Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Cruz faz mexidas no plantel

Silva Cacuti - 08 de Novembro, 2018

Pupilos de Filipe Cruz arrancam com os trabalhos de preparao

Fotografia: Jos Cola| Edies Novembro

O guarda-redes Fábio Lopes e os jogadores de campo Agnelo Kitongo (pivot),Mário Tati (lateral esquerdo), Feliciano Coveiro (lateral direito), Elias António (ponta esquerdo) e Nestor Kinanga (ponta direito), integrantes da Selecção Nacional sénior masculina de andebol que, em Janeiro do corrente ano, sagrou-se terceira classificada do Campeonato Africano disputado em Libreville, Gabão, não fazem parte dos escolhidos do seleccionador nacional, Filipe Cruz, para o Campeonato do Mundo, que se disputa na Dinamarca e Alemanha, de 10 a 27 de Janeiro de 2019.
O seleccionador convocou 16 atletas, cuja apresentação inicialmente aprazada para ontem, foi remarcada para a próxima terça-feira, no Anfiteatro Paulo Bunze, da Federação Angolana de Andebol.
Nesta convocatória, Filipe Cruz dá oportunidade a cinco atletas que vão estrear-se com a equipa de seniores, enquanto Osvaldo Mulenessa volta às opções do treinador, depois de não ter merecido na campanha do africano.
Edmilson Gonçalves, guarda-redes da Marinha de Guerra; Ângelo Adão, pivot do 1º de Agosto; Cláudio Chicola, ponta do Interclube e os laterais direitos afectos ao 1º de Agosto, Francisco de Almeida e Abguelei Lourenço, são os estreantes.
Apenas Edivaldo Ferreira \"Moreno\", que joga no Smouha de Alexandria, do Egipto, foi convocado, dentre os jogadores que actuam fora do país.
Detalhes sobre os objectivos do conjunto nacional, arranque e programa de preparação, serão dados por altura da apresentação oficial da selecção nacional.
Em 2017, em França, A Selecção Nacional quedou-se na última posição. Na altura, a equipa era comandada por Alexandre Machado. Filipe Cruz e seus pupilos vão esforçar-se, para estar entre as 20 melhores selecções mundiais.
O seleccionador convocou os seguintes atletas: Guarda-redes: Geovani Muachissengue, Edmilson Gonçalves, Custódio Gouveia. Pivôt: Gabriel Teca, Aguinaldo Tati,Agnelo Quitongo. Centrais: Manuel Nascimento, Claudio Lopes, Romé Hebo. Pontas direita: Otoniel Pascoal, Osvaldo Mulenessa, Claudio Chicola. Ponta esquerda: Elsemar Santos ,Adilson Maneco. Lateral direito: Francisco Almeida, Abigueilei Lourenço. Lateral esquerdo: Edvaldo Ferreira, Declerck Sibo.

Feito
Presença
consecutiva

Pela primeira vez, a selecção nacional sénior masculina joga dois mundiais seguidos. Depois de ter estado na edição de 2017, quando pela segunda vez da sua história logrou o bronze continental, a equipa nacional voltou a apurar-se depois de conseguir novo bronze, na prova disputada em Libreville, Gabão, em Janeiro do corrente ano.
Ao todo, Angola vai assinalar nesta prova co-organizada pela Dinamarca e Alemanha, a sua quarta presença em mundiais de andebol. É a única selecção da África abaixo do Equador a jogar em mundiais.
Jogar mundiais desta classe era um privilégio para equipas do Magrebe, como o Egipto, Argélia, Tunísia e Marrocos. A Argélia foi a primeira equipa africana a jogar em mundiais, jogou em 1974, 1982, 1986 e 1990. Em 1993, na Suécia, a África foi representada pelo Egipto e a partir de 1995 o continente passou a ter três representantes.
Na edição de 2005, na prova mundial que se jogou na Tunísia, Angola participou pela primeira vez e  ficou em 20º lugar, de entre 24 selecções.  No campeonato africano de 2004 no Egipto, a Selecção Nacional  obteve, pela primeira vez, o bronze continental.
Em 2007, na Alemanha, fruto do bom desempenho da Tunísia no mundial que acolheu e obteve o quarto lugar, Angola apanhou uma boleia e jogou o mundial, mesmo como a quarta classificada do africano de 2006.
Nessa prova, Angola quedou-se em 21º lugar. Angola voltou a representar o continente, ao conquistar mais um bronze continental, o segundo da sua história, em 2017. Neste mundial disputado em França, a Selecção Nacional fez a pior prestação e ficou em último lugar.
Angola vai jogar a primeira fase inserida no grupo D, em Copenhaga, Dinamarca. Estreia-se diante do Qatar, a 11 de Janeiro. Na segunda jornada, a 13 de Janeiro, defronta a Hungria. No dia 14, o adversário vai ser a forte selecção da Suécia. Depois do repouso, no dia 15, a equipa volta à quadra nos dias 16 e 17 para as últimas jornadas da fase de grupo, diante da Argentina e do Egipto, respectivamente.