Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Campe mundial cai na meia-final

Silva Cacuti - 26 de Janeiro, 2019

Fotografia: DR

A França, detentora do título mundial, que pretendia o registo de cinco finais em seis campeonatos consecutivos foi ontem derrotada, por 38-30, pela Dinamarca, em jogo referente à primeira meia-final do Campeonato Mundial que decorre simultaneamente na Alemanha e Dinamarca. Ao intervalo a vantagem dinamarquesa já era folgada, 21-15.
A jogar, pela primeira vez fora do seu território, onde disputou a primeira fase e as classificativas, a Dinamarca ignorou o facto de estar diante de si a bi-campeã mundial, que buscava a quinta final depois de ter jogado finais nas edições de 2009, 2011, 2015 e 2017. Liderados pelo goleador Hansen Mikkel, os dinamarqueses, finalistas em 2011 e 2013, marcaram um importante passo para a sua primeira conquista do maior evento do andebol mundial. É a quarta final para os nórdicos, depois de terem chegado pela primeira vez, em 1967, na vizinha Suécia.
Na outra meia-final, também disputada no Barclaycard Arena de Hamburgo, a Noruega, vice-campeã mundial desfeiteou a anfitriã, Alemanha, por 31-25, e silenciou os milhares de adeptos caseiros. Ao intervalo a selecção da Alemanha perdia, por 12-14.
Com a vitória a Noruega garantiu a segunda final da sua história e de forma consecutiva. Na edição de 2017 a Noruega perdeu a final, 26-33, para a França que jogava em casa e volta a encontrar um anfitrião na final deste ano, aprazada para amanhã.
Hoje, às 17H30, no Jyske Bank Boxen de Herning, Dinamarca, o Egipto, único africano ainda em competição, joga diante da Espanha, para a decisão do sétimo lugar. O vencedor desta partida apura-se para o torneio pré olímpico para os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, tal como as outras primeiras equipas classificadas. O campeão mundial apura-se directamente para os Jogos de Tókio. 
Às 20H30, também em Herning a Croácia e a Suécia batem-se pelo quinto lugar.
Nos lugares da classificação, já definidos, há a realçar a surpreendente prestação do Brasil, que tornou-se no primeiro lusófono a integrar o \"top 10\" de um mundial.
A participação histórica dos brasileiros cifrou-se no nono lugar da tabela classificativa.
A Hungria e a Islândia ficaram classificados nos lugares subsequentes. A Tunísia, campeã africana, foi a 12ª da tabela geral. Qatar, Rússia, Macedónia, Chile, Argentina, Sérvia, Áustria, Barein, Arábia Saudita, Coreia (unificada) ocuparam os lugares subsequentes. O Japão perdeu para a selecção nacional e ficou na 24ª e última posição da prova.