Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

FAAND aprova condies da Hula

Gaudncio Hamelay, no Lubango - 20 de Outubro, 2014

Pedro Godinho esteve acompanhado do vice-presidente do Conselho Tcnico da Federao

Fotografia: JAIMAGENS

O presidente da Federação Angolana de Andebol, Pedro Godinho, assegurou no Lubango que a província da Huíla reúne condições para albergar de 6 a 15 de Janeiro do próximo ano, os Campeonatos Nacionais de Andebol, nas categorias de juvenis em masculino e feminino.Para constatar “in louco” as condições existentes para a realização do evento nas terras altas da Chela, Pedro Godinho, acompanhado pelo vice-presidente do Conselho Técnico da Federação, Ilídio Cândido, trabalharam na última sexta-feira no Lubango com as autoridades governamentais da província, direcção da Juventude e Desportos e Associação local da modalidade.

Durante a sua estada no Lubango, o presidente da Federação Angolana de Andebol, manteve um encontro de concertação com a vice-governadora para o  sector político e social, Maria João Tchipalavela, onde efectuou um pré-acordo de mensurar as condições e as responsabilidades de cada instituição intervenientes na organização da prova.“Já é um dado assente a realização do campeonato na Huila. A nossa vinda cá é para com as autoridades provinciais constatar in louco  até que ponto são as responsabilidades da província e também da Federação angolana de andebol. Por isso, hoje (sexta-feira) nós viemos de viva voz agradecer o governo da província na pessoa da vice-governadora para o sector político e social, Maria João Tchipalavela em representação do senhor governador e fazer um pré-acordo de mensurar das condições, das responsabilidades de cada instituição”, disse.

De acordo com Pedro Godinho, ficou decido que o governo da província da Huila vai ter uma fatia de responsabilidades, enquanto a direcção da Federação também vai ter outra.”Daí que hoje dou o primeiro passo para reafirmar com as autoridades locais. Trabalhamos com a direcção da Juventude e Desportos, com alguns membros da Associação e terminamos com a vice governadora em representação do senhor governador. Saímos daqui convencidos com  a troca de ideias que tivemos, encontramos muitos pontos convergentes e temos a mesma ideia, do que deve ser o campeonato nacional de andebol neste escalão”, sustentou.

Referiu que o campeonato nacional nos escalões de juvenis prevê movimentar cerca de 500 crianças e 20 equipas, em representação de todas províncias que desenvolvem o andebol. Avançou que o órgão reitor da modalidade no país pretende acautelar algumas situações para que se possa organizar mais uma prova exemplar na Huíla a par dos anos anteriores.“Para não tornar as coisas muito difícil ao organizador, vamos tentar limitar ao máximo de 20 equipas entre masculinos e femininos que vai dar um total de cerca de 500 crianças. Portanto, isso por conhecermos a capacidade do centro proposto para o alojamento das caravanas participantes. A capacidade de hotelaria, a huila não nos dá receio por ser uma província agrícola e não existe nenhum problema nesse sentido”, afirmou.   

O dirigente revelou que a Federação tem já estabelecido um prazo aberto de inscrições até dia 5 de Dezembro. Prometeu fornecer um mês antes do inicio do campeonato, o número exacto de equipas participantes no certame.  O objectivo das realizações de competições fora de Luanda é tentar descentralizar os grandes centros (Luanda e Benguela) “e porque sempre que passamos por uma província sentimos que aumenta a população praticante da modalidade”, ressaltou.

 Pedro Godinho explicou que o campeonato de juvenis não tem rendimentos. Para tal, nenhuma equipa paga a taxa de participação e a Federação assume logo de inicio o custo com os oficiais.   Adiantou que os troféus são assumidos pela direcção da Federação e cabe aos clubes custearem as suas despesas. “Vamos ver se com algumas unidades hoteleiras da província conseguem fazer uns preços bonificados e comparticipados para permitir aos clubes com orçamentos razoáveis puderem pagar a sua própria alimentação e terem o alojamento sob responsabilidade do governo”.

 Destacou que a realização de campeonatos nesses escalões, visa responder  os intentos traçados pela Federação no tocante à massificação.Godinho salientou que a política do órgão que dirige sempre foi fazer dessas grandes realizações, uma ferramenta de massificação.Esclareceu que “ao fazermos isso, estamos também a massificar. Muita gente tem a ideia errada que massificar é dar bolas as crianças. Não.Temos estado um pouco por todo lado e isso, em nosso entender é também a forma principal de massificar a modalidade”. Disse que foi propositadamente escolhido o mês de férias (Janeiro) para tentar atrair maior número de jovens estudantes possível para asquadras, para permitir expandir a modalidade noutras regiões do país.