. Na segunda ronda a Selecção Nacional perdeu para a Hungria, 24-34 e na sequência teve derrotas para a Suécia, 19-37, Argentina, 26-33 e Egipto, 28-33.
Última classificada do grupo, Angola voltou a perder, 29-34, para a Arábia Saudita, nas classificativas do 21º ao 24º lugar.
A Arábia Saudita, num jogo decidido nos últimos cinco segundos, venceu a Coreia unificada e acabou na 21º posição da tabela geral.
Nas classificativas do 13º lugar o Qatar venceu a Rússia, por 34 a 28. A Macedónia derrotou o Chile e ficou em 15º lugar.


DECLARAÇÕES

Filipe Cruz (treinador de Angola)
“Os atletas estiveram bem”

“Fizemos, hoje, uma grande exibição, cumprimos o objectivo e estamos satisfeitos. Na verdade, não percebo estes jogadores, fiquei surpreendido”, concluiu.

Todoroki Manabu (treinador do Japão)
“Angola ganhou bem”

“Hoje, fizemos um dos nossos piores jogos, perdemos de forma dramática, vamos trabalhar porque temos outros desafios no próximo ano, felicitações a Angola que esteve bem.


Gesto
Romé Hebo
oferece equipamento
da Hummel

Pelo menos, 24 crianças desfavorecidas vão receber equipamento desportivos da marca dinamarquesa Hummel, em nome de Romé Hebo, que acabou o Campeonato Mundial distinguido duas vezes como o melhor jogador da partida.
As crianças a beneficiar e os respectivos países, não estão definidos. Vai ser ao critério da empresa dinamarquesa, cujos responsáveis a nossa reportagem tentou contactar, sem sucesso.
“Só em Herning poderá encontrar algum responsável da Hummel para mais informações à respeito”, disse-nos Stig Spangberg, um responsável do comité organizador dinamarquês, na cidade de Copenhaga.
 A Hummel propôs-se, além da camisola e uma bola oferecidas ao jogador indicado MVP, oferecer até 12 equipamentos às crianças desfavorecidas, em nome de cada um dos atletas distinguidos.
O angolano vai ver seu nome ligado à oferta de 24 mudas de equipamento. Distinguido jogador mais importante (MVP) da partida entre Angola e Japão, Hebo consta de uma restrita lista de seis atletas, que lograram ser distinguidos pela segunda vez, até ontem. Curiosamente, três são africanos.
Com Hebo distinguido nos jogos Angola -Qatar e Angola - Japão, fazem a lista  o Tunisino Mohamed Soussi e o egípcio Ali Zeinelabein. Ainda, o russo Timur Dibirov, o sueco Lukas Nilsson e o islandês Arnor Thor Gunnarsson.
Ao todo, a IHF distinguiu até ontem 60 atletas. A Suécia, Dinamarca e Croácia são os países que viram cinco atletas seus serem distinguidos.