Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Federao e Cruz definem acordo

Silva Cacuti - 06 de Setembro, 2016

Futuro do seleccionador nacional tratado em breve pela direco de Pedro Godinho com vista participao no Campeonato Africano

Fotografia: Jornal dos Desportos

A Federação Angolana de Andebol e a equipa técnica da selecção sénior feminina procuram rubricar os contratos que permitem o arranque dos trabalhos de preparação da selecção, com vista o campeonato africano que Luanda acolhe de 28 de Novembro a 7 de Dezembro. O assunto é prioritário, segundo o presidente da Federação de Andebol, Pedro Godinho, que chega amanhã ao país. "Em princípio, há um pré-acordo, e inclusive, uma programação elaborada.

Chego a Luanda no dia sete e uma das minhas primeiras tarefas vai ser fechar a programação da preparação da selecção nacional e o contrato com os treinadores. Estamos a fazer tudo para garantir uma preparação condigna", disse.Numa recente entrevista, o seleccionador nacional Filipe Cruz manifestou desagrado e revelou não ter qualquer contrato com a FederaçãoAngolana de Andebol que o engajasse para o campeonato africano.

O treinador chegou a condicionar o trabalho para o campeonato africano de andebol à resolução do pendente referente à missão olímpica.À propósito, Pedro Godinho refere que a responsabilidade das avenças da equipa técnica para as olimpíadas, é do Comité Olímpico Angolano."Com a excepção das situações em que o treinador é estrangeiro, todos os treinadores nacionais não podem ter dois contratos de trabalho: clube e selecção.

Os técnicos são cedidos por tempo determinado, em função de cada competição. Pagamos o tempo em que estão na selecção para competições da Confederação ou IHF. Pagamos a missão no Cairo, e o COA tem de pagar a missão Jogos Olímpicos. Sempre foi assim, com os técnicos nacionais", disse.Sobre a programação, o responsável admitiu a realização de um estágio de 20 dias na Europa.

No âmbito do campeonato, Angola espera receber acima de 300 pessoas, dentre elas 250 atletas, 35 árbitros e oficiais, e aproximadamente 50 jornalistas.Angola consta do grupo A, ao lado da Costa do Marfim, adversário da abertura e integra os Camarões, Senegal, RDC e Costa do Marfim. O grupo B é composto pela Tunísia, Argélia, Congo, Guiné e Egipto. O campeonato africano apura as três primeiras colocadas para o campeonato mundial de 2017 na Alemanha.