Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Cadetes decidem título africano

Silva Cacuti - 09 de Julho, 2015

Stephanie Lukau está indisponível para a selecção Nacional por questões escolares de acordo com a federação da modalidade

Fotografia: M. Machagongo

A selecção nacional de andebol, em cadetes femininos, decide hoje, no pavilhão Home of Heroes de Nairobi, o título do 11º campeonato africano, quando defrontar a similar do Egipto na derradeira jornada.

Em caso de vitória, Angola conquista a prova, com quatro pontos de vantagem sobre a adversária. Se perder, desde que seja pela margem mínima, Angola ainda assim,  revalida o título em sua posse, já que venceu por um golo, 33-32, na primeira volta e tem o melhor saldo de golos da competição.

Não vai ser um jogo fácil, como aliás ninguém espera, numa final. O espírito de final é ainda atiçado pela vontade das magrebinas em destronar Angola.

Yasmine Hasad, Shaimaa Sabri e Malak Ali, as principais intérpretes do jogo das egípcias vão ser setas direccionadas para a baliza angolana, onde Audília Carlos e Eliane Mota devem apelar à bravura.

De resto, cada equipa tem os seus trunfos na manga, para evidenciar no jogo de logo mais, às 15h00. Helena Simão, Vera Kiala, Hermegilda Hebo são, da parte angolana, algumas das feras de que Luís Chaves se vai servir para a defesa do título em posse de Angola.

Na penúltima jornada, terça-feira, as duas equipas tiveram vitórias folgadas. Angola despachou o Quénia por 39-27, enquanto o Egipto superou a RDC por 31-20.

Na definição do terceiro lugar, a equipa caseira mede forças diante da RDC. O terceiro lugar apura o última equipa africana para o campeonato mundial da Slovákia, em 2016.

AMINATA KANKA
DESFALCA EQUIPA


A guarda-redes do Atlético Sport Aviação(ASA) e da selecção nacional de andebol, em cadetes feminino, Aminata Kanka, vai ser uma das baixas de vulto no jogo de logo mais, em que a selecção nacional vai tentar o quarto título continental, diante da similar do Egipto.

A guarda-redes, que foi uma das peças basilares na reviravolta do jogo da primeira “mão”, diante das faraónicas, ressente-se de um “mau -estar” que a afastou dos últimos jogos da selecção nacional.

"Cremos que ela não se adaptou à altitude", alvitrou um dirigente federativo para explicar a ausência da jogadora. Aminata Kanka entrou bem na segunda parte do jogo com defesas instintivas que permitiram à equipa recuperar o resultado negativo de 10-14 ao intervalo. Angola venceu por 33-32 e a jogadora do ASA foi o grande carrasco das egípcias.

O Campeonato africano de cadetes feminina encerra hoje na capital queniana Nairobi.

Equipa faz troca
de guarda-redes


O seleccionador nacional, júnior feminino de andebol, Pedro Neto “Oy”, chamou a guarda-redes Virgínia Afonso, da  Casa do Pessoal do Porto do Lobito para integrar o grupo que vai disputar o 22º campeonato africano da categoria que se disputa em Nairobi, Quénia, de 11 a 19 do corrente.

A chamada, à última hora, da jogadora lobitanga deve-se à indisponibilidade de Aminata Kanka, atleta que está  em Nairobi a representar a equipa de cadetes, mas que ficou indisponível por um “mau -estar”. A equipa técnica também não pode contar com os préstimos de Stephanie Lukau, guarda-redes que evolui na Alemanha, por encontrar-se em período de provas escolares.

A equipa nacional segue amanhã para Nairobi, com a missão de lutar pela revalidação do título continental conquistado em 2013, em Oyo, República do Congo.

A prova de juniores vai contar com as participações de Angola, Egipto, Tunísia, Argélia, Quénia e RDC. Vai ser disputada no sistema de todos contra todos a duas voltas. Angola abre a prova diante do Egipto, no dia 12, defronta, depois, a Argélia, na segunda jornada. Na terceira ronda o adversário vai ser a equipa do Quénia. Angola joga ainda diante da RDC e encerra a primeira volta diante da Tunísia.