Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Árbitros beneficiam de curso

Silva Cacuti - 06 de Maio, 2014

Laurent Kuete (à direita) realçou a disparidade entre árbitros e as selecções nacionais nas competições internacionais

Fotografia: Dombele Bernardo

O presidente do Comité de Arbitragem da Confederação Africana de Andebol (Cahb), Laurent Kuete, disse ontem que a instituição continental está preocupada com a disparidade de nível do andebol jogado em Angola e o nível dos árbitros que tem o país. Kuete falava ao Jornal dos Desportos, após a cerimónia de abertura do curso que dirige a árbitros angolanos candidatos a ascensão à categoria continental.

“O nosso objectivo com esta formação é elevar o nível de arbitragem em Angola e permitir que os árbitros angolanos voltem à arena internacional. Tivemos muitos bons árbitros internacionais em Angola, como os casos de Domingos Nascimento e Carlos Roberto. Preocupa-nos que o patamar alcançado pelo andebol angolano nas provas continentais e mundiais, não seja correspondido com as arbitragens na arena internacional”, disse.

Participam na formação sete dupla de árbitros seleccionados com base no critério da idade. Os participantes têm idades inferiores a 28 anos. A Federação Angolana realiza a formação na antecâmara ao estágio de subida de categoria a ser realizado pela Cahb, em Lomé, Togo, de 10 a 17 de Agosto.

Pedro Pinto, árbitro de categoria nacional, considera a formação uma oportunidade de ouro para a arbitragem angolana, visto que o último curso de subida de categoria com participação angolana, ocorreu em 2011. Na altura, nenhuma dupla obteve sucesso. “Estamos preparados tecnicamente e não devemos nada aos árbitros que vêem ao país e vemo-los a actuar em competições internacionais”, disse.

Pedro Pinto asseverou que “é de louvar a iniciativa da Federação em proporcionar essa formação em jeito de antecâmara ao estágio de Lomé”. O árbitro está crente em dar boa resposta. Benvinda Isabel, ex-praticante que vem da cidade do Lubango, ressaltou que há um tabu em relação à arbitragem feminina. Benvinda faz dupla com Luciana João e diz que estão prontas para os desafios da formação.

“Queremos deixar bem vincado o nosso nível e estamos aqui para aprender, aprimorar os nossos conhecimentos e temos a certeza de que vamos ascender de categoria, como é nosso desejo”, disse. Fernando Amado “Lalá”, presidente do Conselho de Árbitros da Federação Angolana, disse que a adesão “é satisfatória e espera um bom aproveitamento dos árbitros”.